O que é Finanças Descentralizadas (DeFi)?

A sigla “DeFi” refere-se ao termo “finanças descentralizadas”, que em português se traduz como “finanças descentralizadas”. É um novo esquema organizacional do sistema financeiro baseado em protocolos formados por códigos que executam ações de forma automática, sem a necessidade de um intermediário entre as partes.

O que é DeFi?

Os protocolos DeFi automatizam funções usando redes blockchains e contratos inteligentes. Estes contratos são um conjunto de códigos que executam ações de forma automática quando as condições acordadas por ambas as partes são cumpridas.

Por exemplo, em uma plataforma DeFi, um contrato inteligente pode determinar a liberação de fundos depositados como garantia uma vez que o empréstimo foi totalmente devolvido.

Devido às suas características e à sua forma de operação, os protocolos DeFi são considerados por muitos como uma alternativa descentralizada ao sistema financeiro tradicional. Neles, não há mais instituições que aprovem ou não as operações, mas um software que permite executá-las somente se todos os requisitos forem atendidos.

Os protocolos DeFi são criados em uma rede blockchain. A mais usada neste campo é Ethereum, pois, devido às suas características, está mais orientada para este tipo de desenvolvimento.

A EVM (Máquina Virtual Ethereum) é o “motor” que impulsiona o funcionamento de todos os aplicativos programados para interagir com esta rede. É como uma CPU capaz de resolver todos os tipos de equações matemáticas complexas.

EVM

No entanto, também podem ser usadas nas DeFi outras redes compatíveis com a EVM, além do Ethereum.

Estamos falando de casos como Polygon, BNB Chain, Optimism, Avalanche, Tron e Fantom, entre muitas outras.

Quais tipos de aplicações DeFi existem?

As aplicações DeFi podem ser classificadas de acordo com sua função da seguinte forma:

  • Exchanges descentralizados: plataformas para comprar e vender criptomoedas sem um intermediário centralizado, como são os exchanges tradicionais.
  • Plataformas de empréstimos, investimentos e CDP ou posições de dívida garantida (mecanismo com o qual são emitidas as criptomoedas estáveis ou stablecoins.
  • Piscinas de liquidez: nesse, os usuários podem depositar suas criptomoedas para fornecer liquidez a outros protocolos e obter juros em troca.
  • Mercados preditivos: são protocolos que usam contratos inteligentes para que os usuários “apostem” em eventos futuros, como o preço de um ativo, eleições, competições ou até loterias, como no caso do PoolTogether.
  • Oráculos: os oráculos fornecem informações do mundo externo às DeFi e permitem determinar se as condições acordadas em um contrato inteligente são cumpridas. Por exemplo, fornecem o preço das criptomoedas e a cotação de moedas, entre outros dados.
pool DEFI

PoolTogether é um protocolo DeFi que permite participar em um sorteio sem perdas para os usuários.

O que é uma DeFi no trading?

No âmbito do trading, as DeFi permitem a criação de exchanges descentralizados, também chamados DEX. Os mais reconhecidos são Uniswap e Curve, para Ethereum, e PancakeSwap, para BNB Chain.

Os DEX funcionam como os exchanges tradicionais, no sentido de que permitem trocar criptomoedas. No entanto, não há um ente centralizado que administra as ordens de compra e venda. Em vez disso, há dois usuários que interagem com um contrato inteligente e comercializam cumprindo os requisitos que este exige.

O que é um DeFi do Binance?

Binance é um dos maiores exchanges de criptomoedas do mundo e também foi partícipe da criação da rede BNB Chain (antes chamada Binance Smart Chain). Hoje em dia, é a segunda rede com maior valor no âmbito das DeFi, com mais de USD 5.190 milhões de TVL (10% de domínio de mercado).

Na rede BNB Chain, os usuários podem usar diferentes protocolos DeFi, como os mencionados anteriormente. Os mais usados são PancakeSwap, Venus e Alpaca Finance, de acordo com os dados do defillama.com.

Quando as DeFi nasceram?

As DeFi nasceram como conceito em 2017, embora se baseiem em ferramentas que já existiam anteriormente, como stablecoins, redes blockchain, carteiras de criptomoedas e contratos inteligentes. A criação do Ethereum em 2015 pode ser considerada um passo fundamental para o surgimento posterior dos protocolos DeFi.

Os primeiros projetos DeFi a aparecer foram BitUSD e NuBits, as primeiras stablecoins, e plataformas como EtherDelta e MakerDAO. Hoje em dia, as DeFi acumulam um valor total bloqueado (TVL) de US$ 50 bilhões. De acordo com os dados do site defillama.com, quase 60% desses fundos estão depositados na rede Ethereum, seguida por Tron (10,6%) e BNB Chain (9,9%).

Fonte: defillama.com

Fonte: defillama.com

O TVL em protocolos DeFi está associado à cotação das criptomoedas.

Como funcionam as DeFi?

Como foi explicado, uma parte fundamental para o funcionamento das finanças descentralizadas são os contratos inteligentes. Estes são pedaços de código programáveis e autoejecutáveis sob certas condições específicas.

As redes blockchain, por sua vez, permitem não apenas a criação destes protocolos, mas também o registro de tudo o que acontece neles. É por isso que se trata de plataformas transparentes e os dados nelas são inalteráveis.

Outro aspecto importante dos protocolos DeFi é que sejam de código aberto. Aqueles que apresentam esta particularidade são considerados mais confiáveis, pois mostram seu código para todos os usuários que desejarem inspecioná-lo, auditá-lo e testá-lo. Isso aumenta a probabilidade de encontrar possíveis falhas; com isso, a segurança das DeFi é potencializada.

Quanto custa operar em uma DeFi?

O custo de usar uma plataforma DeFi pode variar dependendo da plataforma e da funcionalidade que ela oferece. Entre esses custos, podem ser incluídas taxas de transação, taxas de gás, custos de desenvolvimento e custos de manutenção.

As duas primeiras têm a ver com os pagamentos que devem ser feitos para enviar transações através de um contrato inteligente ou uma rede blockchain. Os dois últimos tipos de custo estão relacionados aos próprios protocolos.

Como começar a investir em DeFi?

Se houver uma falha clara nas DeFi, é que geralmente não são fáceis de usar. Por isso, a primeira coisa a fazer é consultar sobre o protocolo escolhido e aprender como usá-lo passo a passo.

A próxima etapa será configurar uma carteira de criptomoedas e depositar nela as criptomoedas que possam ser necessárias para as operações necessárias. Sempre é importante lembrar que, mesmo que as transações sejam feitas com stablecoins, por exemplo, será necessário ter saldo na criptomoeda nativa de uma rede (como ether, BNB ou MATIC) para pagar as taxas.

Finalmente, chegará o momento de investir. Como mencionado, é altamente recomendável aprender bem como fazer isso antes de começar. Além disso, é prudente começar com montantes não muito elevados e, em seguida, aumentar gradualmente à medida que se conhece o funcionamento.

token

Uniswap, o DEX mais importante do Ethereum.

É importante lembrar que os investimentos em DeFi são de alto risco. Certifique-se de fazer uma pesquisa aprofundada e tomar decisões informadas antes de investir.

Como investir em DeFi na Binance?

Os primeiros passos para investir em uma DeFi da Binance Smart Chain ou BNB Chain são os mesmos descritos no ponto anterior. No entanto, é importante garantir que as carteiras e os protocolos que usaremos sejam compatíveis com essa rede.

Quais tecnologias são usadas para DeFi?

As DeFi são baseadas principalmente nas seguintes tecnologias:

• Redes blockchain.

• Criptomoedas.

• Contratos inteligentes.

• Oráculos.

Quantas DeFi existem?

Entre as plataformas DeFi, podemos distinguir exchanges descentralizados, plataformas de empréstimos e investimentos, pools ou piscinas de liquidez, protocolos emissores de stablecoins, mercados preditivos e oráculos. Em todas essas categorias, existem milhares de protocolos, cada um com suas características distintas e sua própria oferta para os usuários.

Quais são as melhores DeFi para investir?

É difícil determinar quais protocolos DeFi são os melhores para investir. A resposta a essa pergunta estará relacionada às necessidades do usuário, seja para colocar fundos em staking, pedir um empréstimo ou negociar futuros de criptomoedas.

Em qualquer caso, aspectos como os fundos depositados em uma DeFi podem ser um indicador de qual plataforma é a mais confiável na área para cada caso. Por exemplo, esses são alguns dos protocolos mais usados em cada área:

  • Exchanges descentralizados: Uniswap, Curve e PancakeSwap são os mais usados.
  • Pools de staking: os pools de Lido, Coinbase e RocketPool são referências nessa categoria.
  • Empréstimos e investimentos: Aave, JustLend e Compound são os que têm mais fundos depositados atualmente.
  • Pools de liquidez: Convex Finance, Aura e Coinwind aparecem em primeiro lugar nesse setor.
  • Mercados preditivos: Instadapp, BWatch, DefiSaver e PoolTogether estão entre os mais populares.

Como comprar criptomoedas DeFi?

Para comprar criptomoedas para usar em protocolos DeFi, há várias alternativas. A primeira e provavelmente a mais acessível é adquiri-las em exchanges ou corretoras centralizadas. Muitos deles aceitam pagamentos em moeda local, transferências bancárias e cartões de débito e crédito.

As pessoas que desejam operar em plataformas descentralizadas e sem a necessidade de se registrar usando seus dados pessoais, podem recorrer ao comércio entre pares (Peer-to-Peer ou P2P). Isso é possível através de certas plataformas que oferecem essa possibilidade (como Paxful ou Binance P2P), com bots do Telegram (lnp2pbot permite comprar bitcoin de outra pessoa através do Telegram) ou através de operações pessoais.

Vale destacar que essas últimas vias, embora permitam maior privacidade ao realizar transações, também implicam riscos maiores do que usar uma plataforma tradicional regulamentada.

Quais são os benefícios de usar DeFi?

Há vários benefícios de usar os protocolos de finanças descentralizadas ou DeFi. A seguir, alguns dos principais são listados:

  • Descentralização: isso significa que não há uma autoridade centralizada que controle o sistema. Esta característica proporciona maior segurança e transparência, pois as transações são registradas em uma cadeia de blocos pública e verificável.
  • Acessibilidade: as DeFi estão disponíveis para qualquer pessoa com acesso à internet, o que significa que as pessoas que antes estavam excluídas do sistema financeiro tradicional devido a barreiras geográficas, econômicas ou políticas agora têm a oportunidade de acessar serviços financeiros.
  • Transações rápidas e baratas: as transações em DeFi são processadas rapidamente e, em muitas das redes que as suportam, têm taxas mais baixas do que as transações tradicionais.
  • Interoperabilidade: muitos protocolos DeFi são compatíveis entre si, o que significa que os usuários podem interagir com diferentes protocolos e aplicativos na mesma rede. Isso permite que os usuários realizem uma ampla gama de operações financeiras em uma única rede.
  • Além disso, vale mencionar também a capacidade de inovação. As DeFi representam um campo em constante evolução, o que significa que há muitas oportunidades para a inovação e o desenvolvimento de novos produtos financeiros mais eficientes e rentáveis.

Existem protocolos DeFi que são considerados muito seguros e, por esse motivo, são aqueles que acumulam milhões de dólares em valor depositado neles. Exemplos disso são Uniswap, Aave, Lido, Curve e MakerDAO.

Ethereum Market

Esta é a aplicação da piscina de liquidez de código aberto Aave.

No entanto, essa reputação não significa que sejam infalíveis. Vale destacar que o protocolo dessas plataformas, que determina não apenas o seu funcionamento, mas também a sua segurança, é escrito por humanos. Isso significa que, além das auditorias e dos testes a que são submetidos, podem falhar.

Na verdade, em 2021 e 2022 os protocolos DeFi foram o alvo predileto dos hackers, que aproveitaram vulnerabilidades em seus códigos para roubar milhões de dólares em criptomoedas. Da mesma forma, as pontes que os protocolos DeFi usam para enviar fundos entre redes também foram vítimas de uma grande quantidade de hackeamentos em anos anteriores.

Quais são alguns dos riscos associados ao DeFi?

O primeiro risco dos protocolos DeFi tem a ver com o que foi mencionado anteriormente: essas plataformas são susceptíveis de sofrer ataques informáticos. Quando isso acontece, alguns desenvolvedores têm a capacidade de reembolsar os usuários pelas suas perdas, mas outros não.

Outro fator importante está relacionado ao uso destes protocolos. Pedir um empréstimo, fazer um investimento ou depositar fundos em um pool de liquidez pode ser complicado para usuários iniciantes, e há o risco de cometer qualquer erro no processo. Por exemplo, ao pedir um empréstimo, é possível perder os fundos de garantia se o seu valor de mercado cair e não atingir o mínimo estabelecido pelo contrato inteligente.

Além disso, a volatilidade é uma questão muito importante a ser considerada. Nos protocolos DeFi, é possível operar com as criptomoedas mais reconhecidas, como Bitcoin, Ether, BNB ou XRP, mas também estão disponíveis uma grande quantidade de tokens de reputação duvidosa.

Nesses casos, o investimento dos usuários (em um pool de staking ou em um pool de liquidez, por exemplo) estará em risco se o valor do token desabar de um momento para o outro.

Qual é o risco de fazer staking em DeFi?

O staking em protocolos DeFi é uma prática na qual os usuários bloqueiam suas criptomoedas em um contrato inteligente para obter retornos econômicos em troca. Embora possa ser uma forma atraente de gerar renda passiva, também apresenta alguns riscos.

Um dos principais riscos é a volatilidade dos preços das criptomoedas. Se o valor das criptomoedas que são deixadas em staking diminuir, o valor das recompensas em criptomoedas também diminuirá, o que pode resultar em perdas.

Além disso, existe o risco de que os contratos inteligentes usados ​​no staking DeFi sejam vulneráveis ​​a ataques cibernéticos ou erros de programação. Na verdade, em 2021 e 2022, muitos milhões de dólares foram perdidos por esse tipo de hacking.

Outro risco potencial é o risco de iliquidez. Ao bloquear suas criptomoedas em uma rede blockchain, os usuários podem ter dificuldades para acessar seus ativos em caso de necessidade financeira repentina. Em alguns casos, pode haver longos períodos de espera antes que eles possam retirar suas criptomoedas.

Qual é o futuro das DeFi?

As DeFi têm experimentado um rápido crescimento em popularidade e adoção nos últimos anos, o que sugere um futuro promissor para este novo modelo de serviços financeiros descentralizados.

Espera-se que as DeFi continuem a se expandir à medida que novas aplicações e soluções forem desenvolvidas. Problemas como falhas de segurança, escalabilidade e interoperabilidade entre diferentes blockchains são questões que devem ser tratadas com prioridade para continuar crescendo.

Tickmill

8/ 10

Mercado:

Europa, USA, Ásia

Execução rápida sem recotações, todas as estratégias de negociação permitidas.

Spreads desde 0.0 pips

Regulado por la FSA

*Tickmill não é regulada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) no Brasil. Não realizamos nenhuma atividade de marketing ativo nem oferta pública de valores para residentes no Brasil.

Depósito minimo:

R$508.39

Artigos Relacionados

Melhores Cursos de Trading no Brasil
Atualmente, a popularização dos investimentos tem impulsionado uma crescente busca por conhecimento no mundo do trading. Investidores de todos os níveis estão percebendo a importância de uma formação especializada e sólida para tomar decisões m...