História e origens da Bolsa de Valores

Como e onde o primeiro índice de ações nasceu?, Qual foi a primeira bolsa oficial da história? Por que a bolsa é chamada de bolsa? Descobrimos neste artigo em que falamos sobre a história e origens da bolsa de valores e sua evolução até os dias atuais.

No mundo existem mais de cem bolsas funcionando globalmente onde mais de trinta mil ações são negociadas, e existe uma rede de investidores que globalmente ultrapassa um bilhão. Como Newton bem disse,

Posso calcular a polegada e o segundo as órbitas dos corpos celestes, mas sou absolutamente incapaz de prever até onde uma multidão histérica pode levar as cotações da Bolsa

Primeiras origens da Bolsa

O conceito de bolsa é algo relativamente recente, já que a bolsa e os mercados de valores não foram mais que uma consequência e uma evolução ao longo do tempo de lugares comerciais.

Deve-se dizer que já na antiga Grécia e Roma, existiam normas que se aplicavam às trocas e os comerciantes se reuniam a uma hora fixa para formalizar transações. Mas pode-se dizer que as bolsas, surgidas na Europa por volta do século XII, são os primeiros lugares oficiais onde transações e compra e venda de mercadorias eram realizadas, devido à presença de comerciantes, e seria o primeiro antecessor do que conhecemos hoje como a Bolsa.

Com o crescimento desses mercados, o volume começou a ser cada vez maior, dando origem a figuras como a do prestamista, pessoas ricas que forneciam financiamento em troca de garantias (geralmente jóias e ouro), bem como os templários, que desempenhavam uma função de banco, pois usavam sua rede de castelos e fortalezas da Ordem para servir de local de depósito para aqueles que precisavam, e assim evitar possíveis ataques e roubos.

Se deseja entender de maneira mais aprofundada sobre como funciona a bolsa acompanhe o nosso artigo de O que é Bolsa de Valores

A Bolsa nos séculos XII-XIV

Durante os séculos XII e XIV, o centro financeiro da Europa foi progressivamente transferido do norte da Itália, para as cidades comerciais de Antuérpia e Bruges entre outras e para os Países Baixos.

Por que a bolsa é chamada de bolsa?

Foi precisamente no ano de 1360, quando as feiras realizadas na cidade de Bruges, podem ter dado origem à palavra “Bolsa”, porque essas feiras eram realizadas em frente à mansão de um influente homem de negócios com o título de Cavaleiro das Bolsas (“chevalier Van der Beurse”), assim chamado por causa de três bolsas esculpidas no escudo de sua fachada. Em qualquer caso, a primeira Bolsa oficial foi criada em Antuérpia no ano de 1531.

A Bolsa nos séculos XV-XVIII

Com o surgimento em 1600 do que pode ser considerado a primeira sociedade anônima (a Companhia Inglesa das Índias Orientais) ocorreu o primeiro “boom” das bolsas de valores.

Anos mais tarde, em 1610 foi criada a Companhia Holandesa das Índias Orientais, que decretou que suas ações só poderiam ser liquidadas através de sua venda na Bolsa de Amsterdã, desencadeando uma enorme especulação, o que resultou em a “crise dos Tulipas”, primeiro crash da bolsa da história (1630-1637).

Naquela época, já se usava em Amsterdã uma gíria semelhante a “bull” (touro) para se referir aos mercados em alta, e “bear” (urso) para os baixistas. Os “amantes” eram os otimistas, e os “observadores” os pessimistas.

Menos de um século depois, ocorreu na França outra das maiores especulações da história, em 1717. John Law, um banqueiro escocês estabelecido na vila parisiense, procedeu ao lançamento das primeiras ações ao portador pertencentes a outra Companhia das Índias, a conhecida como Companhia do Mississippi.

Isso levou a negociações violentas na Bolsa de Paris com numerosas operações fraudulentas, que resultou em a primeira Lei das Bolsas em 1724, considerada como o “nascimento das Bolsas modernas”.

Com a chegada da primeira revolução industrial e a mudança radical nas bases da economia, a produção industrial passou a ser o principal motor da economia.

Como não poderia ser de outra forma, o auge da Inglaterra permitiu o surgimento da bolsa de Londres entre os anos 1760 e 1775, já com a lição aprendida a partir da bolha criada em torno da Companhia dos Mares do Sul no início do século.

Isso também permitiu o desenvolvimento de empresas que necessitavam de grande capital, como as siderúrgicas, a maquinaria industrial, ou as companhias de navegação. No entanto, a principal função do crescente mercado de ações era a colocação e negociação de empréstimos estatais, com o objetivo de obter financiamento para os projetos de colonização.

A Bolsa no século XIX até os dias atuais

A partir do século XIX, o rápido crescimento dos Estados Unidos despertou o interesse dos investidores que permitiu a criação da Bolsa de Nova York, que começou a funcionar em 1865 após a guerra civil, e fez com que a bolsa de Londres fosse gradualmente deslocada como centro de referência do mercado de ações, absorvendo assim a Bolsa de Nova York os maiores movimentos de capitais da época.

No século XX, o crash de 29 e a Grande Depressão foram o primeiro grande aviso sobre a importância dos mercados de ações na economia global. Com o objetivo de reduzir a relação entre a economia e os mercados financeiros, que poderiam arrastar toda a economia de um país em momentos de queda, surge o Estado como substituto da iniciativa privada em sua função de motor do crescimento.

As doutrinas econômicas keynesianas adquirem um papel dominante, potencializando o endividamento público e políticas fiscais, deixando para as bolsas uma função muito mais modesta no que diz respeito ao desenvolvimento econômico.

A bolsa de Tóquio chegou a se tornar o maior mercado de valores do mundo, tanto pelo volume de negociação quanto pela capitalização de mercado, e o neoliberalismo de Reagan e Thatcher relançaram os mercados de ações nas décadas de 70 e 80.

Posteriormente, nos últimos 20 anos, a consolidação de novos mercados como o Nasdaq relacionados à Internet, e setores tecnológicos de ponta, bem como o acesso rápido e fácil aos mercados, facilitaram em grande medida o acesso à Bolsa, e permitiram a entrada massiva do investidor individual.

Qual foi a maior queda da bolsa da História?

O crash da bolsa de 1929 foi a maior queda da história do mercado de ações.
Começou em 29 de outubro de 1929 e durou dois dias.

Durante esse período, o índice industrial Dow Jones (DJIA) caiu 25%, no entanto, o mercado continuou a cair (embora de forma mais moderada) até 19 de outubro de 1930, tornando-se até hoje a maior queda percentual da história do DJIA.

De fato, o Dow Jones caiu de um máximo de 381 pontos para um mínimo de 41 pontos, uma queda de 89%.

A queda foi seguida pela Grande Depressão, a pior recessão econômica da história. Mais de 9 milhões de americanos perderam seus empregos durante aquela brutal crise, e muitos mais foram forçados a aceitar cortes salariais ou de horas de trabalho.

Ainda assim, os preços das ações não se recuperariam até meados
da década de 1930.

Na tabela a seguir, são refletidas as maiores quedas da bolsa da história.

Ano EventoPorcentagem
1929Quinta-feira negra25%
1987Segunda-feira negra22%
2000-2002Estouro da bolha da internet40%
2007-2009Estouro da bolha imobiliária44%
2020Coronavírus30%

 

Quais foram as maiores altas da bolsa da história?

No entanto, quando falamos de grandes períodos de crescimento, é muito difícil destacar um em particular. Portanto, estes foram os maiores aumentos do mercado de ações da história:

  • 1921 -1929: Foi a época dos “Felizes anos 20”. As reservas de ouro de grande parte do mundo migraram para os EUA, buscando escapar dos países europeus, devastados pelos efeitos da I Guerra Mundial e contribuindo para criar uma verdadeira bolha financeira. O Dow Jones valorizou 300% nesse período, ou seja, uma média anual de 37%.
  • 1932 – 1937: As políticas keynesianas de Roosevelt demoraram a surtir efeito, e embora ainda não tenham conseguido levar o Dow Jones aos máximos do final da década de 20, potencializaram uma forte recuperação graças ao chamado New Deal.
    • Este lustro resultou em um aumento de 281% em apenas 55 meses, um 33% anualizado.
  • 1949-1956: O pós-guerra posicionou os EUA como a principal potência mundial, provocando outra forte alta, onde pela primeira vez, foram quebrados os máximos da década de 20. Este período resultou em uma valorização de 250%, cerca de uma média anual de 40%.
  • 1988 – 2000: Este prolongado período, encadeou vários catalisadores que voltaram a disparar os mercados a máximos históricos:
  • Um período de recuperação após uma década de 70 marcada por guerras e fortes estanflações
  • A chegada da Internet.
  • A subsequente bolha das pontocom.

Nesses 12 anos, foi possível realizar possivelmente o maior aumento do mercado de ações da história, com uma valorização de 570%, ou seja, uma média anual de 45%. No entanto, também deve ser adicionado que, nos dois anos seguintes, o S&P500 perdeu quase 50%.

Existem outros períodos de importantes altas no mercado de ações que são refletidos na tabela a seguir:

PeríodoRevalorização % anualizado
1921 – 1929300%37%
1932 – 1937280%33%
1949 – 1956250%40%
1988 – 2000570%45%
2009 – 2020330%30%
2020 – 202145%22,5%

 

Origens da Bolsa na Brasil

A história da Bolsa de Valores no Brasil remonta ao século XIX, marcando o início de uma jornada significativa no cenário financeiro do país. As origens da Bolsa brasileira podem ser traçadas até 1845, quando foi fundada a primeira bolsa de valores em Rio de Janeiro, então capital do Império do Brasil. Este marco histórico representou um avanço significativo na economia nacional, introduzindo um novo mecanismo para o comércio de títulos e atração de investimentos.

bolsa na brasil

Inicialmente, a Bolsa de Valores do Rio de Janeiro (BVRJ) concentrava-se principalmente na negociação de títulos públicos, mas com o passar do tempo, começou a incluir ações de empresas privadas, refletindo o crescimento e a diversificação da economia brasileira. Este período foi crucial para o desenvolvimento do mercado de capitais no Brasil, estabelecendo as bases para a modernização e expansão das atividades de negociação de ações.

Durante os séculos XIX e XX, outras bolsas foram surgindo em diferentes estados, como a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em 1890. A Bovespa eventualmente se tornou uma das mais importantes bolsas de valores do país, especialmente após o boom do café, que impulsionou a economia paulista e atraiu um grande volume de investimentos.

A consolidação das bolsas de valores no Brasil acompanhou o desenvolvimento econômico e as transformações políticas do país. A evolução tecnológica, especialmente a partir da segunda metade do século XX, também desempenhou um papel crucial, permitindo uma maior eficiência e transparência nas operações da bolsa.

O marco regulatório do mercado de capitais brasileiro começou a tomar forma com a criação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em 1976, que passou a regular e supervisionar o mercado de valores mobiliários no Brasil, garantindo maior segurança e confiança para os investidores.

A história da Bolsa no Brasil é, portanto, uma narrativa de crescimento e adaptação, refletindo as mudanças econômicas e sociais do país. Hoje, a Bolsa de Valores brasileira, conhecida como B3 (Brasil, Bolsa, Balcão), formada pela fusão de várias bolsas, incluindo a Bovespa e a BM&F, é uma das mais importantes do mundo, desempenhando um papel vital na economia do Brasil e da América Latina.

Você conhecia a história das bolsas de valores? O que mais te surpreendeu?

Se está interessado no tema deixo aqui alguns artigos que poodem te ajudar a informar sobre o tema:

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento