Quais são os riscos em finanças?

Você já pensou nos riscos que corre ao fazer um investimento? Quais são os riscos envolvidos em emprestar dinheiro a alguém?

Se você não tem certeza da resposta a essas perguntas, você veio ao lugar certo.

Neste artigo falaremos sobre o conceito de risco de crédito e como você pode mitigá-lo.

O que é risco em finanças?

Nas finanças, risco é sinônimo de incerteza. Quando dizemos que algo tem risco é quando não temos certeza do resultado. Um ativo financeiro apresenta risco se você não tiver certeza de qual será seu valor no futuro.

Por exemplo, as ações são arriscadas no sentido de que não há certeza sobre a evolução do seu valor futuro .

É importante que você saiba que risco não é necessariamente sinônimo de perda. O risco de uma ação baseia-se no desconhecimento do seu preço futuro, preço que pode ser superior ou inferior ao preço atual.

O risco existe quando não há certeza sobre o preço futuro, seja porque é superior ao preço atual ou porque é inferior ao preço atual.

Tipos de risco

São variados os possíveis tipos de riscos financeiro quando falamos de crédito e investimento. Cada um destes riscos podem ter um impacto significativo na saúde financeira de uma organização, de um investidor ou de um setor económico, pelo que é importante compreendê-los.

Risco de mercado

O risco de mercado é o risco associado a perdas devido a movimentos adversos de preços que afetam os mercados financeiros.

Esses mercados variam de commodities a Criptomoedas : Todos os mercados apresentam riscos. Dado que o risco de mercado afecta todo o mercado e não activos específicos, não pode ser evitado através da diversificação da carteira.

Em outras palavras, refere-se à volatilidade do mercado. Isto significa que uma organização pode estar exposta a perdas se o mercado se mover contra a organização.

Risco de liquidez

Este é o risco que você corre como investidor, de não conseguir vender o título que possui pelo preço esperado. Por exemplo, porque o título oferecido pelo mercado não é adequado às suas expectativas, ou porque atualmente não há compradores dispostos a comprar o título.

A liquidez de um título, de facto, indica a simplicidade com que é possível vender um investimento no mercado, uma vez que existe uma procura mais ou menos elevada por parte de outros investidores no que diz respeito a um determinado título.

Se o risco de liquidez for alto, significa que a venda do título é difícil e pode até demorar, pois a baixa demanda torna a monetização do ativo mais complexa e lenta. Por outro lado, um baixo risco de liquidez indica que você pode facilmente sair do seu investimento vendendo o ativo rapidamente.

O risco de contraparte é o descumprimento contratual da contraparte e, portanto, o risco de ela não cumprir os prazos e modalidades previstos no contrato estipulado.

O risco de incumprimento das condições contratuais prende-se sobretudo com o pagamento. Além disso, o risco de contraparte caracteriza-se pelo fato de a exposição, devido à natureza financeira do contrato estipulado entre as partes, ser incerta, podendo, portanto, variar ao longo do tempo e de acordo com a tendência dos fatores de mercado.

Risco de crédito

O risco de crédito é definido como o risco, a incerteza, sobre o valor de um ativo financeiro, contrato financeiro, causado pelo não cumprimento de um cliente (contraparte do contrato) com suas obrigações contratuais.

Normalmente, o risco de crédito tende a ser interpretado como a possibilidade de perda resultante do não reembolso da dívida por parte do cliente, ou, caso a pague, fazê-lo tardiamente ou parcialmente.

Ao analisar o risco de crédito, é importante considerar que as expectativas são incorporadas na avaliação dos produtos, por exemplo, o valor de um título leva em consideração a possibilidade de o emissor desse instrumento não conseguir devolver o título.

Obviamente, uma alteração nas expectativas sobre esta possibilidade afectará o preço da obrigação e, portanto, o risco de crédito incorpora não só a possibilidade de incumprimento de uma contraparte, mas também o impacto que pode ter no valor dos activos financeiros (alterações que podem ser deteriorações ou melhorias) na solvência dos clientes ou simplesmente na percepção da solvência dos clientes.

Exemplos de risco de crédito

Vejamos alguns exemplos de risco de crédito com um título, cujos riscos seriam:

  • O emissor do título não devolve o principal do título.
  • O emissor do título retorna apenas uma parte do principal.
  • O emissor do título está atrasado no pagamento do principal.
  • O valor do título cai porque o mercado acredita que a solvência do emitente piorou (mesmo que o emitente não tenha incumprido nenhum pagamento).
  • O valor do título aumenta porque o mercado considera que a solvência do emitente melhorou.

Como você pode ver neste exemplo, e ao contrário do que possa parecer, o risco de crédito nem sempre implica a possibilidade de perda, o risco de crédito, como qualquer risco, também incorpora a possibilidade de lucro (caso contrário, não seria um risco).

Mercado:

Europa, USA, Ásia

Corretora confiável com 1,54 milhão de contas de clientes e capital de US$ 10,01 bilhões, listada na Nasdaq.

Comissões baixas e melhor execução de preços possíveis graças ao sistema IB SmartRoutingSM.

Plataformas e ferramentas de negociação gratuitas – poderosas o suficiente para traders profissionais, mas projetadas para todos.

Depósito minimo:

R$0.00

Artigos Relacionados

Imposto de Renda e Investimentos em Ações
Investir em ações é uma estratégia popular para muitos brasileiros em busca de crescimento financeiro. No entanto, é crucial entender as obrigações fiscais relacionadas a esses investimentos, especialmente no que diz respeito ao Imposto de Renda. ...

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento