Entendendo o que é o Greenback: História e Impacto da Moeda Fiduciária Americana

greenback é uma moeda fiduciária não resgatável emitida pelos Estados Unidos durante a guerra civil do século XIX.

Com dinheiro fiduciário, nos referimos ao fato de que seu valor é baseado na fé. Ou seja, o dinheiro não é respaldado em ouro ou outro bem, mas na confiança de que esse pedaço de papel pode ser usado para pagar outra pessoa e ela o aceitará.

A palavra greenback, vale mencionar, tem uma conotação negativa porque essas notas (essa é a sua denominação oficial que explicaremos mais adiante) não tinham respaldo financeiro seguro e os bancos eram relutantes em conceder aos clientes o valor total do dólar.

Origem do greenback

Antes da Guerra Civil (1861-1865), nos Estados Unidos, o ouro e a prata eram usados como dinheiro oficial. A moeda de papel era emitida na forma de notas bancárias, mas apenas por bancos privados. Esses papéis eram reembolsáveis por dinheiro metálico.

As notas bancárias tinham valor apenas enquanto o banco emissor pudesse reembolsá-las (Não havia respaldo estatal). Se o banco quebrasse, os papéis despencariam.

Agora, o Tesouro dos Estados Unidos, visando se financiar em situações extremas, emitia notas do Tesouro. No entanto, a ideia de emitir moeda de papel pelo governo federal era um tema que gerava controvérsia. Isso, devido a uma experiência anterior: a emissão dos dólares continentais no contexto da Revolução Americana do século XVIII. Esses dólares depreciaram rapidamente devido a vários fatores (que não são o foco deste artigo).

Os banqueiros se opunham à criação de moeda de papel pelas autoridades federais. A preocupação era que, se a União (o lado do norte) perdesse a guerra, esses papéis perderiam seu valor, e se os bancos os aceitassem como meio de pagamento, poderia levá-los à falência.

Emissão das notas de demanda

Neste contexto, vamos então ao que nos interessa, a criação do greenback. Foi em 1861 que o Congresso autorizou a emissão de 50 milhões de dólares em notas de demanda. Estas pagavam juros inicialmente, mas podiam ser trocadas por dinheiro metálico.

Em dezembro de 1861, o governo parou a troca de notas e, consequentemente, seu valor caiu. No entanto, mais tarde foi autorizado o pagamento de juros, o que sustentou o valor dos papéis.

Essas notas não foram moeda legal até março de 1862. Seu verso era verde e foi por isso chamadas de greenback.

Enquanto as notas de demanda foram usadas para pagar dívidas, saíram de circulação. Assim, em meados de 1863, apenas 5% permaneciam no sistema.

Notas dos Estados Unidos

As emissões não estavam sendo suficientes para financiar a guerra. A solução foi a emissão de papel-moeda sem um lastro em metal (dinheiro fiduciário). A realidade é que não havia muitas opções, outra era entrar em maior endividamento.

Em fevereiro de 1862, foi autorizada a emissão de 150 milhões de dólares em notas dos Estados Unidos (US notes), também conhecidas como notas de curso legal. Esses papéis foram emitidos para o pagamento de salários e bens.

Enquanto o governo emitiu centenas de milhões dessas notas, seu valor em relação ao ouro caiu. Lembre-se de que, quanto maior a oferta, menor o preço de mercado, e o mesmo acontece com o dinheiro.

No livro Greenback Planet: How the Dollar Conquered the World and Threatened Civilization as We Know It de Henry William Brands Jr, é relatado como o valor do greenback variava conforme os eventos da guerra.

O papel-moeda se recuperou para 131 de greenback por 100 de ouro, após a vitória da União em Gettysburg. Mas, como os confederados (o lado sul) mantinham força em Richmond, o ponto mais baixo foi atingido em 1864, 258 de greenback por 100 de ouro. Depois, quando a guerra terminou em 1865, o papel-moeda se recuperou para 150 de greenback por 100 de ouro

A recuperação começou quando o Congresso limitou a emissão total de greenback a 450 milhões de dólares. Em dezembro de 1878, o valor do papel-moeda foi igualado ao do ouro e ambos se tornaram intercambiáveis.

Conforme o site do Museu de Finanças Americanas, o greenback financiou 15% do custo da guerra. No entanto, essa medida teve um contraponto, a inflação que chegou a 14% em 1862, e a 25% em 1863 e 1864.

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento