O que é o empréstimos com criptomoedas?

Os empréstimos com criptomoedas são uma ferramenta inovadora em um sistema financeiro que se expande além do modelo tradicional. Agora, com a entrada de novos atores e uma tecnologia superior, os usuários têm muito mais possibilidades quando se trata de obter dinheiro emprestado.

Sendo tão amplo e variável, o mercado de criptomoedas apresenta características únicas ao solicitar empréstimos. Deve-se levar em conta fatores como a volatilidade dos criptoativos, os juros do empréstimo e o tipo de plataforma (descentralizada ou centralizada) onde a dívida será contraída.

No seguinte artigo, propomos explorar um pouco mais cada uma dessas facetas. Com o conhecimento adequado, você poderá aproveitar a volatilidade desses ativos para acessar oportunidades financeiras únicas.

Explicação dos empréstimos com criptomoedas

Neste tipo de empréstimo, os usuários podem depositar suas criptomoedas em uma plataforma específica, que atua como intermediário. Essas moedas digitais servem de garantia e permitem obter empréstimos em outras criptomoedas ou mesmo na moeda fiduciária de sua preferência.

Este processo, conhecido como “empréstimo colateralizado”, pode ser realizado de várias maneiras. Por um lado, com o método tradicional de registrar-se em uma plataforma e solicitar seus serviços aceitando seus termos e condições de uso, regulados por um contrato entre a empresa e o consumidor. Tal contrato é regido pelas leis da jurisdição correspondente.

Por outro lado, existem os protocolos de finanças descentralizadas ou DeFi em redes como Ethereum, Tron, BNB Chain, Polygon e outras compatíveis com contratos inteligentes. Nesses protocolos, os empréstimos são feitos através de contratos inteligentes baseados em uma rede blockchain, que automatizam e garantem as transações uma vez que certas condições sejam cumpridas.

Ou seja, o usuário deposita “X” quantidade de “X” criptomoeda como garantia e receberá “X” quantidade de “X” criptomoeda. Após um determinado período, ele deverá pagar uma parte do que deve; caso contrário, sua garantia será liquidada. Uma vez que a dívida é paga, a garantia retorna para o mutuário. Tudo é regulado pelo contrato inteligente e não pode ser modificado.

Vantagens e desvantagens dos empréstimos com criptomoedas

As vantagens dos empréstimos com criptomoedas incluem a rapidez nas transações e a acessibilidade global. Isso significa que qualquer pessoa com acesso à internet pode obter empréstimos sem a necessidade de passar pelas verificações de crédito tradicionais, o que abre oportunidades para pessoas não bancarizadas.

Além disso, se operar em plataformas DeFi, a natureza descentralizada das criptomoedas oferece maior segurança e transparência. Tudo o que é aceito e feito está visível para todos no contrato inteligente. Esta abordagem descentralizada elimina a necessidade de intermediários financeiros, proporcionando aos usuários um maior controle sobre seus ativos.

No entanto, também existem desafios. Primeiro, a volatilidade inerente às criptomoedas pode expor aqueles que tomam empréstimos a riscos financeiros significativos. Isso se deve a possíveis riscos de liquidação, nos quais aprofundaremos nas próximas seções deste artigo.

Além disso, as taxas de juros podem variar e ser mais altas em comparação com os empréstimos tradicionais. É essencial que os usuários compreendam completamente os riscos e as condições antes de participar de empréstimos com criptomoedas.

Como funcionam os empréstimos com criptomoedas?

Agora que já vimos o que são e quais são as vantagens, podemos aprofundar um pouco mais no funcionamento dos empréstimos com criptomoedas e quais variantes existem neste setor.

Tipos de Empréstimos de Criptomoedas

Existem vários tipos de empréstimos com criptomoedas, que podem ser diferenciados com base no tipo de plataforma escolhida, os ativos colaterais deixados como garantia, a relação entre mutuário e mutuante e a taxa de juros do empréstimo.

Em primeiro lugar, podemos falar sobre os empréstimos colateralizados, um dos modelos predominantes no mundo das criptomoedas. Neste caso, os usuários depositam uma quantidade específica de criptomoedas como garantia para obter um empréstimo em uma moeda diferente.

Este tipo de empréstimo é baseado em contratos inteligentes, que são protocolos autônomos executados em blockchain, no âmbito de protocolos de finanças descentralizadas.

Baseado nas regras e condições estabelecidas pelo contrato inteligente, se o mutuário não cumprir as diretrizes acordadas, a garantia é liquidada automaticamente para cobrir as perdas do credor.

Este modelo oferece flexibilidade e permite aos usuários aproveitar suas criptomoedas sem ter que vendê-las.

Outra opção são os empréstimos de igual para igual, entre pares ou peer-to-peer (P2P). Esses empréstimos eliminam intermediários ao conectar diretamente mutuários e credores através de plataformas descentralizadas. Os participantes estabelecem os termos da operação, incluindo taxas de juros e prazos, e podem chegar a acordos personalizados.

O uso da tecnologia blockchain garante que todas as transações sejam rastreáveis e verificáveis. Embora esta abordagem possa ser mais flexível, também pode trazer riscos adicionais, pois a relação entre as partes depende da confiança e da reputação na plataforma.

Por outro lado, existem os empréstimos delegados. Os empréstimos delegados são um modelo emergente que permite aos titulares de criptomoedas delegar seus ativos para serem usados como garantia por outros usuários. Isso implica um nível de confiança entre o delegante e o delegado, e as plataformas que oferecem este serviço geralmente implementam medidas para mitigar os riscos. Esta abordagem oferece aos titulares de criptomoedas a possibilidade de obter ganhos adicionais ao emprestar seus ativos sem participar ativamente na gestão do empréstimo.

Outra estratégia inovadora são os empréstimos instantâneos ou flash loans. Para entender melhor os empréstimos flash, pense em alguém que inicia um contrato inteligente para pedir emprestada uma certa quantidade de criptomoedas. Em seguida, configuram o contrato para que, imediatamente depois, esse dinheiro seja enviado para outro lugar (como uma exchange, por exemplo). Quando já têm os fundos em sua conta, usam esse dinheiro para investir e, após obterem lucro, devolvem o dinheiro emprestado ao contrato inteligente. Se houver perdas, todas as transações são canceladas, e o dinheiro retorna ao local original.

Este processo é tecnologicamente complexo e só pode ocorrer em um ambiente descentralizado. Eles são chamados de “flash” porque uma das condições é a sua devolução imediata. Eles fornecem uma camada de proteção: se houver lucro, o mutuário o obtém; se houver perdas, o credor não perde dinheiro.

Finalmente, também existem plataformas que oferecem empréstimos rápidos, com um prazo de retorno de horas, dias ou meses a uma taxa de juros muito baixa.

Outra opção disponível no mercado são os empréstimos flexíveis, que apresentam uma taxa de juros que pode variar de acordo com a relação LTV do empréstimo, ou seja, a relação percentual entre o valor emprestado e o valor do ativo que garante esse empréstimo.

Requisitos para obter um empréstimo com criptomoedas

Entre os requisitos para acessar um empréstimo com criptomoedas, podemos listar:

  • Carteira de criptomoedas: se uma plataforma centralizada for usada, ela mesma se encarrega de gerar uma carteira para que o usuário armazene e gerencie seus fundos. Para o uso de protocolos DeFi, por outro lado, será necessária uma carteira externa à mesma que seja compatível com a rede que se use (Ethereum, Tron ou BNB Chain, entre outras).
  • Colateral criptográfico: dado que muitos empréstimos com criptomoedas são garantidos, é necessário um ativo digital que sirva como garantia. Os usuários devem depositar uma quantidade específica de criptomoedas na plataforma de empréstimos como garantia para respaldar o empréstimo solicitado. A quantidade de garantia geralmente está relacionada ao valor do empréstimo e é expressa pela Relação Empréstimo-Valor (LTV). Quanto maior o valor da garantia, geralmente menor será o risco percebido e, portanto, é mais provável que o empréstimo seja aprovado.
  • Identificação do usuário: embora muitas plataformas de empréstimos com criptomoedas promovam a privacidade e a não necessidade de verificações de crédito como nas finanças tradicionais, é possível que algumas plataformas centralizadas solicitem informações de identificação do usuário. Isso ocorre devido à obrigação de cumprir com as regulamentações dos países onde estão registradas.
  • Condições do contrato inteligente: no caso de empréstimos baseados em contratos inteligentes, os usuários devem entender e aceitar as condições estabelecidas nesses códigos automatizados de blockchain. Isso incluirá detalhes sobre como o empréstimo será gerenciado, como a garantia será liquidada em caso de inadimplência e outros aspectos-chave do acordo. Compreender estas condições é crucial antes de se comprometer com o empréstimo.
  • Avaliação de risco: algumas plataformas, principalmente as centralizadas, podem avaliar o risco de crédito dos usuários de forma automatizada ou manual. Isso pode envolver a revisão do histórico de empréstimos anteriores na plataforma, se houver, e considerar outros fatores que possam influenciar a capacidade do mutuário de devolver o empréstimo. Em protocolos descentralizados isso não ocorre; se você tem garantia suficiente, você pode pedir empréstimos.

Processo de solicitação e aprovação

O processo começa com a escolha de uma plataforma de empréstimos com criptomoedas. Como dissemos, existem várias opções no mercado, cada uma com suas próprias características, termos e condições. A principal diferença é se é uma plataforma centralizada ou um protocolo descentralizado, com um funcionamento menos pessoal e mais automatizado.

Os usuários devem pesquisar e selecionar uma plataforma que se alinhe com suas necessidades e preferências. É recomendável que você preste atenção especial a aspectos como taxas de juros, prazos e a variedade de criptomoedas aceitas.

Se necessário, o próximo passo será criar uma conta. Este processo geralmente requer a criação de um nome de usuário, a configuração de uma senha segura e, em alguns casos, a verificação da identidade. Por outro lado, muitos protocolos DeFi podem operar de maneira completamente anônima.

Para empréstimos garantidos, que costumam ser a regra mais do que a exceção, será solicitado o depósito de uma certa quantidade de criptomoedas como garantia.

Uma vez depositado o colateral, é necessário estabelecer os termos específicos do empréstimo. Isso inclui a quantidade exata que desejam pedir emprestado, a duração do empréstimo e qualquer outra condição relevante. Algumas plataformas podem permitir que os usuários selecionem entre diferentes opções de empréstimos, cada uma com seus próprios termos e taxas de juros.

Sobre a autorização, dependendo da plataforma, a aprovação do empréstimo pode ser automatizada ou requerer uma revisão manual. Em muitos casos, as plataformas usam contratos inteligentes baseados em blockchain para automatizar o processo de aprovação. Esses contratos executam automaticamente as transações e estabelecem as condições do empréstimo uma vez que certos critérios são cumpridos, como o depósito do colateral.

Uma vez aprovado, o valor do empréstimo é desembolsado na conta ou carteira configurada. Cada um pode usar esses fundos de acordo com suas necessidades, seja para investimentos, despesas pessoais ou outras transações financeiras.

Como escolher a melhor plataforma de empréstimos com criptomoedas?

Você chegou até esta seção do nosso artigo, então suponho que esteja interessado em solicitar um empréstimo em criptomoedas. Qual seria o próximo passo? Nada mais, nada menos do que escolher onde você vai solicitá-lo.

A seguir, damos algumas recomendações para isso e mencionamos algumas plataformas onde você pode obtê-los.

Fatores a considerar ao escolher uma plataforma

Primeiro de tudo, está claro que a segurança é um fator crucial ao selecionar uma plataforma de empréstimos com criptomoedas. Você deve avaliar a robustez das medidas de segurança implementadas, como a autenticação de dois fatores, a criptografia de dados e a reputação geral da plataforma em termos de segurança.

Dica: procure opiniões de outros usuários em fóruns e redes sociais, com certeza será útil conhecer suas experiências.

Ligado à segurança, preste atenção aos termos e condições. Aqui, geralmente são detalhados pontos importantes como as taxas de juros, os prazos de devolução, as condições do colateral exigido e qualquer outro detalhe relevante.

Em terceiro lugar, a possibilidade de usar uma variedade de criptomoedas como garantia ou receber empréstimos em diferentes criptoativos pode ser benéfica. Claro, quanto mais opções disponíveis, mais chances de encontrar uma oferta que se adapte às suas necessidades.

Assim como os anteriores, podemos adicionar vários outros pontos que você pode considerar. São os seguintes:

  • Taxa de juros competitiva.
  • Comissões que a plataforma cobra pelo seu serviço.
  • Flexibilidade e facilidade de uso do aplicativo ou site.

Tudo o que foi dito acima se aplica tanto para plataformas centralizadas (as exchanges, por exemplo) quanto para protocolos DeFi. Agora, se você usa um protocolo DeFi, recomendamos que também leve em consideração o seguinte:

· Reputação em termos de segurança. A resistência a ataques externos, que são comuns no mundo DeFi, é fundamental. Pesquise o histórico do protocolo que você escolher antes de operar nele para dormir mais tranquilo quando depositar seu dinheiro.

· Carteiras e criptomoedas compatíveis com o protocolo. Isso pode variar dependendo da rede (Ethereum, BNB Chain, Tron, etc.) em que a DeFi que você escolher opera.

· Comissões. Algumas redes, como Ethereum, podem se tornar muito caras para operar em momentos de alta congestão. Outras são mais baratas, como BNB Chain, embora sejam menos descentralizadas ou, em outros casos, até menos seguras.

· Acesso global. Embora seja raro acontecer, é possível que alguns protocolos DeFi não estejam disponíveis em certos países.

Comparação de plataformas populares de empréstimos com criptomoedas

Em relação à possibilidade de solicitar empréstimos em plataformas centralizadas, as principais exchanges do mercado costumam oferecer alternativas.

Por exemplo, a Binance oferece aos seus usuários empréstimos para usar na negociação de criptomoedas ou para staking, uma espécie de “depósito a prazo” com criptomoedas para obter juros anuais.

Esta casa de câmbio, líder no mercado de criptomoedas, oferece empréstimos sem comissões, reembolso a qualquer momento e liquidação parcial.

Outra exchange que oferece essa possibilidade é a Bybit, com características semelhantes às da Binance, embora também seja destacada a possibilidade de retirar as criptomoedas da plataforma (algo possível na maioria dos empréstimos do mercado). Algumas das condições que a Bybit solicita para conceder empréstimos podem ser vistas na imagem a seguir.

Vamos supor que queremos pedir emprestados 100 USDT. Se compararmos essas duas plataformas, na Binance teremos que depositar uma garantia de 0,0034 BTC (equivalente a 133 USDT) e teremos que pagar um juro anual de 12,8%. Enquanto isso, na Bybit teríamos que deixar a mesma garantia, mas com um juro anual de aproximadamente 25% ao ano.

Vamos tentar com outra plataforma, OKX. Neste caso, é-nos pedido uma garantia de 0,0036 BTC (equivalente a 155 USDT), com uma taxa de juro anual de 22%.

Assim como estes, você tem muitas outras opções de exchanges e plataformas onde você pode pedir empréstimos. Avalie as condições de cada uma para saber qual é a mais conveniente para você.

Várias plataformas permitem que você simule seu empréstimo antes de tomá-lo. Desta forma, você pode ver claramente quanto você vai receber, quanto você deve deixar como garantia, quais juros serão cobrados e qual é a taxa da plataforma pelo empréstimo que está dando a você.

Quanto aos protocolos DeFi, Aave, JustLend e Compound estão liderando o mercado. Em todas elas, não é necessário se registrar para pedir um empréstimo, basta conectar uma carteira (como MetaMask, Wallet Connect ou similares) para interagir com seus contratos inteligentes.

Se as compararmos, vemos que Aave estabelece a possibilidade de pedir 74 USDT emprestados para cada 100 USDT (seu equivalente em outras criptomoedas) que se deposite como garantia, com um juro variável de 10% no fechamento desta nota.

Compound, por outro lado, oferece uma taxa de juros semelhante para um empréstimo em USDC, a segunda stablecoin mais capitalizada do mercado. Dependendo da criptomoeda que você deixar como garantia, a relação empréstimo-valor (LTV) varia entre 65% e 83%; ou seja, você pode pedir 65 USDC ou 83 USDC para cada 100 USDC (equivalente em outra criptomoeda ou token) que você deixar como garantia.

Como proteger suas criptomoedas ao obter um empréstimo

Se você já escolheu sua plataforma e analisou todas as variáveis mencionadas, restam duas questões muito importantes. Por um lado, conhecer os riscos aos quais você está exposto. E depois disso, aprender a mitigá-los.

Vamos nos concentrar nisso nas próximas seções. Saiba quais riscos você enfrenta ao tomar um empréstimo em criptomoedas e algumas medidas de segurança importantes que você deve considerar.

Os riscos de obter um empréstimo com criptomoedas

Se você tomar um empréstimo com criptomoedas em uma plataforma centralizada, você terá o risco de insolvência. A insolvência refere-se à incapacidade da plataforma de cumprir suas obrigações financeiras, o que pode resultar na perda total ou parcial do dinheiro que você tem depositado nela (não o que você pode ter retirado para sua própria carteira). Para prevenir isso, é crucial pesquisar a reputação e a solidez financeira da plataforma antes de se comprometer com um empréstimo.

Por outro lado, nos empréstimos colateralizados, existe o risco de que o valor do colateral caia significativamente, o que poderia levar a uma liquidação forçada. Se o preço das criptomoedas usadas como garantia cair, a plataforma pode ativar mecanismos automáticos para liquidar a garantia e recuperar os fundos emprestados. A maneira de evitar que isso aconteça é conhecer as condições de liquidação e estar atento aos movimentos do mercado. Em muitos casos, o preço de liquidação é modificado ao adicionar mais fundos em garantia, o que oferece uma maior margem de manobra.

A volatilidade do mercado de criptomoedas também pode afetar o mutuário de outra maneira. É que uma flutuação muito grande de preço pode afetar o valor da criptomoeda que você tomou emprestada (a menos que seja uma criptomoeda estável como USDT ou USDC). Você deve ser muito cuidadoso ao escolher o criptoativo em que receberá o empréstimo.

Finalmente, se a plataforma que você escolheu usa contratos inteligentes para gerenciar empréstimos, você pode estar exposto a possíveis falhas ou vulnerabilidades nesses códigos automatizados. No entanto, embora os protocolos DeFi costumem ser alvo de ataques por hackers, os protocolos mais populares e usados costumam ser confiáveis e cuidar adequadamente da segurança de seus usuários.

Medidas de segurança para proteger suas criptomoedas

Uma vez que você tenha o empréstimo em seu poder, você deve se certificar de cuidar dessas criptomoedas da melhor maneira possível. Aqui estão algumas medidas de segurança essenciais.

Primeiro, você terá que escolher uma carteira segura e de autocustódia: optar por uma carteira de hardware é uma das opções mais seguras, pois não têm conexão permanente com a internet e são menos suscetíveis a ataques. Esses dispositivos físicos armazenam as chaves privadas de forma isolada e offline. Exemplos de carteiras de hardware incluem Ledger Nano S, Ledger Nano X e Trezor.

Outra alternativa são as carteiras de software de autocustódia. Esta é uma opção mais acessível do ponto de vista econômico, pois você só precisará baixar um aplicativo para seu celular ou computador. Exemplos incluem carteiras como Electrum (para Bitcoin) ou MyEtherWallet (para Ethereum).

Você verá que em ambos os casos estamos falando de carteiras de autocustódia. A autocustódia significa que essas carteiras permitem aos usuários ter controle total sobre suas chaves privadas. Tal coisa não ocorre quando você usa uma plataforma como uma exchange, na qual há um intermediário que controla as chaves privadas por você e você acessa seus fundos através de uma conta nessa plataforma.

Após escolher a carteira, um segundo passo é guardar suas chaves privadas de forma segura e não compartilhá-las. Se você decidir manter uma cópia de suas chaves privadas, guarde-as fisicamente em um local seguro e offline. Evite armazená-las em dispositivos conectados à internet ou em serviços na nuvem, pois eles podem ser vulneráveis.

Além disso, nunca compartilhe suas chaves privadas com ninguém. Se outra pessoa tiver acesso a elas, poderá manipular seus fundos.

Por fim, ao usar protocolos descentralizados, tenha cuidado com as permissões e autorizações que você assina em contratos inteligentes. Antes de interagir com um contrato inteligente em uma plataforma DeFi, revise cuidadosamente o código do contrato e entenda todas as autorizações e permissões que você está concedendo. Certifique-se de entender completamente como o contrato funcionará e as possíveis consequências.

Um parâmetro recomendável é garantir que você limite as permissões ao essencial. Algumas carteiras permitem ajustar as permissões que você concede a um aplicativo, limitando o acesso a funções críticas e protegendo seus ativos.

Em última análise, o uso de senhas fortes e medidas adicionais de segurança, como a autenticação de dois fatores (2FA), ajudará você a se sentir mais seguro em relação ao armazenamento de seus fundos.

Vale a pena obter um empréstimo com criptomoedas?

Com tudo o que foi explicado, é aconselhável obter um empréstimo com criptomoedas? Ou é melhor ficar com as opções tradicionais? Na verdade, não há uma única resposta para essas perguntas, e dependerá em grande parte da experiência e das necessidades específicas de cada usuário.

Análise das vantagens e desvantagens

Os empréstimos com criptomoedas apresentam grandes vantagens para os usuários, e é por isso que, levando em conta apenas o valor bloqueado em DeFi nessas plataformas, é um mercado que abrange bilhões de dólares. Isso é somado ao capital depositado em plataformas privadas, cujos dados não são públicos.

Em primeiro lugar, os empréstimos com criptomoedas oferecem acesso rápido e global a fundos sem depender de intermediários financeiros tradicionais. Isso é especialmente benéfico para aqueles que podem não ter acesso a serviços bancários convencionais.

Na mesma linha, as plataformas de empréstimos com criptomoedas geralmente têm menos restrições e requisitos do que os empréstimos tradicionais. Além disso, oferecem maior privacidade, pois não é necessário revelar detalhes pessoais sensíveis. Basta deixar os fundos necessários como garantia e pronto, você já tem o empréstimo.

Outra grande vantagem é que as criptomoedas não estão limitadas por fronteiras geográficas. Esse “detalhe” significa que pessoas de todo o mundo podem acessar empréstimos, independentemente de sua localização.

Agora, nem tudo que reluz é ouro, como costuma-se dizer. Ao avaliar se deve ou não pedir um empréstimo, também devemos colocar na balança as desvantagens que mencionaremos a seguir.

Um ponto negativo muito importante é a já mencionada volatilidade do mercado. Este fator pode afetar significativamente o valor da garantia e, portanto, influenciar a posição financeira do mutuário. Além disso, também pode afetar o valor do empréstimo obtido se não estiver denominado em moedas estáveis.

Da mesma forma, o uso de contratos inteligentes implica risco associados à programação e execução do código. Um erro pode apresentar uma grande oportunidade para hackers que buscam se apropriar do dinheiro alheio.

Ao contrário dos empréstimos tradicionais, os empréstimos com criptomoedas podem ter menor proteção regulatória, o que pode aumentar o risco para os usuários. Mas também lhes dá mais flexibilidade e acessibilidade, então isso também tem seu lado bom.

Que comparação podemos fazer entre os empréstimos com criptomoedas e os empréstimos tradicionais? Os empréstimos que você pode pedir em instituições como os bancos oferecem maior estabilidade e proteção regulatória. Eles são respaldados por instituições financeiras reguladas e estão sujeitos a normas específicas.

Em alguns casos, os empréstimos bancários podem ter taxas de juros mais baixas, especialmente para aqueles com um histórico de crédito sólido. Além disso, eles geralmente oferecem maior proteção ao consumidor e mecanismos para resolver disputas.

O lado B dos empréstimos do sistema financeiro tradicional tem várias arestas. Primeiro, que os processos de solicitação e aprovação de empréstimos bancários costumam ser mais longos e complexos em comparação com as plataformas de empréstimos com criptomoedas.

E isso para as pessoas que têm a sorte de poder acessar, já que algumas pessoas, especialmente aquelas sem histórico de crédito sólido ou sem acesso a serviços bancários, podem enfrentar dificuldades para obter empréstimos tradicionais.

Por último, o fato de que os empréstimos bancários muitas vezes requerem a divulgação de informações pessoais detalhadas, o que pode comprometer a privacidade do mutuário. Certamente você terá que contar para que quer, como vai pagar e mais detalhes que podem incomodar aqueles que não desejam revelar esse tipo de questões.

Em última análise, a escolha entre pedir um empréstimo com criptomoedas e um tradicional dependerá das preferências individuais, das necessidades financeiras e da tolerância ao risco do usuário. Ambas as opções têm seus prós e contras, e é essencial considerar cuidadosamente cada fator antes de tomar uma decisão.

Casos de uso comuns para empréstimos com criptomoedas

Pode haver tantos casos de uso para empréstimos com criptomoedas quanto usuários neste ecossistema. No entanto, podemos mencionar alguns que costumam ocorrer com frequência:

1. Alavancagem em investimentos: os empréstimos com criptomoedas são comumente usados para aumentar a capacidade de investimento dos usuários sem liquidar seus ativos digitais. Assim, permitem aos investidores aproveitar as flutuações do mercado para potencialmente obter maiores retornos sem sacrificar a propriedade de suas criptomoedas.

2. Gestão de liquidez empresarial: essa gestão inclui financiar operações comerciais, pagar despesas operacionais ou aproveitar oportunidades de crescimento sem comprometer os ativos da empresa.

3. Diversificação de carteira: ao obter um empréstimo respaldado por criptomoedas, você pode explorar outras oportunidades de investimento —dentro ou fora do mercado de criptomoedas— sem vender seus ativos digitais. O positivo é que facilita a diversificação de investimentos sem incorrer em impostos pela venda de criptomoedas, permitindo aos usuários explorar diferentes classes de ativos.

Conclusões

A principal conclusão do que foi explicado é que pegar um empréstimo com criptomoedas não pode ser feito de ânimo leve. Há muitas coisas a considerar, como os juros a pagar e o preço de liquidação dos ativos em garantia, entre muitos outros detalhes. A isso se soma a potencial complexidade técnica de interagir com protocolos descentralizados.

Dito isto, também é importante destacar que são uma ótima ferramenta, especialmente para pessoas com baixo histórico de crédito ou mesmo sem acesso a serviços bancários. As finanças descentralizadas são globalmente acessíveis e transparentes, e isso pode ser muito benéfico se soubermos usá-las com critério e responsabilidade.

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento