O que é o EOS e como ele funciona?

Um dos desenvolvedores mais importantes do projeto EOS, Daniel Larimer, descreveu-o em seu perfil do LinkedIn como uma plataforma que facilita “os primeiros contratos inteligentes com processamento paralelo, o que tem o potencial de resolver o maior problema da tecnologia blockchain: escalar para suportar aplicações grandes e comercialmente viáveis”.

O que é EOS?

EOS é uma cadeia de blocos ou blockchain criada no âmbito do sistema operacional EOS.IO. É a primeira mainnet (rede principal) a ser implementada nesse protocolo.

Semelhante ao reconhecido Ethereum, EOS é uma plataforma na qual os desenvolvedores de aplicativos podem criar software que, em vez de depender de servidores centralizados que armazenam as informações, aplicam tecnologia descentralizada.

Isso significa que o EOS conta com vários nós que hospedam os dados da blockchain. Esses nós se conectam entre si para se manterem atualizados e, desta forma, garantir que todos possuam as mesmas informações.

A atividade da rede, que processa um bloco por segundo, pode ser vista por meio de um explorador específico chamado EOS Authority.

Quem criou o EOS?

O EOS é um desenvolvimento da empresa Block.one. Esta empresa se dedica a criar soluções tecnológicas voltadas para empresas para otimizar a eficiência em suas transações, de acordo com sua própria descrição.

Os fundadores da Block.one são Brendan Blumer (hoje seu CEO) e Daniel Larimer (ocupava o cargo de CTO; fez pública sua renúncia em 2020, mas ainda mantém essa descrição em suas redes sociais).

Fundadores da Block.one

Brendan Blumer (esquerda) e Daniel Larimer (direita).

Desde 2022, a Block.one se desvinculou do desenvolvimento do EOS, que ficou nas mãos da EOS Network Foundation. Por meio de uma DAO (organização autônoma descentralizada) liderada por essa fundação, o protocolo agora tem uma governança descentralizada. Os usuários votam nela para escolher os produtores de blocos e para realizar alterações e atualizações no EOS

Em junho de 2017, a Block.one lançou a Oferta Inicial de Moeda (ICO) do EOS. Foi um grande sucesso, com uma arrecadação total superior a US$ 4 bilhões. Alguns a classificam como a maior ICO de todos os tempos, o que surpreendeu até mesmo os próprios executivos da empresa.

Naquela época, as ICOs eram uma prática muito popular no mercado. Tratava-se de uma “pré-venda” de tokens de um projeto com o objetivo de arrecadar fundos para o seu desenvolvimento. Infelizmente, muitas ICOs acabaram sendo fraudes, e muitos investidores que confiaram nelas acabaram perdendo seu dinheiro.

Algo semelhante aconteceu com o EOS. O projeto foi acusado de dar origem a fraudes por meio de phishing e de ter vulnerabilidades em seu software.

Um par de anos mais tarde, um professor universitário americano chamado John Griffin alegou que várias empresas compraram a ICO do EOS para vender os tokens minutos mais tarde, com seu preço inflado.

Esta técnica é chamada de “lavagem de comércio”, explicou Griffin. O caso exposto por este pesquisador foi tema de diversas publicações jornalísticas muito detalhadas que podem ser encontradas na internet.

No entanto, até o momento não há investigações judiciais relacionadas ao caso.

Com o tempo e provavelmente devido à falta de execução dos projetos e desenvolvimentos prometidos, a base de usuários, os investimentos e o interesse dos desenvolvedores pelo EOS foram diminuindo. Assim também o fez seu token, cujo valor caiu para quase um quarto do seu valor entre 2018 e 2021.

Em junho de 2018, o código do EOS foi liberado. Ou seja, a blockchain tornou-se de código aberto, e assim qualquer usuário ou desenvolvedor pôde revisar seu código, auditá-lo, testá-lo e reproduzi-lo em desenvolvimentos próprios.

Em 2021, como resultado de uma disputa entre desenvolvedores e Block.one, surge a EOS Network Foundation. Esta organização, fundada e liderada por Yves La Rose, foi fundamental para que a rede sobrevivesse ao se tornar independente da Block.one um ano mais tarde.

Yves La Rose

Yves La Rose, a cara visível do EOS na atualidade.

Larose e aqueles que o acompanham na ENF acreditam que o Block.one usou de forma negligente os fundos arrecadados na ICO. Especificamente, eles afirmam que o dinheiro foi destinado a outros projetos e, por isso, alteraram o código do EOS para ficar com os tokens EOS e deixar a empresa sem acesso a eles.

Ao fechar esta nota, em fevereiro de 2023, a disputa com o Block.one sobre este assunto ainda está em curso na Justiça. A comunidade EOS, liderada pela ENF, busca uma indenização pelo dinheiro que o Block.one não investiu e pelos problemas gerados pelas promessas não cumpridas.

Para que serve o EOS?

Em suma, o EOS busca ser um espaço para a construção de aplicativos que permitam transações rápidas e com o menor custo possível, quando não gratuitas. Tudo isso, com a descentralização em mente.

No início, os desenvolvedores do EOS tinham como objetivo alcançar o protocolo para permitir milhões de transações por segundo. Vale destacar que essa é uma meta extremamente difícil de alcançar e até mesmo redes com milhões de usuários, como Ethereum, BNB Chain e Polygon, ainda estão percorrendo esse caminho.

O problema é que a busca por velocidade muitas vezes implica abdicar de outros aspectos fundamentais, como segurança, eficiência de custos e descentralização.

Por outro lado, o protocolo se concentra em permitir a execução de contratos inteligentes. Estes são “acordos” que dois usuários assinam no mundo digital (através de seus carteiras ou bolsas) para que uma ação (compra, venda, cessão de criptoativos, entre muitas outras) seja executada quando determinadas condições previamente estabelecidas forem cumpridas.

eos

Assim é a carteira (bolsa) nativa oferecida pelo EOS.

Como veremos mais adiante (em “Desenvolvimentos destacados do EOS”), o novo impulso que o projeto tomou prevê a

Entre elas, estão incluídos vários desenvolvimentos que visam criar valor na chamada web3, um modelo de internet em que o usuário não é apenas consumidor, mas proprietário e explorador do conteúdo que ele gera, com um modelo econômico que lhe permite tirar proveito disso.

Funcionamento do EOS

Devido aos contratempos descritos anteriormente, há uma grande distância entre as premissas básicas que motivaram a criação do EOS e o que os desenvolvedores conseguiram concretizar através de seus diversos projetos.

A seguir, tentaremos entender melhor esses pontos e as diferenças entre EOS, Bitcoin e Ethereum.

Principais características da rede

EOS é descrito como “um software de código aberto líder em inovação e desempenho de cadeias de blocos”. De acordo com o que os próprios desenvolvedores explicam no site da plataforma, ele busca ser “uma das cadeias de blocos mais eficientes, personalizáveis e seguras”, oferecendo velocidade, escalabilidade, segurança e configurabilidade aos seus clientes.

Por outro lado, no site do projeto afirma-se que o sistema operacional EOS.IO “foi projetado para permitir um maior grau de configurabilidade”. Assim, é mais fácil usá-lo para “implementar redes de blockchain públicas ou privadas e implementar um protocolo de governança adequado, pré-determinado ou personalizado, através de contratos inteligentes executáveis”. EOS é, precisamente, um exemplo deste tipo de redes.

O que diferencia o EOS de outras blockchains que buscam objetivos semelhantes?

De acordo com seus próprios desenvolvedores, duas características: contratos inteligentes atualizáveis ​​e o uso da linguagem de programação C ++.

Algumas estatísticas sobre EOS, blockchain que possui mais de 5,7 milhões de carteiras ativas.

O nível de descentralização do EOS foi questionado em diversas ocasiões. Na época, a Block.one decidiu abandonar a postura passiva que tinha no início e usar sua posse de tokens para votar nas decisões da governança do protocolo.

Em seguida, quando o EOS passou para a Fundação EOS Network, a situação melhorou, embora os validadores de blocos ainda sejam 21, um número bastante reduzido.

Desenvolvimentos destacados no EOS

A equipe de desenvolvimento por trás do EOS visa colocar o projeto entre os principais fornecedores de soluções tecnológicas para a web3 nos próximos anos.

Um dos primeiros passos já foi dado, pois a rede incorporou suporte para Tether, a criptomoeda estável (stablecoin) mais usada do mercado.

Além disso, o EOS tem outros produtos relacionados às finanças descentralizadas (DeFi), como o Yield+, um programa de incentivos econômicos para fornecer liquidez aos protocolos DeFi criados no EOS; e o Recover+, um fundo de emergência para desenvolvimentos DeFi que sofram ataques.

Por outro lado, no EOS eles estão trabalhando para criar sua própria versão da Ethereum Virtual Machine (EVM). A EVM é a funcionalidade do Ethereum que permite interagir com contratos inteligentes e, assim, executar funções computacionais complexas.

Claro, em vez de usar o ether, a criptomoeda do Ethereum, a EVM do EOS será “alimentada” pela criptomoeda EOS. É por isso que esses desenvolvimentos são importantes para a comunidade do EOS, pois aumentam a demanda pela criptomoeda da rede. O lançamento do projeto está previsto para março de 2023.

ranking eos

O EOS ocupa a 21ª posição entre as cadeias mais usadas em protocolos DeFi.

Finalmente, o quarto projeto destacado do EOS é a Comunicação Inter-Blockchain (IBC). Trata-se de uma ponte para permitir a troca de tokens diretamente entre as blockchains do Antelope, um protocolo que surgiu em 2022 como uma bifurcação (uma cópia independente do código com algumas modificações) do EOSIO.

Além do EOS, o Antelope é composto por Telos, WAX e UX Network. Assim como o EOS.IO, ele se orienta para o desenvolvimento de aplicativos descentraliz

Até agora, para transferir criptomoedas e tokens entre redes, usam-se pontes externas às blockchains que, em várias ocasiões, foram vítimas de hackeios milionários.

A IBC procura inovar neste sentido, embora, em princípio, funcione apenas entre as blockchains que compõem a Antelope e não tenha suporte para outras com muitos mais usuários, como Ethereum, BNB Chain ou Polygon.

EOS vs Bitcoin e Ethereum

Em comparação com o Bitcoin, o EOS garante ser uma rede mais amigável para os desenvolvedores. Neste sentido, a rede idealizada por Satoshi Nakamoto foca-se quase exclusivamente em ser dinheiro digital descentralizado e seguro para pagamentos P2P (entre pares). Embora seja programável e se possam criar outros desenvolvimentos no Bitcoin, não oferece tantas ferramentas como outras redes.

Por exemplo, uma que o faz é o Ethereum. Sobre esta blockchain, foram criadas muitas aplicações, como exchanges descentralizados, protocolos de finanças descentralizadas, piscinas de liquidez, mercados preditivos e outros. Por isso, o EOS é comparado com o Ethereum.

protocolos de finanças descentralizadas

Legenda: Nos protocolos de finanças descentralizadas, o Ethereum domina 60% do mercado.

Embora os desenvolvedores do EOS afirmem que sua plataforma é mais eficiente que a rede inventada por Vitalik Buterin, juntamente com outros desenvolvedores, em 2015, é importante destacar que isso não se reflete em seu nível de adoção. O Ethereum é, de longe, a rede mais usada para desenvolvimentos descentralizados.

Portanto, pelo menos até agora, nenhuma outra rede se posicionou tão perto a ponto de lhe fazer sombra. Claro, isso também inclui o EOS.

Tipo de mineração usado pelo EOS

Um algoritmo de consenso é um conjunto de regras que regem o funcionamento de um protocolo. No EOS, usa-se um algoritmo de consenso chamado DPoS (prova de participação delegada).

O método DPoS consiste na escolha de delegados, que são responsáveis por tomar decisões relativas ao protocolo e validar transações. Para participar como votante, é necessário possuir a criptomoeda EOS; de acordo com a quantidade que o usuário possui, determinar-se-á seu poder de voto.

algoritmo de consenso

O gráfico mostra de forma interativa como os usuários do EOS votam nos validadores e quem ocupa esse papel em tempo real.

Em sua essência, o DPoS é semelhante ao algoritmo de consenso que o Ethereum usa desde setembro de 2022, a prova de participação ou PoS. A diferença é que no Ethereum os validadores são escolhidos aleatoriamente entre todas as direções que tenham depositado 32 ethers (ETH, a criptomoeda da rede) em seu contrato inteligente.

Ao contrário de outros mecanismos de mineração como a prova de trabalho ou PoW (o que o Bitcoin usa), o DPoS não tem uma demanda energética significativa. Isso se deve ao fato de que os computadores não “competem” uns com os outros para resolver um problema matemático que lhes dê o direito de validar transações, mas são escolhidos de forma democrática pelos outros participantes.

A criptomoeda EOS

A criptomoeda da blockchain EOS leva o mesmo nome. Seu ticker (código com o qual é identificado no mercado de criptomoedas) é EOS.

No momento da redação desta notícia, o EOS ocupa a 36ª posição no ranking de criptomoedas de acordo com sua capitalização de mercado, com mais de US $ 1,203 bilhões investidos no protocolo (dados do site CoinMarketCap).

Como se pode ver no gráfico acima, o EOS alcançou seu pico de cotação em 2018, quando chegou a valer US $ 18,88. Também em maio de 2021, seu preço subiu e ultrapassou os US $ 14. No entanto, desde maio de 2022 até a presente data, sua cotação girou em torno do dólar.

Onde comprar e vender EOS?

A criptomoeda nativa da rede EOS pode ser comprada nos principais exchanges de criptomoedas do mundo.

Por exemplo, Binance, KrakenKuCoin, Bitfinex, Coinbase e OKX são alguns dos que permitem negociá-la, seja contra outras criptomoedas ou com sua moeda local.

Por outro lado, na América Latina, os exchanges e corretores maiores da região geralmente não oferecem suporte ao EOS.

Um possível motivo para isso é que eles decidem “proteger” seus usuários e não oferecer exposição a criptomoedas que não tenham um histórico e reputação comprovados no mercado.

Finalmente, você também pode adquirir EOS negociando com outras pessoas, o que é chamado de mercado P2P (entre pares). Para isso, você pode usar plataformas de comércio digital (tanto exchanges de criptomoedas quanto outras mais gerais, como Paxful) e redes sociais.

Tenha em mente, no entanto, que ao negociar com outra pessoa existe um maior risco de cair em possíveis fraudes. Faça a pesquisa apropriada e certifique-se de negociar com pessoas de boa reputação, um dado que pode ser fornecido pela própria plataforma ou por outros usuários.

Outras formas de investir em EOS

Além de comprar a criptomoeda, você tem a opção de ganhá-la por meio de outros meios. Por exemplo, se você adquirir a quantidade suficiente de tokens para participar da governança e ser considerado como validador, poderão escolhê-lo para aprovar novos blocos e assim obter as recompensas por sua contribuição.

Lembre-se de que no EOS há apenas 21 validadores, o que torna a barra muito alta para ser escolhido como um deles. Em outras palavras, você precisa comprar muitos EOS para ser

De qualquer forma, mesmo que você não seja escolhido como validador, você pode fazer staking de EOS (ou seja, depositar criptomoedas em um contrato inteligente, sem acessá-las por um determinado período de tempo) com algumas wallets e obter recompensas por isso.

Por exemplo, ao votar com os EOS depositados na Anchor wallet, você pode obter um retorno anual de 4%. Se você usar outras, como Wombat Wallet, Bloks.io ou a própria wallet nativa da EOS Authority, também poderá ganhar um percentual semelhante.

Conclusão: Qual é o potencial do EOS?

Em síntese, o EOS é uma blockchain que ainda tem muito caminho a percorrer e muito a provar. Seu início foi promissor, com uma ICO arrasadora, mas depois a falta de concretização de projetos por parte do Block.one desacelerou seu crescimento e desmotivou tanto desenvolvedores quanto usuários.
Desde há alguns meses, com a EOS Network Foundation, o projeto parece ter “ressuscitado”. No entanto, os anúncios devem dar lugar a ações concretas para que a rede prospere e, finalmente, atenda às altas expectativas que alguma vez foram depositadas nela.

Artigos Relacionados