Por que as empresas deixam de ser listadas na bolsa de valores?

O mercado de ações é a expressão prática do mercado de capitais. É o local, agora virtual, onde são negociadas as ações das empresas públicas.

Mas você já se perguntou o que acontece quando uma empresa sai da bolsa ou o que acontece com as ações quando uma empresa deixa de negociar na bolsa?

Embora seja dada mais atenção ao processo de listagem, saber como e por que as listagens ocorrem pode ser igualmente importante.

Isso pode lhe poupar grandes dores de cabeça como investidor e, acima de tudo, muito dinheiro.

O que significa sair do mercado de ações?

Uma empresa sai do mercado de ações quando sua negociação é suspensa ou eliminada (“retirada da lista”). Isto implica a cessação das operações de compra e venda de ações de forma temporária ou definitiva.

Por que as empresas saem do mercado de ações?

Abrir o capital pode acontecer de duas maneiras. Involuntariamente através de sanção à empresa, ou voluntariamente por iniciativa da própria empresa.

Partida involuntária

A saída involuntária é derivada de 2 casos:

Em primeiro lugar, para ser listada em bolsa uma empresa deve cumprir determinadas regras estabelecidas pela bolsa e pelas entidades reguladoras. Quando não o faz, é suspensa e, eventualmente, eliminada da referida troca.

Estas condições dependem das exigências de cada mercado de ações, mas geralmente incluem:

  • Um preço mínimo abaixo do qual as ações listadas não podem cair.
  • Um número mínimo de investidores detentores das ações listadas.
  • Um valor mínimo para a capitalização bolsista da ação, e ainda para patrimônio, patrimônio e rendimentos.
  • A obrigação de publicar relatórios periódicos de gestão (trimestrais e anuais), nomeadamente, as demonstrações financeiras da sociedade de acordo com as normas internacionais.
  • A obrigação de cumprir as normas de auditoria e fornecer todas as informações solicitadas pelas autoridades de forma peremptória.
  • A obrigação de adotar determinadas normas de governo societário, em particular, algumas relacionadas com a representação, proteção e salvaguarda dos direitos dos acionistas.

Assim, a saída involuntária do mercado de ações ocorre pela incapacidade de uma empresa cumprir com suas obrigações perante o mercado de capitais e as autoridades.

Nesse caso, a empresa recebe um aviso com prazo e caso não tenha resolvido o problema até lá, é suspensa ou retirada da bolsa.

Um exemplo é a decisão da administração Trump (mantida pela administração Biden) de restringir o investimento em empresas chinesas de tecnologia, como China Telecom (HK: 0728), China Mobile (HK: 0941) e China Unicom (HK: 0762), que estavam listadas na NYSE até 2021.

Na verdade, a lista foi ampliada em 2022 para 5 novas empresas chinesas: Sinopec (SSE: 600028), China Life Insurance (SSE: 601628), Aluminum Corporation of China (SSE: 60160), PetroChina (SSE: 601857) e Sinopec Shanghai Petroquímica Co. (SSE: 60068).

Falência

Em segundo lugar, uma empresa pode abrir o capital quando declara falência de acordo com as leis em vigor em cada país.

O caso mais comum ocorre quando as empresas invocam o capítulo 11 do Código de Falências dos Estados Unidos, que regula estes processos perante um tribunal para qualquer empresa que tenha credores neste país e pretenda continuar a operar para tentar resolver a sua situação de falência através de uma reorganização. plano.

No entanto, as empresas falidas também podem beneficiar do capítulo 7 do mesmo código, que envolve a liquidação total dos activos para pagamento aos credores.

De qualquer forma, a empresa fica suspensa da bolsa enquanto se define o seu processo de falência.

De acordo com o Capítulo 11, uma empresa poderá eventualmente retornar ao mercado de ações com a mesma razão social ou com uma nova se o processo de reorganização for bem-sucedido. Temos exemplo disso nas empresas American Airlines Group (NASDAQ: AAL) e Eastman Kodak Co.

Mas, se este processo falhar ou a empresa solicitar o Capítulo 7, ela deixa de existir quando for liquidada. Entre os casos mais emblemáticos podemos citar o Lehman Brothers e a Enron.

A saída da bolsa por descumprimento de requisitos e obrigações pode ser um sinal de alerta que, em alguns casos, acaba levando à falência.

Partida voluntária

Uma empresa também pode sair voluntariamente do mercado de ações por razões estratégicas, incluindo:

  • A empresa, por vontade dos seus acionistas e de acordo com os seus estatutos, decide tornar-se uma empresa privada, ou seja, uma entidade não cotada em bolsa. Isso pode ocorrer para facilitar a tomada de decisões dentro da empresa, ou porque seus acionistas desejam manter o controle e, em alguns casos, porque a empresa não tem condições de atender aos requisitos para ser listada em bolsa, entre outros motivos.
  • A empresa entra em processo de fusão ou aquisição (M&A: ‘Fusões e Aquisições') com outra entidade que pode ser pública ou privada.
  • A empresa decide transferir suas ações de uma bolsa para outra.
  • A empresa decide dissolver-se, liquidar os seus activos e pagar aos seus credores e accionistas.

Como podemos inferir, a saída voluntária da bolsa não implica necessariamente que uma empresa esteja com dificuldades, embora não o exclua.

Entre os casos que podemos citar estão Barracuda Networks, Reader's Digest e Panera Bread, que continuam empresas privadas.

Porém, também existem empresas que, embora públicas, tornaram-se privadas por um tempo, e depois retornaram ao mercado de ações, entre elas: Joann (NASDAQ: JOAN), Kinder Morgan (NYSE: KMI) e Burger King (NYSE:QSR) .

Quanto tempo leva para uma empresa fechar o capital?

Cada bolsa tem seus próprios procedimentos específicos para o fechamento de uma ação.

Em geral, após notificar a empresa da violação de um requisito, é concedido um prazo razoável para cumprir, a menos que a violação seja muito grave (falência, etc.), caso em que poderá ser suspensa ou eliminada imediatamente.

Caso a empresa não atenda aos requisitos, ela poderá ser colocada em liberdade condicional. As empresas que estão em julgamento podem negociar no mercado de ações por um período limitado de tempo enquanto tentam resolver os problemas. Em alguns casos, são identificados com um “BC” após o símbolo da ação para indicar que atualmente não atendem aos requisitos da bolsa.

As empresas que não cumprem são notificadas pela bolsa e, geralmente, têm 10 dias para responder ou são excluídas.

A NASDAQ , por exemplo, inicia seu processo assim que a ação é negociada abaixo do preço mínimo exigido ou do preço exigido para satisfazer o mínimo de capitalização de mercado por 30 dias de negociação.

Nesse caso, o departamento de qualificação de listagem emite um aviso à empresa dando-lhe até 60 dias corridos para responder e até 180 dias para resolver o problema.

Caso a exigência de listagem não seja atendida após o término desse período de carência, as ações poderão cessar a negociação.

O que acontece se uma empresa abrir o capital?

O que acontece quando uma empresa fecha o capital depende se a saída é involuntária ou voluntária, bem como da natureza de cada caso.

O que acontece com as ações quando a empresa abre o capital?

Vejamos os principais casos que podem ocorrer:

Saída involuntária por descumprimento de obrigações

Quando a listagem é involuntária e se deve ao descumprimento de requisitos e obrigações, as ações tendem a perder valor. No entanto, ainda podem ser negociados em mercados de balcão (OTC: ‘Over The Counter') , embora com grandes spreads devido à falta de liquidez e certamente com custos de transação mais elevados. Também poderiam ser negociados em outras bolsas de valores onde as ações estivessem anteriormente listadas.

Saída involuntária por falência

Quando a listagem é involuntária e decorre da declaração de falência, pode-se dizer que o valor das ações tende a zero. Geralmente nestes casos os investidores acabam perdendo tudo, pois se a empresa for liquidada eles serão os últimos a cobrar depois dos credores, se sobrar algo para distribuir.

Por outro lado, se a empresa for reestruturada com sucesso, novas acções serão provavelmente emitidas sob uma nova denominação social ou a empresa será adquirida por uma nova entidade (muitas vezes privada), pelo que, para efeitos práticos, a antiga empresa deixaria de ser existirá e com ele o património dos antigos accionistas, que poderão ou não receber novas acções, embora em menor quantidade e com menor valor.

Saída voluntária por fusão ou aquisição

Quando é voluntário e decorre de um processo de fusão ou aquisição, os ex-investidores têm um tempo limitado para vender suas ações antes de serem convertidas em dinheiro ou trocadas por ações da nova empresa ou da empresa adquirente a uma taxa de conversão pré-determinada.

Em geral, neste caso, as ações da empresa tendem a subir, uma vez que as regulamentações buscam proteger o direito dos investidores de receberem um preço justo por suas ações durante esses processos e isso gera expectativas otimistas. Da mesma forma, as ações podem ser negociadas em mercados de balcão (OTC).

Por todas estas razões, é importante que os investidores validem o cumprimento por parte de uma empresa das suas obrigações perante a bolsa e as entidades reguladoras e, principalmente, monitorizem o seu nível de solvência e liquidez.

Quando uma empresa entra neste tipo de dificuldade, geralmente dá sinais de alerta que podem ser detectados em suas demonstrações financeiras.

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento