Ações em Circulação: Um Guia Prático sobre o Conceito

As ações em circulação representam o número total de ações de uma empresa no poder de seus acionistas, incluindo os blocos de ações que pertencem a investidores institucionais e as ações restritas na posição de pessoas com informações privilegiadas e funções da empresa.

As ações em circulação refletem-se no balanço de uma empresa como “Capital social”.

O número de ações em circulação desempenha um papel transcendental no cálculo de detalhes importantes como a capitalização de mercado, os ganhos por ação (EPS) e o fluxo de ação efetiva (CFPS).

No entanto, o número de ações em circulação não é constante e pode variar significativamente com o tempo.

Definição de ações em circulação

As ações em circulação de uma empresa são aquelas que estão acessíveis aos inversionistas no mercado secundário.

Esta categoria de ações compreende todas as ações restritas de propriedade dos funcionários e pessoas com informações privilegiadas (empregados seniores) da empresa, assim como a parcela de capital no poder de inversionistas institucionais, como fundos mútuos, fundos de cobertura e fundos de pensão.

As ações estão disponíveis para sua negociação no mercado secundário após serem autorizadas, emitidas e posteriormente compradas por investidores que depois são convertidas em proprietários de ações ou acionistas da empresa.

Os accionistas de acções ordinárias geralmente têm o direito de participar nas reuniões anuais de accionistas e também podem votar pelas directivas da junta da empresa.

Como se define o termo “ações em circulação”?

As ações em circulação são a parte do capital de uma empresa que atualmente é propriedade de seus acionistas, e que abarca blocos de ações no poder de investidores institucionais e ações restritas na posição de funcionários e pessoas com informações privilegiadas da empresa.

Como são Operacionalizadas as Ações em Circulação no Mercado Brasileiro?

No Brasil, a operacionalização das ações em circulação segue uma estrutura bem definida, guiada por regulamentações estabelecidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Este processo é crucial para garantir a transparência e a integridade do mercado de capitais. Abaixo, exploramos os principais aspectos da operacionalização das ações em circulação no contexto brasileiro:

  1. Registro e Oferta Pública:
    • Empresas que desejam ofertar suas ações ao público devem primeiro registrar uma oferta pública junto à CVM. Este registro inclui a divulgação de informações relevantes que permitam aos investidores tomar decisões informadas.
  2. Negociação em Bolsa:
    • As ações em circulação são negociadas principalmente na B3 – Brasil, Bolsa, Balcão, que é a principal bolsa de valores do país. A B3 proporciona um ambiente seguro e regulamentado para a negociação de ações.
  3. Divulgação de Informações:
    • Empresas com ações em circulação são obrigadas a divulgar informações financeiras e operacionais de forma regular, garantindo transparência e permitindo que os investidores avaliem o desempenho da empresa.
  4. Agentes Intermediários:
    • A operacionalização envolve diversos agentes intermediários, como corretoras de valores, que facilitam as transações entre compradores e vendedores.
  5. Liquidação e Custódia:
    • Após a negociação, a liquidação das transações é realizada através de sistemas de compensação e liquidação, enquanto a custódia das ações é mantida por instituições custodiantes autorizadas.
  6. Governança Corporativa:
    • Empresas com boas práticas de governança corporativa tendem a ter uma operacionalização mais eficiente e transparente, o que é valorizado pelos investidores e pela própria bolsa.

A operacionalização das ações em circulação no Brasil é um processo bem estruturado que visa garantir a integridade e a eficiência do mercado, proporcionando um ambiente de negociação justo e transparente para todos os participantes do mercado.

Qual é a diferença entre ações em circulação e ações autorizadas?

As ações autorizadas de uma empresa representam o número máximo possível de ações que podem ser emitidas e podem ser substancialmente maiores que as ações em circulação.

Se bem as ações em circulação compreenderem as ações autorizadas em poder ou vendidas aos acionistas da corporação, excluindo as ações em tesouraria, o número real de ações em circulação poderá ser igual ou menor que as ações autorizadas.

Por exemplo, uma empresa pode autorizar a criação de dez milhões de ações para seu oferta pública inicial e final emitindo apenas novos milhões de dólares.

As ações em circulação representam o número total de ações disponíveis no mercado aberto, incluindo os blocos de ações próprias de investidores institucionais e as ações restritas ao poder de pessoas com informações privilegiadas e funções da empresa.

O número de ações em circulação indica o total de ações que atualmente representam os inversionistas e executivos da empresa. Por outro lado, o número de ações emitidas significa o número total de ações negociadas algumas vezes no mercado de valores, incluindo as ações que a empresa recomprou e manteve em sua tesouraria.

El “float” refere-se às ações disponíveis para negociação pública, excluindo as da tesouraria da empresa e as ações próprias dos executivos.

Como é determinado o número de ações em circulação de uma empresa?

As ações em circulação e as ações em tesouraria são diferenciadas em que estas últimas se referem às ações em poder da empresa e que não estão disponíveis para venda no mercado aberto. O número total de ações emitidas resulta da combinação das ações em circulação e das ações próprias.

As empresas que compram bolsas têm a responsabilidade de fornecer aos investidores informações completas sobre seu capital social em sua folha de equilíbrio, incluindo o número de ações emitidas e em circulação. Esses dados estarão disponíveis na seção de relacionamento com inversionistas do site da empresa ou nos sites das bolsas de valores locais.

No México, os relatórios trimestrais realizados pelas empresas públicas para a supervisão da Comissão Nacional Bancária e de Valores (CNBV) contêm informações sobre as ações em circulação.

Um número de ações em circulação é um valor importante para qualquer inversionista, já que está incluído no último cálculo de capitalização de mercado e ganho por ação, como mostra a continuação:

A empresa A emitiu 25.800 ações e ofereceu 2.000 ações aos sócios, e reteve 5.500 ações na tesorería.

· Fórmula de ações em circulação : Ações emitidas – ações próprias – ações restritas = 25.800 – 5.500 – (2 x 2.000) = 16.300.

· Supomos que o estoque esteja atualmente em $ 35,65. Portanto, a capitalização de mercado da empresa é de 16.300 x $ 35,65 = $ 581.095.

· A empresa tem uma entrada líquida de $ 12.500 de acordo com os últimos dados financeiros. Portanto, os ganhos por ação da empresa são de $ 12.500 / 16.300 = $ 0,77.

Depois de três meses, a gerência da empresa decidiu uma recompensa de 1.000 ações. O preço das ações após 3 meses é de $ 36,88.

· Portanto, existências pendentes após três meses = 16.300 – 1.000 = 15.300.

· Capitalização de mercado após três meses = 15.300 x $ 36,88 = $ 564.264

· EPS após três meses = $ 12.500 / 15.300 = 0,82

À medida que o número de ações em circulação diminui em 1.000, o lucro por ação da empresa aumenta em 6,54%.

· Além disso, as ações em circulação são um parâmetro importante utilizado no cálculo do preço do valor em livros (relação P / B), que é um indicador de quanto pagam os acionistas pelos ativos líquidos de uma empresa.

Além disso, o número total de ações em circulação também pode ser calculado dividindo a capitalização de mercado de uma empresa pelo preço real de suas ações.

Por que é importante saber o número de ações em circulação de uma empresa?

O número de ações em circulação de uma empresa é utilizado amplamente no cálculo de variáveis financeiras importantes, como a capitalização de mercado e a proporção de ganhos por ação (EPS).

É importante reconhecer que as ações em circulação de uma empresa podem flutuar com o tempo, especialmente para empresas de tecnologia que experimentam um rápido crescimento. Essas empresas utilizam empréstimos conversíveis e incentivos de ações para seus funcionários, para financiar sua expansão. Pelo contrário, é provável que as empresas tradicionais com um crescimento constante tenham um número de ações em circulação igual ao número de ações totalmente diluídas.

Se mesmo as ações em circulação afetarem a liquidez de uma ação, o nível de liquidez dependerá em grande medida de sua flutuação de ações. Por exemplo, uma empresa pode ter 100 milhões de ações em circulação, mas se 95 milhões dessas ações estão em mãos de pessoas e instituições internacionais, a liquidez das ações pode ser limitada a apenas cinco milhões de ações.

As empresas podem recomendar ações em circulação?

Quando uma empresa acredita que suas ações estão infravaloradas, você pode optar por implementar um programa de recompra de ações, e qualquer um tem o objetivo de recomprar algumas de suas ações emitidas a um preço favorável.

A recomendação ajuda a aumentar o valor de mercado das ações restantes que estão disponíveis no mercado aberto, e também melhora os ganhos por ação (EPS) da empresa ao dividir os ganhos entre um número menor de ações. Como resultado, a recompensa por ações aumenta o rendimento por ação, aumentando também o valor de cada ação.

Além de aumentar o valor das ações existentes, a recomendação de ações também pode ser usada para evitar a diluição dos acionistas que poderiam resultar em opções futuras de compra de ações para empregados ou subvenções de capital. Além disso, as empresas com reservas efetivas substanciais em seus saldos podem estar em uma melhor posição para recomprar suas ações de maneira mais agressiva, reduzindo também o número de ações em circulação e aumentando seus ganhos por ação utilizando seu efetivo existente.

O que acontece com as ações em circulação quando uma empresa emite novas ações?

As ações em circulação de uma empresa podem variar dependendo de vários fatores. O número de ações em circulação pode aumentar se a empresa emitir ações adicionais ou se os funcionários exercerem opções sobre ações e outros instrumentos financeiros.

Quando uma empresa decide recuperar fundos através de uma oferta pública inicial (IPO), intercambia participações de capital na empresa por financiamento. Um aumento no número de ações em circulação melhora a liquidez, mas também aumenta a diluição.

As ações em circulação podem ser computadas como básicas ou totalmente diluídas. O número básico de ações em circulação refere-se ao número atual de ações disponíveis no mercado secundário.

Por outro lado, as ações em circulação totalmente diluídas têm em conta os valores diluídos, como os conversíveis (warrants, opções, ações preferenciais, etc.).

Os mandados são instrumentos que danificam o direito de comprar mais ações em circulação da tesouraria da empresa. Cada vez que os warrants são ativados, as ações em circulação aumentam enquanto o número de ações de tesouraria diminui. Por exemplo, supõe-se que XYZ emita 100 warrants. Se todas essas garantias forem ativadas, XYZ terá que vender 100 ações de sua tesouraria aos tenedores de garantia.

Portanto, se uma empresa tiver valores diluídos, isso implicará um aumento potencial no número de ações em circulação no futuro.

Como isso afeta o aumento de ações em circulação no preço das ações existentes?

As divisões de ações podem causar um aumento no número de ações em circulação, enquanto as divisões de ações inversas conduzem a uma diminuição no número de ações em circulação.

As divisões de ações geralmente são realizadas para fazer com que as ações de uma empresa sejam mais acessíveis aos investidores individuais e para melhorar a liquidez.

Por outro lado, as divisões inversas de ações são usadas comumente para cumprir o requisito de preço mínimo para comprar em uma bolsa.

Se mesmo uma redução no número de ações em circulação puder ter um impacto adverso na liquidez, também poderá desalentar as vendas curtas, pois tomar ações para vendas curtas se tornará mais desafiador.

As empresas podem anunciar uma divisão de ações para atrair mais investidores. Uma divisão de ações de 2 em 1, por exemplo, reduz o preço de uma ação em 50% enquanto duplica o número de ações em circulação.

As divisões de ações geralmente ocorrem quando as empresas buscam reduzir o preço de suas ações, o que leva a um aumento da liquidez devida ao maior número de ações em circulação.

Pelo contrário, uma divisão inversa de ações ocorre quando uma empresa busca aumenta o preço de suas ações. Este menu foi feito para cumprir os requisitos de cotização, que o menu especifica um preço mínimo de ação.

Como isso afeta a recompensa de ações em circulação no número de ações em circulação?

Uma empresa pode reduzir seu número de ações em circulação por meio da implementação de um programa de recompra de ações, que consiste em recomprar algumas de suas ações emitidas. Este programa pode ser iniciado se a empresa acreditar que suas ações estão infravaloradas.

Ao recomprar suas próprias ações, a empresa pode aumentar o valor de mercado das ações restantes e melhorar em geral os ganhos por ação. A redução de ações em circulação por meio da recompensa de ações sacas neste mercado aberto.

Qual é o papel das ações em circulação na determinação do preço de uma ação?

As ações em circulação de uma empresa desempenham um papel importante na determinação do preço de uma ação através do conceito de oferta e demanda.

É dito que um maior número de ações em circulação significa uma empresa mais estável dada uma maior estabilidade de preços, e que é necessário muito mais ações negociadas para criar um movimento significativo no preço das ações.

Ao contrário disso, ações com um número muito menor de ações em circulação podem ser mais vulneráveis à manipulação de preços, exigindo que você negocie muitas ações para cima ou para baixo para movimentar o preço das ações.

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento