O que são Shitcoins e por que não investir nelas?

Não existe um manual de instruções que delimite taxativamente quais criptomoedas podem ser consideradas “sérias” e quais não.

No entanto, o consenso geral coloca o Bitcoin, Ether, Tether, USD Coin, BNB, DAI, Bitcoin Cash e Monero, entre outras, como as mais respeitadas.

Ao contrário das mencionadas, existem criptomoedas que não resolvem nenhum problema real. Em vez disso, seu objetivo é mais focado no plano econômico, ou seja, ganhar dinheiro. Estas são geralmente chamadas de “shitcoins”, que em português se traduz como “criptomoedas lixo”.

Definição de shitcoins

Na gíria do mundo das criptomoedas, shitcoins são criptomoedas que não oferecem valor real e que muitas vezes são criadas com o propósito de enganar ou estafar os investidores. Estas criptomoedas geralmente não têm uma tecnologia sólida, um time de desenvolvimento competente ou uma utilidade clara.

Alguns entusiastas, especialmente os chamados maximalistas de bitcoin, chamam de shitcoins todas as outras criptomoedas, incluindo o ether, a criptomoeda nativa do Ethereum. No entanto, este já é um debate diferente e, geralmente, a definição mais usada de shitcoin é a mencionada no primeiro parágrafo.

Como as shitcoins se tornaram uma ameaça para os investidores de criptomoedas?

As shitcoins se tornaram uma ameaça para os investidores de criptomoedas devido a vários fatores. Primeiro, as shitcoins carecem de valor real e sua tecnologia geralmente é deficiente. Isso significa que os investidores não têm garantia de que seu investimento tenha alguma utilidade ou possa gerar benefícios a longo prazo.

Em segundo lugar, muitas shitcoins são criadas por pessoas que procuram aproveitar a falta de regulamentação e supervisão no mercado de criptomoedas. Assim, por exemplo, surgem criptomoedas alusivas a séries de televisão sem nenhuma utilidade para oferecer, como Squid Game (SQUID, imagem abaixo). Como se vê, essas acabam desmoronando.

Os líderes deste tipo de projetos promovem as shitcoins de forma exagerada e enganosa, com o objetivo de gerar uma demanda artificial e elevar seu preço. Em seguida, simplesmente abandonam o projeto, o que leva aqueles que investiram nela a perder seu dinheiro.

Por fim, a proliferação deste tipo de criptomoedas no mercado cria confusão e dificulta a identificação de projetos legítimos. Os investidores podem se sentir abalados pela quantidade de opções disponíveis e acabar investindo em projetos fraudulentos sem se dar conta.

Como identificar uma shitcoin?

Identificar uma shitcoin é fundamental para se mover no mundo das criptomoedas de forma mais segura. A seguir, mencionamos quatro pontos fundamentais que você deve ter em mente:

  • Pesquisa: procure todas as informações possíveis sobre a criptomoeda em questão. Examine seu site, o time de desenvolvimento, o projeto e a tecnologia subjacente. Avalie também a transparência do projeto e qualquer associação relevante.
  • Utilidade e propósito: analise se a criptomoeda tem uma utilidade e propósito claros. Procure casos de uso reais e potenciais, bem como a adoção por usuários e empresas. Se a moeda não tiver uma razão clara de existir ou seu caso de uso for vago, pode ser um sinal de uma shitcoin.
  • Capitalização de mercado e volume de operações: as shitcoins geralmente têm uma capitalização de mercado baixa e um volume de operações baixo, o que as torna suscetíveis à manipulação de preços e à falta de liquidez.
  • Comunidade e redes sociais: observe a quantidade de pessoas que se reúnem em torno da criptomoeda. As discussões ativas em redes sociais e fóruns, bem como a qualidade das interações e a reputação geral da criptomoeda na comunidade podem dar-lhe indícios para saber se está diante de uma shitcoin.

Baixa capitalização de mercado

As shitcoins estão estreitamente relacionadas a uma baixa capitalização de mercado devido à falta de confiança e à pouca demanda por parte dos investidores.

Essas criptomoedas geram desconfiança devido à falta de transparência, à ausência de um propósito claro ou à participação em projetos deficientes. Todos esses fatores limitam o seu atrativo para os investidores.

A baixa capitalização de mercado também torna-as mais propensas à manipulação de preços, uma vez que a falta de liquidez permite que indivíduos ou grupos com uma quantidade significativa dessas criptomoedas influenciem facilmente o seu preço. Além disso, as shitcoins geralmente carecem de adoção e uso real, o que contribui para a sua baixa capitalização de mercado, uma vez que há pouca demanda por parte dos usuários.

É importante ter em conta que nem todas as criptomoedas com uma baixa capitalização de mercado são necessariamente shitcoins. Existem projetos legítimos e promissores em estágios iniciais de desenvolvimento ou com um enfoque de nicho que podem ter uma capitalização de mercado baixa.

Projetos com pouca informação ou sem equipe visível

Como diriam os jovens hoje em dia, não ter uma equipe visível responsável pelo desenvolvimento de uma criptomoeda é uma bandeira vermelha evidente. Uma das características das shitcoins é não fornecer informações suficientes sobre seus planos, objetivos e, claro, sobre quem são os responsáveis por ela.

A presença de equipes anônimas ou sem experiência comprovada no campo das criptomoedas aumenta o risco de que o projeto seja uma fraude ou de que os desenvolvedores não tenham a capacidade de cumprir suas promessas.

Esta falta de confiança no projeto resulta em menor interesse por parte dos investidores, o que contribui por sua vez para a baixa capitalização de mercado que foi explicada no ponto anterior.

Uso de marketing exagerado e enganoso

Assim como o ditado diz “não há dois sem três”, bem poderia ser adaptado para indicar que “não há shitcoin sem publicidade enganosa”. Casualmente (ou não), todas prometem “revolucionar o mundo cripto”, levar a eficiência de uma rede ao máximo ou ser a solução para quase todos os males do sistema financeiro atual.

As shitcoins estão estreitamente relacionadas ao uso de marketing exagerado e enganoso como parte de suas estratégias de promoção. Como geralmente carecem de uma proposta de valor sólida ou de um uso claro e convincente, devem compensar com táticas de marketing para captar a atenção dos investidores e gerar interesse em sua criptomoeda.

Esta estratégia de marketing pode incluir afirmações falsas ou excessivamente otimistas sobre o potencial de crescimento da criptomoeda, promessas de ganhos extraordinários em pouco tempo ou declarações sem fundamentos apoiados. As táticas buscam seduzir os investidores menos informados ou inexperientes, aproveitando o seu desejo de obter lucros rápidos e significativos.

Ofertas iniciais de moedas (ICO) não regulamentadas

As ofertas iniciais de moedas (ICO, sigla para Initial Coin Offering) foram uma moda em 2017, ao mesmo tempo em que havia um forte mercado de alta para as criptomoedas. Trata-se de uma forma de arrecadação de fundos na qual um projeto emite tokens digitais e os vende a investidores em troca de criptomoedas mais estabelecidas como bitcoin ou ether, ou até mesmo moedas fiduciárias. Esses tokens representam uma forma de participação ou utilidade no projeto em questão.

As ICOs conseguiram ganhar popularidade como uma forma de financiamento descentralizado. No entanto, é importante ter em mente que elas podem ser arriscadas, devido à sua capacidade de facilitar práticas fraudulentas ou investimentos em projetos de baixa qualidade.

As shitcoins geralmente estão associadas a ofertas iniciais de moedas (ICO) não regulamentadas por vários motivos. Como primeiro ponto, essas criptomoedas de pouco valor aproveitam a falta de regulamentação nas ICOs para lançar projetos sem a devida supervisão e cumprimento de normas. Assim, são capazes de evadir requisitos de divulgação de informação, práticas transparentes e controles de segurança.

Por outro lado, as ICOs não regulamentadas podem atrair investidores menos informados ou inexperientes, graças à sugestão de maior liberdade e potencial de ganhos rápidos.

Esquemas de bomba e descarga (pump and dump)

Em muitos casos, as shitcoins também recorrem a estratégias de bomba e descarga (pump and dump), onde a criptomoeda é exageradamente promovida para aumentar seu preço. Com isso, busca-se atrair investidores que esperam aproveitar a suposta tendência de alta.

Legenda: Verge (XVG) foi um exemplo de pump and dump em 2017.

Em seguida, de um momento para o outro, os criadores ou manipuladores da shitcoin vendem suas participações a preços inflacionados, deixando os investidores menos informados com perdas significativas.

As consequências de investir em shitcoins

Investir em shitcoins pode ter tanto consequências boas quanto ruins. No entanto, é aconselhável mover-se com total precaução neste terreno e nunca investir mais do que se está disposto a perder.

Algumas pessoas conseguiram obter lucros ao investir em criptomoedas em estágios iniciais de desenvolvimento. Como essas criptomoedas geralmente têm preços muito baixos, um investimento bem-sucedido pode gerar retornos excepcionais se seu valor aumentar significativamente. Em alguns casos, investidores oportunistas conseguiram aproveitar picos de preços e vender no momento certo, gerando lucros consideráveis em pouco tempo.

No entanto, é importante destacar que, na maioria das vezes, as consequências de investir em shitcoins são negativas. Por causa dos motivos mencionados neste artigo (equipe de desenvolvimento desconhecida, utilidade pouco clara ou tecnologia insolvente), a maioria das shitcoins acaba perdendo valor rapidamente ou até mesmo colapsando por completo. Além disso, esses investimentos envolvem um alto risco de fraude, já que muitas shitcoins são criadas diretamente com o objetivo de enganar os investidores desavisados.

Perda de dinheiro e ativos

Investir em shitcoins carrega um risco significativo de perda de dinheiro e ativos. Estas criptomoedas de baixa qualidade carecem de uma base sólida, têm pouca adoção real e costumam ser objeto de manipulação de preços. Como resultado, é comum que elas percam valor rapidamente e deixem os investidores com perdas financeiras significativas.

Além disso, muitas shitcoins estão associadas a fraudes e práticas fraudulentas. Em alguns casos, as shitcoins podem fazer parte de esquemas de bomba e descarga (pump and dump), onde os criadores inflam artificialmente o preço da moeda para depois vender suas participações e deixar os investidores com perdas consideráveis.

Fraudes e fraudes on-line

Existem diversas fraudes e fraudes on-line relacionadas às shitcoins. Abaixo, descrevemos alguns exemplos comuns:

  • Esquemas Ponzi: esses esquemas costumam ser fraudes, nos quais os primeiros investidores são pagos com o dinheiro dos novos investidores, criando uma ilusão de rentabilidade. Eventualmente, o esquema colapsa e a maioria dos investidores perde seu dinheiro.
  • ICO fraudulentas: como mencionado, as shitcoins frequentemente são lançadas através deste método, no qual os estelionatários podem criar projetos fictícios ou exagerar as perspectivas de uma criptomoeda para atrair investidores e depois desaparecer com o dinheiro.
  • Roubo de criptomoedas: algumas plataformas de troca ou carteiras de criptomoedas associadas às shitcoins podem ser fraudulentas ou inseguras. Os estelionatários podem roubar as criptomoedas dos investidores por meio de técnicas de hacking, phishing ou outras formas de fraude on-line.

Riscos de segurança e proteção

Investir em criptomoedas de baixa reputação e qualidade carrega riscos significativos em termos de segurança e proteção. Esses riscos podem afetar tanto a integridade das criptomoedas quanto a segurança pessoal dos investidores.

Em primeiro lugar, as shitcoins frequentemente estão associadas a plataformas de troca pouco seguras que podem sofrer brechas de segurança ou serem objeto de ataques cibernéticos, o que pode resultar em uma perda de fundos. É fundamental investigar e escolher cuidadosamente as plataformas de troca confiáveis e seguras que implementem medidas de segurança adequadas.

Além disso, esse tipo de criptomoeda pode ser objeto de manipulação de preços e fraudes como as que foram explicadas nos pontos anteriores. Os esquemas de bomba e descarga são um exemplo disso.

Por fim, os investidores devem ter cuidado com o roubo de criptomoedas e fraudes online. Os maus atores podem aproveitar a popularidade de um criptoativo para realizar ataques de phishing, enganando os investidores para que revelem suas chaves privadas ou informações pessoais.

Dano à credibilidade e reputação do mercado de criptomoedas

Como se pode concluir a partir de tudo o que foi explicado anteriormente, as shitcoins têm um impacto negativo na credibilidade e reputação do mercado de criptomoedas em múltiplos aspectos.

A presença destas criptomoedas de baixa qualidade e pouco confiáveis gera desconfiança nos investidores, que se veem diante de uma avalanche de opções de investimento arriscadas. A falta de distinção clara entre projetos legítimos e oportunidades de investimento arriscadas favorece esta incerteza.

Na mesma linha, as shitcoins que colapsam ou se revelam como fraudes causam perdas financeiras aos investidores. É claro que isso gera grandes desilusões e desmotivação para continuar investindo em criptomoedas. Assim, as más experiências podem gerar uma diminuição na participação de investidores, o que limita o potencial de crescimento e adoção de criptomoedas legítimas no mercado.

Finalmente, a influência negativa das shitcoins na credibilidade do mercado também se traduz em um impacto na regulamentação. À medida que aumenta a proliferação de fraudes e criptomoedas de baixa qualidade, os governos e as autoridades financeiras podem sentir a necessidade de intervir com regulamentações mais rígidas para proteger os investidores. Embora certa regulamentação possa ser necessária, uma abordagem excessivamente restritiva coloca em risco a inovação na indústria das criptomoedas.

Como evitar ser enganado por shitcoins?

Como foi destacado ao longo deste artigo, a precaução e a pesquisa são fundamentais ao tomar decisões de investimento. Para reduzir as chances de ser enganado por shitcoins, aqui estão três conselhos fundamentais:

  • Realize uma pesquisa aprofundada: antes de investir em qualquer criptomoeda, especialmente aquelas de baixa qualidade, conheça tudo o que puder sobre o projeto, a equipe por trás dele e sua viabilidade e casos de uso reais.
  • Use plataformas e exchanges confiáveis: não use plataformas de troca pouco conhecidas ao investir em criptomoedas. Opte por plataformas confiáveis, que tenham medidas de segurança adequadas. Verifique as opiniões e comentários de outros usuários sobre a plataforma antes de depositar seus fundos. Além disso, certifique-se de usar carteiras seguras para armazenar suas criptomoedas e evite compartilhar suas chaves privadas com terceiros não confiáveis.
  • Mantenha um pensamento crítico: esta indicação que parece tão abstrata implica desconfiar das promessas de retornos garantidos ou exageradamente altos. Se parece muito bom para ser verdade, provavelmente é.

Faça uma pesquisa aprofundada antes de investir em qualquer criptomoeda

Em seções anteriores, destacamos a importância da pesquisa antes de investir em uma possível shitcoin e demos algumas dicas sobre os aspectos nos quais vale a pena se concentrar. Como resumo, aqui estão novamente:

Equipe de desenvolvimento

  • Credenciais e experiência da equipe.

 Documento técnico (whitepaper)

  • Tecnologia subjacente.

Adoção e uso real

  • Capitalização de mercado.
  • Histórico e trajetória do projeto.

Transparência e comunicação com a comunidade

  • Alianças e colaborações
  • Avaliação de riscos e competição

Procure projetos e equipes transparentes e confiáveis

Esta pesquisa aprofundada é de suma importância para evitar ser enganado com criptomoedas. Para isso, é recomendável seguir alguns conselhos práticos que já foram comentados anteriormente neste artigo.

Em primeiro lugar, é importante verificar a identidade e experiência da equipe que respalda o projeto. Isso implica pesquisar seu histórico, procurar perfis profissionais e verificar sua participação em eventos e conferências relacionadas às criptomoedas.

Além disso, é essencial examinar as informações públicas fornecidas pelo projeto. É necessário verificar cuidadosamente o seu site oficial em busca de informações sobre o time, a tecnologia subjacente e o propósito da criptomoeda. Um documento técnico (whitepaper) que explique de forma clara os objetivos do projeto também é indicativo de maior confiabilidade.

Por fim, é importante procurar informações sobre a segurança e auditorias do projeto. Verificar se houve auditorias de segurança realizadas por terceiros confiáveis ajuda a garantir a proteção dos ativos dos investidores.

Outros aspectos relevantes aos quais prestar atenção são a comunicação com a comunidade, verificar a presença do projeto em redes sociais e meios de comunicação especializados e analisar as associações e colaborações que o projeto tenha estabelecido.

Evitar ofertas iniciais de moedas (ICO) não regulamentadas

As ICOs não regulamentadas representam um risco significativo para os investidores, pois carecem de supervisão e, geralmente, não cumprem as leis que outros projetos seguem no ecossistema das criptomoedas. Portanto, é essencial levar em consideração certos aspectos para evitar cair neste tipo de esquemas.

Entre eles, estão realizar uma pesquisa aprofundada sobre o projeto, compreender sua viabilidade e legitimidade e verificar se a ICO cumpre com as regulamentações aplicáveis na jurisdição em que opera. Além disso, avaliar a transparência do projeto e a credibilidade do time são aspectos cruciais.

Uma avaliação adequada dos riscos associados à ICO também é essencial. Isso implica considerar cuidadosamente o potencial de retorno do investimento em relação aos possíveis riscos. Fatores como a falta de adoção do projeto, a competição no mercado e a volatilidade das criptomoedas devem ser considerados ao tomar uma decisão de investimento.

Não se deixe levar pelo marketing enganoso

Este é um ponto-chave para prevenir fraudes relacionadas às shitcoins. É que se há algo que os projetos com pouco valor real para oferecer costumam fazer bem, é vender a si mesmos e fazer promessas vazias. Com isso, eles muitas vezes conseguem atrair investidores e convencê-los de que sua criptomoeda é uma oportunidade lucrativa. No entanto, é fundamental manter uma atitude crítica e não se deixar levar por promessas exageradas ou pouco realistas.

O marketing enganoso pode se apresentar de diversas formas. Por exemplo, afirmações de retornos de investimento garantidos, promessas de benefícios desproporcionais em pouco tempo ou declarações exageradas sobre a tecnologia subjacente. Essas táticas buscam manipular as emoções dos investidores e gerar uma sensação de urgência ou medo de perder uma oportunidade única.

Para não cair nesse tipo de tática, preste atenção às “bandeiras vermelhas”, como elas são chamadas atualmente. Se o marketing de uma criptomoeda se concentrar principalmente em atrair investidores rápidos sem fornecer informações claras sobre o projeto em si, é possível que você esteja diante de uma fraude.

Estabelecer limites claros de investimento e estratégias de saída

É fácil se deixar levar pela emoção e pela promessa de ganhos rápidos, mas ter limites e uma estratégia bem definida pode ajudá-lo a proteger seu capital e evitar cair em esquemas fraudulentos.

Em primeiro lugar, você deve estabelecer um limite de investimento com base em sua situação financeira e tolerância ao risco. Não invista mais dinheiro do que você esteja disposto a perder, pois as shitcoins costumam ser investimentos de alto risco e volatilidade. Estabelecer um limite claro ajudará você a evitar decisões impulsivas e a proteger seus ativos caso o investimento não funcione como esperado.

Além disso, é importante ter uma estratégia de saída definida. Isso implica estabelecer critérios claros que indiquem quando é o momento certo para vender suas aplicações. Pode ser com base em certos objetivos de lucro, limites de perda ou mudanças nas condições do mercado. Uma estratégia de saída permitirá que você

Em síntese, é crucial ter um bom entendimento das shitcoins, suas características e os riscos associados a elas para se proteger de possíveis fraudes e perdas financeiras. Identificar uma criptomoeda deste tipo envolve examinar cuidadosamente aspectos como a baixa capitalização de mercado, a falta de informação ou equipe visível, o uso de marketing enganoso e as ICOs não regulamentadas.

É através das precauções e de estar ciente dos riscos que os investidores podem se proteger das fraudes relacionadas às shitcoins e tomar decisões de investimento mais seguras e fundamentadas. A educação e a diligência devida são fundamentais no mundo das criptomoedas para salvaguardar seu dinheiro e não viver uma má experiência.

Tickmill

8/ 10

Mercado:

Europa, USA, Ásia

Execução rápida sem recotações, todas as estratégias de negociação permitidas.

Spreads desde 0.0 pips

Regulado por la FSA

*Tickmill não é regulada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) no Brasil. Não realizamos nenhuma atividade de marketing ativo nem oferta pública de valores para residentes no Brasil.

Depósito minimo:

R$508.39

Artigos Relacionados

O que é Teoria de DOW na análise técnica
A análise técnica é uma ferramenta essencial para os investidores que buscam obter vantaegens no mercado financeiro. Ela consiste em estudar os padrões de comportamento dos preços dos ativos, utilizando gráficos, indicadores e outras ferramentas m...