O que a Teoria Monetária Moderna propõe? Argumentos a favor e contra

Neste artigo, veremos o que é a Teoria Monetária Moderna (MMT), também daremos uma visão geral de seus principais postulados, quais são suas origens, alguns argumentos a favor e outros contra, quem são os principais defensores e críticos desta teoria econômica e terminaremos com uma conclusão ou reflexão final.

No mundo da moda, há uma certa recursividade na qual as tendências retornam de tempos em tempos e as roupas que nossos avós usavam se tornam presentes durante certos períodos. Essa comparação me parece familiar quando leio sobre a Modern Monetary Theory, que me parece uma visão “atualizada” dos postulados de Keynes, mas com a grande diferença de estar vivendo um século depois.

O que é a Teoria Monetária Moderna (MMT)?

A Teoria Econômica Moderna é uma teoria econômica que surgiu no século XIX graças ao economista alemão Georg Friedrich Knapp e sua inspiração intelectual se baseia em economistas como Knapp, Mitchell-Innes e Keynes. É na Universidade de Missouri e, principalmente, após a grande crise financeira de 2008 que suas propostas voltam ao debate econômico.

A Teoria Monetária Moderna MMT defende que se pode alcançar o pleno emprego em uma economia como motor do crescimento econômico através do uso do mecanismo de impressão de dinheiro que os governos com moeda própria controlam. Esta teoria defende que os governos podem financiar seus déficits públicos recorrendo à circulação de dinheiro fiat. Esta impressão de dinheiro só seria interrompida ao atingir o pleno emprego, se durante o processo fosse gerada inflação, a MMT defende o uso de um aumento de impostos como mecanismo para cortar o aumento da demanda e conter a inflação, e se necessário queimar dinheiro líquido do balanço.

Claro, esses postulados fizeram correr muita tinta tanto de seus defensores quanto de seus críticos. Compartilho dois artigos, um de cada lado, para que vocês possam analisar seus postulados

  • Modern Money Theory 101: A Reply to Critics
  • Modern Monetary Theory VOODOO ECONOMICS GETS A RUN

Na verdade, a Teoria Monetária Moderna apresenta um desafio às ideias convencionais sobre dívida, déficits e como as economias devem funcionar.

Esta teoria econômica se baseia em sistemas econômicos nos quais o Estado tem todo o poder sobre sua moeda. Ou seja, emite essa moeda e poderia satisfazer todas as obrigações econômicas necessárias, o que significa que não tem limites para pagar tudo o que precisa obter.

Portanto, a Teoria Monetária Moderna tenta trazer várias questões-chave, entre as quais se destacam as seguintes:

1º A que acabamos de ver. E é que, como o Estado emite sua própria moeda, não poderia falir porque pode emitir todo o dinheiro que quiser por meio de seu respectivo Banco Central.

O Banco Central realmente não tem controle sobre a massa monetária, pois não determina a oferta monetária, mas sim a taxa de juros. Portanto, o Banco Central deve tentar interferir na atividade de crédito dos bancos tradicionais por meio das taxas de juros.

3º Os impostos deixam de ser um elemento substancial no que se refere ao financiamento do Estado e seu protagonismo ativo passa para a demanda de capital por parte dos diversos agentes econômicos.

4º Defende que se pode alcançar o pleno emprego em uma economia como motor do crescimento econômico através do uso do mecanismo de impressão de dinheiro que os governos com moeda própria controlam.

5º Postula que os governos podem financiar seus déficits públicos recorrendo à circulação de dinheiro fiat. Esta impressão de dinheiro só seria interrompida ao atingir o pleno emprego.

6º Com os impostos arrecadados, o sistema econômico é drenado da moeda fiat em questão. Desta forma, evita-se a inflação, e esse dinheiro não precisa ser redistribuído (já que o Estado tem soberania na impressão de sua moeda), mas sim faria desaparecer, queimaria.

Argumentos a favor da Teoria Monetária Moderna (MMT)

O principal argumento apresentado a favor da Teoria Monetária Moderna é que um país com sua própria moeda não precisaria se preocupar em aumentar muito sua dívida, pois sempre terá a possibilidade de emitir mais notas para enfrentar os juros acumulados.

Dessa forma, considera que se consegue enfrentar o aumento da demanda sem que a inflação suba muito, o governo pode gastar tudo o que precisa para criar empregos.

Quais economistas defendem a MMT?

Toda teoria econômica ganha relevância conforme o nível de seus defensores. A MMT tem seu think tank na Universidade do Missouri onde a principal conferência anual sobre a MMT é realizada todos os anos. Esta universidade tem em seu corpo docente economistas como Randall Wray e Stephanie Kelton, esta última não seria tão reconhecida se não fosse porque em 2016 foi a consultora econômica da campanha de Bernie Sanders à presidência dos Estados Unidos.

Bernie Sanders, que como sabemos perdeu as primárias democratas, representa a ala mais à esquerda do partido democrata. O candidato democrata, muito criticado por suas ideias de redistribuição de riqueza, sendo milionário (2,5 milhões de euros) ganhou grande relevância, apesar da diferença geracional, com muitos jovens americanos que o viram como uma maneira de lutar contra o establishment dos partidos nos Estados Unidos.

Apesar de seu fracasso, suas ideias ressoaram nessa parte da população e é assim que a MMT passou para o primeiro plano da atualidade econômica e debates nas principais redes e meios de comunicação americanos.

Alguns economistas relevantes que se posicionam a favor da Teoria Monetária Moderna são:

  • Randall Wray.
  • Stephanie Kelton.
  • William Black.
  • Michael Hudson.
  • James Kenneth Galbraith
  • Hyman Minsky.
  • Rohan Grey.
  • William Mitchell
  • Alexandria Ocasio-Cortez (AOC), famosa política pelo Partido Democrata.

Argumentos contra a MMT

A Teoria Monetária Moderna cairia no erro de considerar o déficit e a dívida como “ativos ou ferramentas” do Estado, e não como um potencial problema.

Outro erro é considerar que o déficit não importa.

Além disso, a MMT acarreta o risco de aumentar a pressão inflacionária.

No entanto, o maior risco que ela representa é o de descapitalização da população, pois se o Estado tem a máquina de imprimir dinheiro para onde precisa gastar, e os impostos são coletados da população produtiva, mais cedo ou mais tarde, acabará descapitalizando-a. Sim, pode evitar o problema da inflação, mas à custa de acabar com a riqueza e a poupança de grande parte da sua população.

A MMT considera que a taxa de juros “natural” em um mundo com dinheiro fiduciário é zero e que as empresas adotam suas estratégias de investimento com base nas previsões de crescimento e não no custo do dinheiro.

Quais economistas a criticam frontalmente?

Vários economistas, políticos e empresários expressaram sua rejeição a esta teoria, tais como:

  • O Prêmio Nobel Paul Krugman
  • Warren Buffett
  • Robert P. Murphy
  • Thomas Palley
  • Juan Ramón Rallo, autor do livro Contra a Teoria Monetária Moderna.
  • Nassim Nicholas Taleb
  • Scott Sumner

“Não sou fã da MMT — de jeito nenhum, Não precisamos entrar em zonas de perigo, e não sabemos exatamente onde elas estão.” Warren Buffett

Conclusão final

A MMT talvez seja um sinal dos tempos em que vivemos, onde, apesar de vivermos em um mundo globalizado, cada vez mais são propostas políticas isolacionistas ou que não levam em conta a interconexão entre as economias mundiais. É quase certo que ouviremos muito sobre essa teoria e a transição para nossa política nacional não demorará a chegar.

Tende-se a acreditar que tudo o que seja “modernizar” uma teoria do passado sempre trará melhorias substanciais. E nem sempre tem que ser assim.

É muito tentador ouvir que um Estado que tem o controle e o monopólio da emissão de sua moeda, pode tanto criar quanto gastar dinheiro à sua vontade, contanto que, mantenha a inflação controlada.

E mais tentador ainda é ouvir que um Estado nunca pode falir nem entrar em default de uma dívida pelo simples fato de que pode acionar a máquina de impressão de dinheiro para enfrentar todas as obrigações econômicas que tenha em vigor com seus respectivos credores.

Argumentos a favor da MMTArgumentos contra a MMT
Fim do problema do déficitO dinheiro não seria controlado pelas pessoas.
Os Estados não teriam dívidaDescapitalização da sociedade
Poderia gastar Seria muito difícil economizar e investir (os pilares da liberdade financeira)
Sem inflação (teoricamente)Fim da privacidade na tomada de decisões
Estado onipotente
Tende a gerar políticas populistas
A longo prazo, poderia gerar uma sociedade dependente.

Como é lógico, tudo isso é água benta para as políticas populistas pretendidas, um forte aumento dos gastos públicos para reduzir o desemprego e avançar mais programas sociais.

Mas parece muito difícil ver qualquer coisa disso no Velho Continente em geral e na zona do euro em particular, entre outras razões por que os países que fazem parte da União Europeia não podem emitir moeda de maneira unilateral.

E nos Estados Unidos, vale lembrar a famosa definição que Larry Summers, ex-secretário do Tesouro dos EUA, fez da Teoria Monetária Moderna, chamando-a de vodu.

Além disso, a existência dela aumentaria grande parte da economia subterrânea (na Espanha, em torno de 20%, muito acima da média europeia), já que é muito difícil controlar o dinheiro em espécie. Um problema que seria resolvido pelas famosas CBDCs (à custa do fim da privacidade), que estão muito em voga nos bancos centrais

Não há dúvida de que o debate está aberto, pois a lista que engrossa cada lado apresenta pesos pesados de reconhecido prestígio, e a esperada chegada da moeda digital do banco central só vai esquentar ainda mais a briga.

E você, o que acha da Teoria Monetária Moderna?

Mercado:

Europa, USA, Ásia

Corretora confiável com 1,54 milhão de contas de clientes e capital de US$ 10,01 bilhões, listada na Nasdaq.

Comissões baixas e melhor execução de preços possíveis graças ao sistema IB SmartRoutingSM.

Plataformas e ferramentas de negociação gratuitas – poderosas o suficiente para traders profissionais, mas projetadas para todos.

Depósito minimo:

R$0.00

Artigos Relacionados