O que é um Teste de Estresse em Finanças? Definição e Exemplos

O mundo experimentou muitas crises financeiras, o que está muito relacionado com a estabilidade do sistema financeiro e a necessidade de regulamentação.

Nesse sentido, o Stress testing torna-se uma ferramenta fundamental, pois com ele é possível identificar fraquezas na estrutura de capital que podem colocar em risco o funcionamento e a estabilidade do sistema com o objetivo de adotar medidas necessárias para fortalecer os pontos críticos e proteger as entidades contra tais cenários.

Neste artigo, define-se o que é o Stress Testing e como o sistema financeiro tem assumido um papel na implementação do que foi estabelecido nas normas definidas pelo Comitê de Basileia em matéria de risco.

Neste contexto, no desenvolvimento deste estudo, são descritos aspectos que são de suma importância no conceito e aplicação do Stress Testing.

O que é Stress Testing?

Os testes de estresse também são conhecidos como testes de resistência, e são definidos como uma análise da capacidade das entidades de crédito para absorver perdas.

Os testes de resistência bancária consistem em um trabalho complexo que envolve avaliar o impacto de cenários extremos, mas plausíveis, não considerados por outros modelos de gestão de risco.

Qual é o objetivo de aplicar os testes de estresse?

O objetivo geral desses testes é avaliar a resistência do sistema bancário como um todo e a capacidade dos bancos em um território específico para absorver possíveis choques relacionados aos seus riscos de crédito e de mercado, incluindo o risco derivado dos investimentos em dívida

Para que devem ser usados os testes de estresse?

Os testes de estresse são usados principalmente na gestão do risco de mercado, em relação às carteiras negociadas no mercado. Essas carteiras incluem principalmente instrumentos de taxas de juros, ações, moedas e commodities. Estes são suscetíveis a testes de resistência bancária, pois seus preços de mercado são atualizados periodicamente.

Por que são importantes os testes de Stress Testing nos bancos?

Os testes de tensão são de grande ajuda para a gestão de risco interna nos bancos, que são promovidos pelos supervisores através do quadro de suficiência de capital de Basileia II.

Estes testes são importantes porque alertam a gerência sobre resultados adversos imprevistos causados por diferentes riscos e informam sobre o capital necessário para absorver perdas em caso de maiores alterações. Eles também complementam outras técnicas e medidas usadas na gestão de riscos, sendo especialmente importantes para:

  • Avaliar os riscos de forma prospectiva
  • Suprir as deficiências dos modelos e dos dados históricos
  • Melhorar os processos de planejamento de capital e liquidez
  • Ajudar os bancos a definir sua tolerância ao risco
  • Facilitar o desenvolvimento de técnicas de limitação de riscos e planos de contingência em diversas situações de tensão.

Quais são os cenários teóricos de desenvolvimento do Stress Testing?

Os cenários podem ser classificados com base em como são gerados e também com base no número de fatores de risco que são alternados para gerá-los

Por um lado, existem cenários gerados a partir de eventos (cenários event-driven), que são aqueles cenários que são formulados a partir de eventos plausíveis que geram movimentos nos fatores de risco ou na composição das carteiras. E por outro lado, existem cenários gerados a partir das carteiras (cenários specific porfolio-driven), nos quais em primeiro lugar são identificados os principais fatores de risco da carteira em questão.

Neste cenário, do ponto de vista teórico, podem ser definidos três cenários a serem considerados, que são determinados da seguinte maneira.

Stress Testing em cenário Básico: Este cenário é o mais estável a nível econômico, consiste na definição de cenários que recolhem suposições macroeconômicas para um horizonte temporal dado, leva-se em conta a evolução das variáveis macroeconômicas ao simular cada cenário.

O objetivo dos testes é quantificar o impacto das variações no cenário macroeconômico com as variações nas variáveis financeiras dos bancos, ou seja, estuda-se o comportamento das contas dos bancos se as previsões atuais sobre a evolução da economia se concretizarem.

As variáveis a analisar são:

  • Produto Interno Bruto
  • Taxa de Juros a Curto e longo prazo
  • Inflação
  • Taxa de Desemprego
  • Taxa de Câmbio

Stress Testing Cenário macroeconômico adverso: este consiste em um cenário de recessão macroeconômica, estuda a reação bancária diante de uma situação de recessão econômica, pois avalia os efeitos que a recessão teria no PIB, produto interno bruto nas entidades financeiras.

Teste de estresse por crise na dívida soberana: Neste cenário também persistem cortes em matéria macroeconômica diante de uma suposta crise de dívida soberana. O que se busca é estabelecer a solvência que uma entidade financeira pode ter caso os investimentos das entidades em dívida soberana resultem em perdas.

Quem Realiza o Teste de Estresse em Finanças no Brasil?

O teste de estresse em finanças no Brasil é realizado principalmente por instituições financeiras, reguladores e gestores de fundos de investimento. Estes testes são essenciais para avaliar a resiliência das instituições financeiras em cenários econômicos adversos e garantir a estabilidade do sistema financeiro do país.

Instituições Financeiras

Bancos, seguradoras e outras instituições financeiras realizam testes de estresse internamente como parte de sua gestão de riscos. Eles simulam cenários extremos, como crises econômicas, para avaliar o impacto potencial em suas carteiras de ativos e passivos.

Banco Central do Brasil

O Banco Central do Brasil (BACEN) desempenha um papel crucial na condução de testes de estresse no sistema financeiro. Ele realiza avaliações regulares para monitorar a saúde financeira dos bancos e garantir que possam suportar choques econômicos.

Comissão de Valores Mobiliários (CVM)

A CVM, que regula o mercado de valores mobiliários no Brasil, também pode realizar testes de estresse, especialmente em situações que envolvem fundos de investimento e outros instrumentos financeiros.

Gestores de Fundos de Investimento

Gestores de fundos também realizam testes de estresse para avaliar o impacto de cenários adversos em suas carteiras de investimentos, garantindo a adequada gestão de riscos e a proteção dos investidores.

Esses testes são fundamentais para manter a integridade e a estabilidade do sistema financeiro brasileiro, especialmente em face de incertezas econômicas globais e locais.

Como se calcula o teste de estresse?

Um indicador chave nos testes de estresse financeiro é a razão de capital ordinário de nível 1 (CETI, Common Equity Tier’ 1). O CETI, também chamado de capital tier 1 ou core capital, é a principal medida de solvência financeira. É o capital de máxima qualidade, composto principalmente por ações ordinárias, lucros não distribuídos e outras reservas, juntamente com as participações preferenciais e instrumentos híbridos.

A razão de capital CETI é expressa como uma porcentagem sobre os ativos ponderados por risco: quanto mais elevado for, mais garantias de solvência há para o banco.

A razão de capital CET1 é expressa como uma porcentagem sobre os ativos ponderados por risco: quanto mais elevado for, mais garantias de solvência para o banco.

RATIO de CAPITAL CETI=capital tier 1/ativos ponderados por risco

De acordo com a normativa de Basileia III, (o quadro regulador internacional para bancos acordado após a crise financeira de 2008), por exemplo as reservas de capital de uma entidade bancária devem ascender, a todo momento, a um mínimo de 8% dos ativos ponderados por risco, correspondendo a 6% delas a capital de nível 1, enquanto que o capital ordinário de nível 1 (CET1) deve ser superior a 4,5%.

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento