Como reduzir a inflação de um país?

O que esperar quando a inflação de um país ou região econômica está descontrolada? , Quais mecanismos os líderes têm para conseguir reduzir a inflação?

Afinal, em uniões econômicas como a Europa por exemplo, esse é o único mandato do BCE, não é? Manter a estabilidade de preços com uma inflação anual máxima permitida de 2%.

Portanto, neste artigo vamos ver as 4 maneiras que os Banco Centrais de reduzir a inflação

Por que reduzir a inflação causa “dor”?

Neste artigo, não quero focar em uma explicação profunda de o que é a inflação, vamos entender por que reduzir a inflação “causa dor na economia”, como disse Jerome Powell, Presidente do FED.

Principalmente porque, em última análise, os bancos centrais podem, através de suas políticas monetárias, controlar a demanda. Isso é, basicamente ter bastante influência se as pessoas comuns, ou seja, você e eu, vamos poder consumir mais ou menos.

E como isso é possível? Se ninguém nos obriga a ir mais ou menos ao bar, ou a comprar menos no supermercado. Realmente não é necessário. Controlam a demanda agregada da sociedade através da facilidade de acesso ao crédito, seja através dos estados ou através dos bancos comerciais.
E depois são os Estados que redistribuem esses créditos à população através de “políticas sociais”, ou os bancos comerciais, que redistribuem esse dinheiro através de créditos baratos para empresas ou indivíduos.

No entanto, a coordenação do mercado não depende apenas da demanda, mas também da oferta, e sobre isso seu controle é mínimo, para não dizer nulo (e não porque eles não gostariam, mas porque não podem).

Portanto, em situações de clássica inflação de demanda por superconsumo (normalmente geradas pela famosa “impressão de dinheiro”), tudo o que precisam fazer é reduzir ligeiramente a facilidade de acesso ao consumo endurecendo o crédito (tanto para Estados, quanto para bancos), para baixar a inflação (já que assim o consumo diminuirá). Este fato pode causar certo dor suave (o famoso soft landing), mas costuma ser resolvido, mesmo sem a necessidade dos países entrarem em recessão técnica.

No entanto, o problema surge quando começamos a falar de inflação de oferta, essa parte da equação, que não pode ser controlada pelos bancos centrais. Estas costumam ocorrer por escassez e encarecimento no acesso às matérias-primas (gás, petróleo, lítio…) devido a guerras e tensões geopolíticas. Neste caso, podem ocorrer situações que, sem um consumo exacerbado, e mesmo com certo nível de desemprego e estagnação, como as matérias-primas agora são mais caras, tudo aumenta de preço, ou seja, continua havendo inflação. Isso é chamado de estagflação.

E aqui está o problema, já que ao não poder (o banco central) controlar essa oferta, se não quiserem que o aumento de preços continue, e acabe se enraizando em suas economias, e por consequência, desvalorizando suas moedas, só lhes resta uma opção:

Eliminar tanto a demanda, que tudo baixe de preço, porque as pessoas mal podem consumir.

E como eles fazem isso? Na verdade, já comentamos, tornando o acesso ao crédito tão caro e difícil, que este ocorra de forma mínima. Este fato a médio prazo, fará muitas empresas zumbis quebrarem, dificultará o novo empreendimento, e em geral criará centenas de milhares de desempregados, que obviamente, não poderão consumir (o que se buscava)

Por isso, como apontou o presidente do FED, é quase impossível acabar com a inflação (especialmente se for de oferta), sem causar dor na economia.

É necessário esfriar a atividade para que os preços baixem, mesmo que a oferta seja escassa.

As 4 Formas de baixar a inflação

Como o Banco Central do Brasil (BCB) endurece as condições de crédito para reduzir a inflação? Basicamente, ele tem 4 ferramentas principais que podem ser usadas de forma combinada. Vamos ver quais são:

Aumento das Taxas de Juros

O aumento das taxas de juros é, talvez, o método mais conhecido para combater a inflação. No Brasil, o BCB ajusta a taxa Selic, que é a taxa de juros de referência na economia. Ao aumentar a Selic, o custo do dinheiro (o custo da dívida) aumenta, reduzindo assim o capital circulante. Isso leva a uma menor atividade econômica, esfriando a demanda e ajudando a conter a inflação.

Esta é frequentemente uma das primeiras medidas adotadas pelo BCB quando percebe a necessidade de combater a inflação. No entanto, aumentar as taxas de juros pode levar ao fim de um ciclo econômico e potencialmente a uma recessão.

Aumento da Reserva Obrigatória

No Brasil, os bancos são obrigados a manter uma certa porcentagem dos depósitos de seus clientes como reserva no Banco Central. Ao aumentar essa porcentagem de reserva obrigatória, o BCB pode efetivamente reduzir a quantidade de dinheiro disponível para empréstimos, diminuindo a liquidez no sistema financeiro e ajudando a combater a inflação.

Endurecimento das Condições de Crédito

O BCB pode influenciar as condições de crédito no mercado, tornando mais rigorosos os critérios para concessão de empréstimos. Isso pode incluir exigências de maiores garantias, avaliações de crédito mais estritas ou maiores contribuições de fundos próprios para empréstimos. Com requisitos mais rigorosos, menos crédito é concedido, o que leva a uma menor circulação de dinheiro e, consequentemente, a uma redução da inflação.

Políticas Macroprudenciais

Além das ferramentas tradicionais, o BCB também pode utilizar políticas macroprudenciais. Estas são medidas destinadas a garantir a estabilidade do sistema financeiro e podem incluir limites para certos tipos de empréstimos ou requisitos de capital específicos para os bancos. Embora seu objetivo principal seja a estabilidade financeira, essas políticas também podem influenciar a inflação ao afetar a oferta de crédito na economia.

Fim do Programa de Compra de Títulos Públicos no Brasil

No Brasil, a criação de dinheiro é uma responsabilidade do Banco Central do Brasil (BCB), que também desempenha um papel crucial no combate à inflação.

Assim como em outras economias, no Brasil, o governo frequentemente busca influenciar a economia por meio de políticas fiscais, incluindo a concessão de subsídios. Essas medidas podem ser populares politicamente, mas também podem levar a desafios fiscais significativos.

Quando o custo dessas políticas se torna insustentável, o governo pode se ver obrigado a financiar seus déficits por meio da emissão de títulos públicos. No Brasil, o BCB tem atuado na compra desses títulos, uma prática semelhante ao programa de Quantitative Easing (QE) adotado por bancos centrais em outras economias, como o BCE e o Federal Reserve dos EUA.

No entanto, a continuação indefinida desses programas de compra de títulos pode trazer riscos, incluindo o aumento da inflação. Por isso, uma estratégia para combater a inflação pode envolver a redução ou o término desses programas. Isso forçaria o governo a buscar um maior equilíbrio fiscal, seja por meio da redução de subsídios ou buscando financiamento no mercado com taxas de juros mais altas.

Embora a redução da liquidez no sistema financeiro possa ajudar a controlar a inflação, essa medida pode ter consequências sociais, como descontentamento e dificuldades econômicas para a população.

Em resumo, o Banco Central do Brasil tem diferentes ferramentas para combater a inflação. No entanto, é importante reconhecer que controlar a inflação pode causar estresse na economia e que, em situações de inflação impulsionada por fatores de oferta, medidas mais agressivas podem ser necessárias.

Empresas que resistem à inflação

Em tempos em que os bancos centrais começam a ficar duros com o tema da inflação, as empresas com importante moat costumam lidar bastante bem com o período de estagnação econômica, e até mesmo a médio prazo, acabam subindo mais, já que muitos de seus concorrentes acabam sendo varridos pela própria recessão, e seu consumo absorvido por estas blue chips.

PD: Esses “valores seguros” ou blue chips, é verdade que resistem bem às quedas típicas das recessões, no entanto, quando chegar a vez do turno do bull market (devido a uma queda nas taxas para incentivar o investimento), também crescerão com muito mais calma 😉

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento