Companhia dos Mares do Sul: A Bolha Financeira que faliu

Se os franceses perderam a cabeça por um escocês, os ingleses encontrariam em sua terra a perdição.

Bolha da Companhia dos Mares do Sul é uma das histórias mais rocambolescas que você ouvirá em muito tempo, mas cheia de lições para o nosso dia a dia nos mercados.

Aqui contamos a história da loucura coletiva que fez desaparecer a fortuna de muitos ingleses, incluindo a de um de seus filhos ilustres: Isaac Newton. Neste novo capítulo da história da bolsa de valores, estamos no século XVIII e a Inglaterra olha com desconfiança para as grandes riquezas que a Espanha extrai das minas da américa latina.

Seus navios não podem cruzar e negociar nas costas da América do Sul e enquanto isso seus vizinhos franceses se banham em ouro especulando com as grandes riquezas da Companhia do Mississippi.

Robert Harley, Conde de Oxford, decide propor um projeto para restaurar o crédito público. Uma companhia de comerciantes assumiria a dívida do Estado em troca de um juro de 6%.

Para o pagamento desses juros, foram cedidos permanentemente os impostos sobre o vinho, o vinagre, as mercadorias da Índia, as seda, o tabaco, as barbatanas de baleia e alguns outros itens. Foi garantido o monopólio do comércio com os Mares do Sul, com o qual a empresa seria reconhecida.

Desde o início, começou a especulação sobre as riquezas existentes na costa leste da América do Sul. Todo mundo ouviu falar das minas de ouro e prata do Peru e México.

Um relatório falso foi divulgado, o que afirmava que a Espanha estava disposta a ceder parte do tráfego comercial para quatro portos nas costas do Chile e Peru, o que aumentou a confiança geral e por muitos anos as ações da South Sea Company foram muito valorizadas.

Mas Felipe V da Espanha tinha outros planos.

A Espanha assinou um contrato pelo qual concedia o privilégio de fornecer escravos para as colônias por trinta anos e de enviar um navio uma vez por ano para negociar com México, Peru ou Chile, em troca de 25% dos lucros e um adicional de 5% de impostos.

O conde de Oxford mentiu e afirmou que seriam enviados dois navios adicionais ao acordado e uma lista de todos os portos que permaneceriam abertos.

A primeira viagem não seria feita até 1717 e no ano seguinte o comércio foi suprimido devido à ruptura com a Espanha.

Banco da Inglaterra vs Companhia dos Mares do Sul

É então que as duas grandes instituições financeiras do país, a Companhia dos Mares do Sul e o Banco da Inglaterra, lutam para obter a concessão da dívida pública perante a Câmara dos Comuns.

A proposta era assumir os 30 milhões de libras da dívida do Estado e receber um juro de 5% em troca por 10 anos.

Alguns dias depois e por via de urgência, o projeto seria aprovado e a loucura especulativa tomou conta das ruas. Não sem oposição.

Walpole, um membro da Câmara, cunharia as seguintes frases:

“a perigosa prática da especulação distrairá o dom da nação da atividade industrial e comercial. Será uma isca perigosa que levará os incautos à ruína, ao fazê-los trocar o produto de seu trabalho pela perspectiva de uma riqueza imaginária”.

“se o plano tivesse sucesso, os conselheiros da empresa se tornariam os donos do governo, constituiriam uma nova e absoluta aristocracia no reino e controlariam as resoluções da assembleia legislativa. Se falhasse, do qual estava convencido, o resultado traria o descontentamento geral e a ruína para o país”.

Tal seria a loucura, que quando esse dia chegasse, as pessoas acordariam como de um sonho e se perguntariam se essas coisas poderiam ter sido verdadeiras.”

O que estava acontecendo no Exchange Alley?

O nome da South Sea Company estava continuamente diante do público. Embora o comércio com os estados da América do Sul produzisse pouco ou nenhum aumento em suas receitas, continuou prosperando como corporação financeira.

Suas ações estavam em alta demanda, e os membros do conselho de administração, encorajados pelo sucesso, começaram a pensar em novas maneiras de expandir sua influência.

O projeto do Mississippi de John Law, que tanto deslumbrou e cativou os franceses, inspirou-lhes a ideia de que eles poderiam realizar o mesmo jogo na Inglaterra.

O fracasso previsível de seus planos não os desviou de seu propósito. Achando-se muito espertos, pensaram que poderiam evitar os erros, sempre levar adiante seus projetos e esticar ao máximo a corda do crédito, mas sem quebrá-la.

Exchange Alley, o bairro de Londres onde se negociavam valores, fervilhava de excitação.

As ações da empresa, que haviam estado a cento e trinta na véspera, subiram gradualmente até trezentos e continuaram aumentando com a mais surpreendente rapidez durante todo o tempo em que o projeto de lei estava sendo discutido em suas várias fases.

As listas de pessoas para investir em ações eram preenchidas rapidamente e o comércio nelas era enorme enquanto, é claro, todos os tipos de meios eram usados para elevar artificialmente sua cotação.

Mas no dia em que o projeto foi aprovado, as ações caíram.

Rapidamente os conselheiros elaboraram um plano e convocaram na mesma rua os interessados em propostas do governo espanhol para trocar Gibraltar e Mahón por alguns lugares na costa do Peru.

Além disso, os navios ingleses poderiam fazer quantas viagens quisessem para o outro lado do Atlântico.

A cotação das ações disparou…

Momento ideal para, como nos ensina o manual de empresas que pouco se importam com o acionista, lançar um aumento de capital.

Em poucas horas, captaram 2 milhões de libras adicionais prometendo um dividendo de 10%

Outras bolhas especulativas da época

Os londrinos esqueceram que a ganância é um dos 7 pecados capitais e foi o momento para que os mais astutos da classe ficassem com o dinheiro de todos aqueles que as promessas de fortuna lhes nublavam o julgamento.

Apareceram projetos conhecidos como bolhas, que prometiam realizar algum empreendimento e, em troca, levantavam milhares de libras sem qualquer justificativa ou receita que o justificasse.

Eram basicamente cheques em branco… (SPAC da revolução industrial)

O mais conhecido foi o de um mercador que nomeou seu projeto:

Uma empresa para realizar uma atividade muito lucrativa, mas que ninguém deve saber do que se trata.

Em um dia, ele havia alcançado o capital necessário e naquela mesma tarde embarcou para o Continente e ninguém mais soube dele.

Outra fraude que teve grande sucesso foi a dos Globe Permits.

Não eram mais do que pedaços de cartas sobre as quais estava impresso um selo em cera com o símbolo da Globe Tavern. (A inspiração do Forum Filatélico)

A única vantagem que seus detentores tinham era a autorização para subscrever ações em um futuro incerto de uma nova fábrica de tecido de lona.

Acabou sendo outra Bolha.

O rei promulgou um decreto, declarando que todos esses projetos ilegais seriam considerados danos públicos e, consequentemente, perseguidos. Além disso, proibia os corretores de comprar ou vender suas ações sob pena de quinhentas libras.

Apesar do decreto, os especuladores maliciosos continuaram a negociar com eles e os ingênuos ainda os encorajavam.

As ações da Companhia, passaram de 500 para 800 e em dias para 640. E foi então que tudo desabou.

O fim da South Sea Company

A bolha estava então inflada ao máximo e começou a tremer.

Muitos dos rentistas acusaram os conselheiros da empresa de parcialidade na elaboração das listas de alocação de ações.

Depois houve mais inquietação ao saber que Sir John Blunt e alguns outros haviam vendido.

Durante todo o mês de agosto a cotação continuou caindo. A situação agora era alarmante.

Concordou-se que o Banco da Inglaterra viria ao resgate emitindo títulos (dando ideias de risco moral ao BCE), mas as peças do dominó já haviam começado a cair.

A Sword Blade Company, que até então havia sido a principal caixa da South Sea Company, parou de pagar.

Isso foi considerado o início do desastre e provocou uma grande corrida ao Banco, que tinha que desembolsar dinheiro mais rapidamente do que o havia recebido.

As ações despencaram e uma comissão de investigação foi iniciada, que terminou prendendo boa parte dos conselheiros e lordes envolvidos nesta bolha.

Assim terminou uma das maiores loucuras especulativas da história do Reino Unido.

Se na primeira bolha o ouro e a prata foram os protagonistas e a solução para o colapso financeiro.

Nesta história o grande vencedor foi o Banco da Inglaterra, o mesmo que sucumbiria diante de George Soros em 1992

Isaac Newton e a Companhia dos Mares do Sul

Um dos homens mais brilhantes de nosso tempo, Isaac Newton foi um dos afetados nesta bolha.

Apesar de ser um dos matemáticos mais brilhantes que conheceremos, o aspecto psicológico lhe jogou uma má passada.

Newton ganhou muito dinheiro no início da bolha e até era conhecido por seus grandes acertos nos investimentos.

Mas a ganância em uma bolha o superou e ele acabou perdendo tudo.

Muito se escreveu sobre a falência de Newton, mas recomendo o seguinte estudo sobre a bibliografia deste episódio de sua vida: As desventuras financeiras de Newton na Bolha do Mar do Sul

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento