As 10 maiores fraudes financeiras

Ao longo de muitos anos, ouvimos falar de milhares de fraudes financeiras, esquemas Ponzi, as subprime… destacando 2008 como um dos anos em que foram quebrados os recordes de escândalos financeiros. É por isso que hoje vamos ver 10 das maiores fraudes financeiras da história.

Como é de se esperar quando se trata de uma empresa que está à frente da fraude, tanto a sua reputação quanto o valor de suas ações são afetados negativamente.

Mas, por outro lado, se por trás do escândalo está apenas uma pessoa, as quedas da entidade serão menores, mas a justiça será mais severa com o causador.

Top 5 maiores fraudes financeiras

FraudeAno que foi descoberto
Esquema de Ponzi1920
Hamanaka, a manipulação do Cobre1996
Jordan Belfort1998
Bernie Madoff2008
Africrypt2021

 

1. A fraude piramidal ou Esquema de Ponzi.

No início do século XX, Carlos Ponzi, imigrante italiano, tornou-se o pioneiro das conhecidas fraudes piramidais no mercado de ações.

E foi muito curioso o sucesso que sua fraude teve, pois apenas estudando-o minimamente, sabia-se dos antecedentes criminais de Ponzi, que já acumulava duas estadias anteriores na prisão.

Carlo Ponzi, fundador dos esquemas piramidais

Através da fundação de sua empresa Security Exchanges Company, Ponzi recebeu milhões de dólares sob a promessa de devolução de um juro de 50% em um mês e 100% em 3 meses.

Como todo esquema piramidal, no início funcionou, e a cada mês, Ponzi pagava religiosamente seus juros. Com base nisso, ele acumulou enormes lucros, e milhares de pessoas em Boston, diante da galinha dos ovos de ouro, foram hipotecar suas casas.

Assim, tudo desmoronou com uma publicação do analista financeiro Clarence Barron na mídia inglesa ‘BBC’, em 1920, que mostrou como Ponzi estava envolvido em um escândalo midiático nos Estados Unidos por ter cometido fraude nos preços de venda de supostos cupons de correio internacional.

Portanto, sua fraude consistia em trocar os dólares que recebia por moedas depreciadas e com esse dinheiro adquirir os cupons a um preço menor. E assim era como Ponzi ficava com o dinheiro restante da compra dos cupons.

O problema é que ele não tinha mais de 27.000 cupons, e para enfrentar todo o capital que lhe era emprestado, deveria ter em circulação mais de 160 milhões de cupons.

Diante de tal informação e como ocorre em todo esquema piramidal, centenas de pessoas correram para retirar suas economias e liquidar suas posições. No entanto, isso foi impossível e em poucos meses a pirâmide colapsou.

Diante da indignação de ter perdido as economias de toda uma vida (mesmo tendo hipotecado casas) manifestações e protestos ocorreram nas ruas da cidade de Boston, durante vários dias, para reivindicar a devolução do dinheiro que havia sido fraudado.

Estima-se que naquela época cerca de 40 mil pessoas entregaram entre 15 e 20 milhões de dólares à empresa de Ponzi.

Após as investigações correspondentes, as autoridades descobriram que o que realmente Ponzi fazia era pagar os juros dos antigos investidores com o dinheiro que entrava dos novos compradores.

Por tudo isso, Ponzi foi condenado a 4 anos de prisão, após os quais foi para o Brasil para trabalhar em uma companhia aérea italiana. No entanto, lá também foi vítima do azar e a empresa faliu após uma crise econômica.

Como anedota, Ponzi terminou seus dias falido e imerso como autônomo em uma barraca de cachorro-quente para ganhar a vida.

2. Yasuo Hamanaka, o Grande Manipulador do Cobre.

Era conhecido por ser o principal investidor em cobre da Sumitomo Corporation, uma das principais empresas comerciais do Japão.

Ao longo dos anos ficou conhecido como “Sr. 5%” pois controlava cerca de 5% do fornecimento mundial de cobre ou diretamente “Sr. Cobre”. Ele acumulava grandes quantidades, tanto físicas quanto futuras.

Durante esses anos, ele usou essa porcentagem para tornar o cobre um material escasso, e consequentemente, manipular o preço com intenções altistas, através da Bolsa de Londres que era o maior mercado de cobre do mundo.

No entanto, essa estratégia desmoronou em meados dos anos 90, quando a China, recém-incorporada ao comércio mundial, começou a liberar grandes quantidades de cobre, reduzindo irremediavelmente seu preço.

Aqui começaram as artimanhas contábeis de Hamanaka, inflando seu preço, falsificando perdas como lucros de sua empresa… tudo com a intenção de que o preço do cobre continuasse alto e dando a sensação de que, apesar de tudo, ele ainda era o Rei do Cobre.

Finalmente, a situação tornou-se insustentável e em 1996, Hamanaka anunciou um prejuízo de 2,6 bilhões de dólares em operações não autorizadas. Foi condenado a oito anos de prisão, mas acabou sendo libertado um ano antes, em 2005.

3. Jordan Belfort, O Lobo de Wall Street

Jordan Belfort, nasceu no Bronx (Nova York) em 1962.

Depois de estudar biologia e após uma carreira difícil, decidiu entrar no mercado de ações na década de 1990, trabalhando para diferentes corretores de ações que vendiam ações de empresas.

Desde que aterrissou em Wall Street, rapidamente ganhou uma reputação na indústria como um corretor ágil e empático, o que o ajudou a crescer profissionalmente e, posteriormente, a fundar sua própria empresa para vender ações, Stratton Oakmont. Tal foi seu empenho, que a imprensa financeira o batizou como O Lobo de Wall Street

Sua fraude consistia principalmente em que os trabalhadores de sua empresa vendiam ações de empresas a um preço mais alto, que o preço de mercado, que era geralmente baixo, já que Belfort escolheu o nicho das “ações de centavo”.

Em 1998, após uma investigação correspondente, as autoridades americanas acusaram Belfort de fraude, lavagem de dinheiro e manipulação do mercado de ações.

Sua história, suas fraudes e sua vida louca fruto de anos de fraudes foram refletidas no filme O Lobo de Wall Street, de Martin Scorsese.

4. Bernard Madoff, a maior fraude piramidal da história

Seu nome foi durante décadas sinônimo de fortuna, mas finalmente a realidade veio à luz.

Hoje já se sabe que Bernie Madoff, através de um esquema de Ponzi, chegou a fraudar mais de 65.000 milhões de dólares. A lista de fraudados era enorme desde investidores particulares até empresas reconhecidas como BNP Paribas, o banco japonês Nomura, Tremont Capital, Ascot Fund, Maxam Advisor, etc… destacando como grandes afetados Fairfield Greenwich e Kingate Management, bem como a comunidade judaica dos EUA onde Madoff era uma personagem de grande importância.

Sua pirâmide conseguiu se manter de pé por cerca de 40 anos. E a chave para a longevidade de sua fraude, foi que todo mundo confiava nele. Ele foi presidente do Nasdaq por 10 anos e eram muito frequentes seus atos de caridade com os mais desfavorecidos.

De fato, é verdade que ao longo dos anos seus concorrentes o denunciaram várias vezes alegando que os resultados que ele obtinha não eram realistas, chegou a ser investigado em 1999, mas não foram detectados problemas.

No entanto, e para o espanto do próprio Madoff, ele sempre costumava sair ileso, dada a sua boa aura. No entanto, em meados de 2008 e devido à falência do Lehman Brothers, milhares de investidores foram retirar seu dinheiro do fundo de Madoff, razão pela qual o caso explodiu.

Na noite antes de tudo vir à tona, Madoff reuniu seus dois filhos, Andrew e Mark, que eram alheios a tal circunstância, para começar a revelar a verdade. E é que a maneira como Bernard Madoff agia era através do velho esquema de Ponzi, no qual as últimas vítimas eram quem arrecadava dinheiro para pagar os primeiros investidores.

Ele foi condenado a 150 anos de prisão, embora tenha morrido em 2019, e o filho mais velho não aguentou tanta pressão e acabou se suicidando

No entanto, e apesar de tudo, os casos de fraudes piramidais continuam ocorrendo com relativa frequência. Recentemente foram, por exemplo, as fraudes tanto de Juicy Fields, como de Omega Pro World, que revelamos recentemente na Rankia.

5. Africrypt, a maior fraude de criptomoedas.

Tudo começou em 2019, quando os irmãos Ameer e Raees Canjee, de 18 e 20 anos, fundaram a exchange AfriCrypt, na Cidade do Cabo, África do Sul, com a ideia de que seus compatriotas pudessem usar sua plataforma para economizar e fazer pagamentos, dada a instabilidade da moeda local.

Portanto, como resultado das altas rentabilidades prometidas através de staking ou flash loans, o pool de liquidez que a Africrypt tinha, era tão vasto, que se especulava que chegou a ser de até 69.000 BTCs em 13 de abril de 2021, momento em que os problemas começaram a surgir.

Africrypt, o maior golpe com criptomoedas

A Africrypt parou de funcionar, o que gerou uma série de suspeitas entre os investidores. No entanto, os irmãos pediram calma e disseram que as falhas na plataforma foram devido a um “hack na exchange”. Tanto que pediram aos seus clientes que não informassem o incidente às autoridades.

No entanto, o conselho não foi aceito e alguns dias depois, já havia vinte ações contra a Africrypt, então o processo de liquidação provisória começou.

Contudo, a surpresa foi que todos os fundos haviam desaparecido, e as investigações indicaram que foram movidos das carteiras digitais e contas sul-africanas, através do “mixer” da “dark web”, o que criou enormes fragmentos de ativos, tornando todas as criptomoedas economizadas por seus clientes, em dinheiro quase impossível de rastrear.

Com tudo isso, os fundadores desapareceram com cerca de $ 3.6 bilhões de dólares em bitcoins pertencentes aos usuários de sua plataforma, o que provocou o maior golpe da moeda digital até o momento.

Lembre-se de que para não ser vítima dessas exchanges que prometem altos retornos se você operar com eles, você deve consultar nosso artigo sobre as melhores exchanges de criptomoedas

 

Outros golpes financeiros

Merck

O laboratório Merck, em meados de 2002 registrou como receita de uma de suas subsidiárias (Medco) 12.4 bilhões de dólares que não recebeu, com o objetivo de equilibrar as contas, mas a receita não lhe pertencia, então adotou o número apenas para inflar os lucros. Embora a contabilidade realizada pela Merck não seja tecnicamente considerada uma fraude, a Merck teve uma semana muito tensa em Wall Street até conseguir esclarecer a situação.

Nick Leeson

Nick Leeson começou a trabalhar para o banco Baring´s Bank em 1989, fazendo parte da equipe de operadores deste banco no Simex (Singapore International Monetary Exchange). Desde então, Nick foi responsável por criar e liderar uma equipe de negociação encarregada de operar no mercado asiático, além de também controlar o Back Office, o Front Office e o Risk Management, o que significa que ele tinha controle total e ninguém supervisionava suas operações a partir daí.

Logo começou a operar com futuros do Nikkei, ao ver que tudo estava indo bem, ele aumentou sua alavancagem, fazendo com que suas posições se tornassem cada vez maiores e, portanto, seu risco aumentava. No final, ele tinha posições tão grandes que ele sozinho movia o mercado.

Mas em 17 de janeiro de 1995, após um tremendo terremoto no Japão, Nick decidiu pensar de maneira diferente dos outros, vendo uma oportunidade de negócio, pois pensou que seriam necessários novos investimentos em infraestrutura para reconstruir a cidade, novas empresas de construção, etc. Mas o governo japonês decidiu que ninguém faria negócios com o desastre do terremoto e, portanto, a reconstrução do país seria financiada com títulos do governo.

Nick havia apostado em tudo, exceto que o Nikkei caísse, mas após o anúncio do BOJ, o mercado desabou, causando uma perda de 1300 milhões de dólares ao Banco de Baring e, consequentemente, sua falência. Finalmente, ele foi preso e condenado a 6 anos de prisão, dos quais cumpriu apenas 4 anos.

Enron

A maior empresa distribuidora de energia ocultou por anos suas perdas milionárias. A empresa estava em pleno crescimento, fazendo suas ações serem cotadas a 90,56 dólares, mas quando surgiram rumores de que os lucros da Enron vinham de negócios com suas subsidiárias, as ações despencaram para 30 dólares. Esses negócios permitiram cobrir as perdas sofridas nos últimos anos, chegando a ter passivos de mais de 30.000 milhões de dólares. O valor final da fraude chegou a 63.400 milhões de dólares.

enron

Jérome Kerviel

É considerado o autor da maior fraude da históriacausando perdas à Société Générale (um dos maiores bancos da Europa) equivalentes a 4.900 milhões de euros. Isso resultou em um desequilíbrio financeiro que abalou os mercados em todos os continentes.

jerome kerviel

Ao longo de 2007, Jérome realizou operações erradas que passaram despercebidas pelo banco, pois usou um sistema complexo para ocultar operações sob falsas transações. Em conclusão, apostou uma soma surpreendente que certas ações subiriam ou cairiam e falhou estrondosamente.

Worldcom

Worldcom foi uma importante empresa do setor de telecomunicações com sede nos Estados Unidos, que declarou falência em julho de 2002, protagonizando um dos maiores escândalos financeiros da chamada globalização de capitais.

worldcom

Worldcom era a segunda maior empresa de telefonia dos EUA, e forjou suas contas em aproximadamente 3.850 milhões de dólares.

Após a publicação da notícia da Worldcom, suas ações caíram drasticamente mais de 94%. Conforme revelado pelas investigações, o cérebro por trás dessa “maquiagem” dos balanços foi Bernard Ebbers (foi condenado a 25 anos de prisão).

Em suma, o mundo dos investimentos não conhece amigos. Portanto, agora que você já conhece as 10 maiores fraudes financeiras, você deve saber que antes de depositar seu dinheiro em qualquer tipo de empresa ou pessoa, é aconselhável que você faça um estudo minucioso sobre seus objetivos, projeto e fontes de financiamento.

No entanto, agora perguntamos a você, quais outras grandes fraudes financeiras você teria incluído neste ranking?

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento