Cobertura com Derivativos: Guia Completo para Proteção Financeira

O Derivativos (ou derivados) são instrumentos financeiros vinculados a outros ativos, como moedas, ações, índices de ações, taxas de juros, taxas de câmbio ou commodities. Esses derivativos são utilizados para proteger uma empresa contra riscos.

Além de ajudar a diversificar as suas carteiras e obter maiores retornos dos seus investimentos, a cobertura com derivados também proporciona proteção contra o risco inerente ao ativo subjacente.

Por exemplo, uma empresa pode estabelecer contratos de futuros e opções para cobertura caso o preço do petróleo bruto subjacente caia. Isto proporciona à empresa um nível predeterminado de proteção contra o risco associado ao preço do petróleo bruto.

Se você estiver interessado em saber como funciona o hedge com derivativos, convidamos você a ler o seguinte artigo.

O que são derivativos financeiros?

Derivados financeiros são contratos ou instrumentos financeiros cujo valor depende do preço de outro ativo subjacente, como uma ação, um índice de ações, uma commodity, uma moeda, entre outros. Esses contratos são utilizados para gerenciar riscos financeiros e também podem ser utilizados para fins especulativos.

Existem diferentes tipos de derivativos financeiros, como contratos futuros, opções, swaps e contratos por diferença (CFD) . Em geral, os derivados financeiros permitem que os investidores ou participantes no mercado assumam posições no preço dos activos subjacentes sem terem de os possuir fisicamente.

Os derivados financeiros são amplamente utilizados nos mercados financeiros para gestão de risco, especulação e investimento. No entanto, é importante notar que os derivados financeiros são instrumentos complexos que podem envolver um elevado nível de risco e não são adequados para todos os investidores.

Se você estiver interessado em saber entender melhors os derivativos, convidamos você a ler o seguinte artigo “O que são os derivativos financeiros?”

O que é um hedge de derivativos?

Uma cobertura de derivados refere-se a uma estratégia utilizada pelos investidores para se protegerem contra o risco de flutuações adversas no preço de um ativo subjacente.

Numa cobertura de derivados, um investidor adquire um instrumento derivado que lhe permite proteger-se contra uma possível diminuição do valor do ativo subjacente.

Por exemplo, se um investidor possuir um grande número de ações de uma empresa, ele poderá adquirir opções de venda para se proteger contra uma possível queda no preço das ações. Se o preço das ações cair, o valor das opções de venda compensará a perda no valor das ações.

A cobertura com derivados é habitualmente utilizada por investidores, empresas e fundos de investimento para reduzir o risco de perdas devido à volatilidade do mercado ou a alterações nas condições económicas. No entanto, é uma estratégia complexa e arriscada que requer um conhecimento profundo dos instrumentos derivados e da sua utilização técnica.

Como funciona o hedge de derivativos?

O hedge com derivativos, também conhecido como cobertura financeira ou hedge em inglês, são instrumentos financeiros utilizados para reduzir o risco de perda de um investimento.

Por exemplo, se um investidor possuir ações de uma empresa, ele poderá usar opções para comprar ou vender essas ações a um determinado preço em uma data específica. Caso o preço das ações caia, o investidor tem a opção de vendê-las por um preço mais alto e assim evitar prejuízos.

Por outro lado, se o preço das ações subir, o investidor poderá comprá-las por um preço mais baixo e se beneficiar da alta. Desta forma, o investidor fica protegido contra as oscilações do mercado.

A operação de hedge com derivativos depende do tipo de instrumento utilizado. Por exemplo, no caso das opções, o investidor paga um prémio pelo direito de comprar ou vender um ativo subjacente a um determinado preço.

Se o preço do activo subjacente não se mover o suficiente para tornar a opção lucrativa, o investidor perde o prémio, mas não perde dinheiro no investimento subjacente.

No caso do Futuros , o investidor concorda em comprar ou vender um ativo subjacente em uma data futura a um determinado preço. Se o preço do ativo subjacente subir ou descer, o investidor ainda tem a obrigação de comprar ou vender ao preço acordado no contrato.

Se o preço do ativo subjacente se mover contra eles, o investidor perde dinheiro no investimento subjacente, mas ganha dinheiro no contrato futuro. Se o preço do ativo subjacente se mover a seu favor, o investidor ganha dinheiro com o investimento subjacente, mas perde dinheiro com o contrato futuro.

Quais são os requisitos para utilizar derivativos financeiros para hedge no Brasil?

No Brasil, a utilização de derivativos financeiros para hedge (proteção contra riscos financeiros) é regulamentada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e pelo Banco Central do Brasil (BACEN). As regras e requisitos podem variar dependendo do tipo de entidade (por exemplo, instituições financeiras versus empresas não financeiras) e do tipo de derivativo sendo utilizado. Abaixo estão alguns dos requisitos e considerações gerais para utilizar derivativos financeiros para hedge no Brasil:

  1. Política de Gestão de Riscos:
    • As empresas devem ter uma política de gestão de riscos claramente definida, que inclua a estratégia para o uso de derivativos para hedge.
  2. Documentação Adequada:
    • É necessário manter documentação adequada que detalhe a relação de hedge, o instrumento de hedge, o item hedged, a natureza do risco sendo hedged, e como a efetividade do hedge será avaliada.
  3. Avaliação da Efetividade:
    • As empresas devem avaliar regularmente a efetividade dos derivativos como hedges, garantindo que eles continuem a ser eficazes na mitigação dos riscos identificados.
  4. Registro e Contabilização:
    • As operações com derivativos devem ser registradas e contabilizadas de acordo com as normas contábeis brasileiras (CPC 38, CPC 39 e CPC 40) e as normas internacionais de contabilidade (IFRS 9).
  5. Conformidade Regulatória:
    • As empresas devem estar em conformidade com as regulamentações da CVM e do BACEN, bem como com outras leis e regulamentos aplicáveis.
  6. Educação e Competência:
    • As empresas devem garantir que os funcionários envolvidos na gestão de derivativos e hedges tenham a educação e competência necessárias.
  7. Transparência e Divulgação:
    • As empresas devem divulgar adequadamente suas atividades de hedge e os riscos associados em suas demonstrações financeiras e outros relatórios regulatórios.
  8. Acesso a Mercados:
    • As empresas devem ter acesso aos mercados financeiros onde os derivativos são negociados, seja diretamente ou através de intermediários financeiros.
  9. Aprovação Interna:
    • As operações com derivativos para hedge geralmente requerem aprovação de alta gerência ou do conselho de administração.

Estes são apenas requisitos e considerações gerais, e as empresas devem consultar assessores legais e financeiros para entender completamente as regras e regulamentações aplicáveis ao uso de derivativos para hedge no Brasil.

Como os derivativos são usados para cobrir riscos?

Os derivados podem ser utilizados para cobrir os riscos associados à flutuação de preços. Os contratos de futuros, por exemplo, permitem que um comprador e um vendedor cheguem a acordo sobre o preço de um ativo num determinado momento no futuro, independentemente do que o mercado faça com o valor nominal.

Esta ferramenta permite às empresas minimizar a incerteza associada à volatilidade do mercado. Por exemplo, um agricultor pode adquirir um contrato de futuros para se proteger contra a variabilidade nos preços dos cereais que colhe.

Em outro exemplo, uma empresa pode adquirir uma opção de moeda estrangeira para fixar o preço de compra de um bem em moeda estrangeira.

Os derivativos também são usados para especular sobre movimentos futuros do mercado. Por exemplo, os investidores podem adquirir opções financeiras sobre o preço futuro de ações ou outros instrumentos financeiros.

Outro exemplo de sua aplicação é a utilização de swaps. O Os swaps permitem que duas partes troquem fluxos de pagamento com base no valor subjacente (por exemplo, taxa de juros ou preço de mercado). Esta ferramenta também ajuda a gerir riscos, especialmente para empresas com compromissos financeiros significativos de longo prazo.

Quem pode utilizar derivativos financeiros para hedge?

Os derivativos financeiros são comumente usados para cobertura de riscos financeiros e são usados por uma ampla variedade de participantes do mercado financeiro, incluindo:

· Empresas : As empresas podem utilizar derivados financeiros para se protegerem contra riscos cambiais, riscos de taxas de juro, riscos de preços de mercadorias e outros riscos financeiros relacionados com as suas operações comerciais.

· Instituições financeiras : Bancos, companhias de seguros, fundos de investimento e outros tipos de instituições financeiras utilizam derivados financeiros para cobrir riscos nas suas carteiras de investimento, tais como risco de taxa de juro, risco de crédito e outros riscos de mercado.

· Investidores individuais: Os investidores individuais podem utilizar derivados financeiros para se protegerem contra riscos de mercado, tais como riscos de preços de ações e riscos de taxas de juro.

· Especuladores: Os especuladores também podem utilizar derivados financeiros para obter lucros através da especulação sobre os movimentos futuros dos preços dos activos subjacentes.

Em geral, qualquer pessoa ou entidade que esteja exposta a riscos financeiros pode utilizar derivados financeiros para cobrir ou mitigar esses riscos.

Como é liquidado um hedge de derivativos?

A compensação de uma cobertura de derivados refere-se ao processo de encerramento de uma posição num instrumento financeiro derivado que foi utilizado para proteger contra o risco de movimentos adversos no preço de um ativo subjacente. A liquidação pode ser efetuada de diversas formas, dependendo do tipo de derivado utilizado e da estratégia de cobertura utilizada.

Abaixo estão algumas das maneiras mais comuns de liquidar um hedge de derivativos:

  • Vencimento do contrato : Se for utilizado um contrato futuro ou de opções, a forma mais comum de liquidar o hedge é aguardar que o contrato atinja sua data de vencimento. Neste momento, a posição no derivativo será automaticamente fechada e liquidada com base no preço de mercado daquele momento.
  • Exercício de opções : Caso seja utilizada uma opção, a opção poderá ser exercida para fechar a posição no derivativo. Neste caso, o titular da opção tem o direito, mas não a obrigação, de comprar ou vender o ativo subjacente ao preço de exercício especificado na opção.
  • Venda da posição : Caso seja utilizado um derivativo negociado em mercado secundário, como um contrato futuro ou uma opção, a posição pode ser vendida no mercado para fechar o hedge. Neste caso, a posição será encerrada ao preço atual de mercado.
  • Cancelamento do contrato : Se for utilizado um contrato de swap, a cobertura pode ser cancelada através da celebração de um contrato de swap reverso com as mesmas condições, mas com data de término diferente. Neste caso, a posição líquida no swap é cancelada e as diferenças de preço são liquidadas.

É importante notar que a forma como uma cobertura de derivados é liquidada dependerá da estratégia de cobertura utilizada, da natureza do instrumento derivado e das condições de mercado nesse momento.

Quais são os tipos de cobertura de derivativos?

Os tipos de hedge com derivativos são:

1. Hedge de juros : Este hedge é baseado em um instrumento derivativo, como uma opção, para proteger a rentabilidade de um ativo contra o risco de alterações nas taxas de juros.

2. Cobertura com futuros : Esta cobertura é utilizada para proteger a rentabilidade de um ativo contra movimentos de mercado. Os contratos futuros são utilizados para definir os preços antecipadamente, garantindo que o investidor não seja surpreendido por movimentos bruscos do mercado.

3. Cobertura com opções : Esta cobertura é utilizada para proteger os riscos associados a diminuições ou aumentos significativos no valor de um ativo. As opções permitem que os investidores comprem ou vendam ações a preços predeterminados sem arriscar todo o seu capital.

4. Cobertura com swaps: Esta cobertura é utilizada para permitir a transferência entre duas partes (geralmente bancos) de fluxos de caixa baseados em taxas pré-fixadas e variáveis, índices e outros instrumentos financeiros subjacentes que apresentariam flutuações imprevisíveis de preços se negociados diretamente em o mercado aberto. Os swaps permitem que ambas as partes partilhem o risco associado a uma alteração nos preços subjacentes sem terem de vender ou adquirir o activo efectivamente exposto ao risco.

Quais são os tipos mais comuns de derivativos financeiros usados para hedge no Brasil?

No Brasil, os tipos mais comuns de derivativos utilizados para hedge incluem:

  1. Contratos Futuros:
    • São acordos padronizados para comprar ou vender um ativo subjacente em uma data futura a um preço acordado hoje. Eles são utilizados para hedging contra flutuações de preços em commodities, taxas de juros, moedas, entre outros.
  2. Opções:
    • São contratos que dão ao titular o direito, mas não a obrigação, de comprar ou vender um ativo subjacente a um preço específico até ou em uma data específica. As opções podem ser utilizadas para proteger contra movimentos adversos de preços nos ativos subjacentes.
  3. Swaps:
    • São contratos através dos quais duas partes trocam fluxos de caixa ou outros instrumentos financeiros durante um período de tempo especificado. Os swaps podem ser utilizados para hedging contra riscos de taxa de juros, riscos de moeda, entre outros.
  4. Contratos a Termo (Forwards):
    • São contratos personalizados entre duas partes para comprar ou vender um ativo a um preço específico em uma data futura. Eles são semelhantes aos contratos futuros, mas não são padronizados ou negociados em bolsa.
  5. Swaps de Taxa de Juros (Interest Rate Swaps):
    • Uma forma de swap onde duas partes trocam pagamentos de juros, um a uma taxa fixa e o outro a uma taxa variável, sobre um montante de principal nominal.
  6. Swaps de Moeda (Currency Swaps):
    • Uma forma de swap onde duas partes trocam principal e/ou pagamentos de juros em diferentes moedas.
  7. Swaps de Commodities:
    • São utilizados para hedging contra flutuações nos preços das commodities, onde as partes trocam pagamentos relacionados a preços de commodities.
  8. Opções Exóticas:
    • São variações de contratos de opções padrão com características adicionais ou únicas. Eles podem ser estruturados para atender necessidades específicas de hedging.
  9. Caps, Floors e Collars:
    • São tipos de contratos de opções utilizados para hedge contra flutuações nas taxas de juros.

Estes derivativos podem ser negociados em bolsas regulamentadas ou de forma privada entre as partes (mercado de balcão). A escolha do derivativo adequado para hedging dependerá da natureza do risco que a empresa ou o investidor está tentando mitigar, bem como de outros fatores como o perfil de risco, o horizonte de tempo, e as condições de mercado.

Como é determinado o valor e a duração de um hedge de derivativos?

O valor e a duração de uma cobertura com derivados dependerão do tipo de risco coberto e dos objetivos da empresa ou investidor.

Para determinar o valor da cobertura deverá ser considerado o valor nominal ou montante do ativo ou passivo que se pretende cobrir. Por exemplo, se uma empresa tiver dívida em dólares, ela pode adquirir um contrato futuro de dólar pelo mesmo valor da dívida para se proteger contra o risco de uma valorização do peso mexicano.

Para determinar a duração da cobertura deve ser considerado o horizonte temporal do risco. Por exemplo, se uma empresa espera receber pagamentos em dólares dentro de 3 meses, ela pode comprar um contrato futuro de dólar com vencimento em 3 meses para se proteger contra o risco cambial durante esse período.

É importante ter em mente que nem sempre a duração da cobertura tem que coincidir exatamente com o horizonte temporal do risco. Dependendo da situação, poderá ser necessário prolongar a duração da cobertura para evitar o risco de renovação da cobertura em períodos de elevada volatilidade do mercado.

De qualquer forma, é importante considerar que a utilização de derivativos para cobertura de riscos financeiros é uma estratégia que pode ser muito eficaz, mas também envolve riscos e custos.

O que é margem e por que ela é importante em um hedge de derivativos?

A margem é uma quantia de dinheiro que deve ser depositada como garantia ao operar com derivativos financeiros. A margem é utilizada para cobrir perdas potenciais que possam surgir numa negociação de derivados, uma vez que os preços dos activos subjacentes podem flutuar de forma imprevisível.

Este é estabelecido com base no valor nominal do contrato de derivados e no nível de risco associado ao ativo subjacente. Normalmente, os corretores de derivativos estabelecem uma margem mínima para garantir que o comprador e o vendedor do contrato tenham capital suficiente para cobrir perdas potenciais.

A margem é importante numa cobertura de derivados porque permite que investidores e empresas limitem a sua exposição ao risco sem terem de investir grandes somas de dinheiro. Além disso, a margem permite que investidores e empresas aproveitem a alavancagem financeira para obter retornos mais elevados.

É importante notar que a margem também pode aumentar o risco de perda se o preço do activo subjacente se mover contra a posição do investidor ou da empresa. Portanto, é importante gerir a margem de forma adequada e monitorizar de perto a posição para garantir que a cobertura cumpre o seu objetivo de proteção de risco.

Como os lucros e perdas são calculados em um hedge de derivativos?

O cálculo dos lucros e perdas numa cobertura de derivados depende do tipo de derivado utilizado e da estratégia de cobertura implementada. Apresentamos aqui alguns exemplos:

  • Contratos Futuros : Para calcular lucros e perdas em um contrato futuro, o preço do contrato no horário de abertura é comparado ao preço do contrato no horário de fechamento. Se o preço subiu, terá sido gerado lucro e se tiver caído, terá sido gerado prejuízo. O lucro ou prejuízo é calculado multiplicando a variação do preço pelo tamanho do contrato.
  • Opções: O cálculo de lucros e perdas numa estratégia de cobertura com opções é mais complexo do que em contratos futuros. Geralmente, o cálculo é baseado na diferença entre o preço do ativo subjacente e o preço de exercício da opção no momento do vencimento. Se o preço do ativo subjacente tiver subido acima do preço de exercício, o investidor poderá exercer a opção e obter lucro. Caso o preço tenha caído abaixo do preço de exercício, o investidor poderá optar por não exercer a opção e sua perda será limitada ao preço pago pela opção.
  • Swaps: O cálculo dos lucros e perdas numa estratégia de cobertura de swap baseia-se no diferencial entre as taxas de juro ou taxas de câmbio acordadas no contrato de swap e as taxas de juro ou taxas de câmbio em vigor no mercado no momento do fecho do contrato. O lucro ou prejuízo é calculado multiplicando a variação do spread pelo tamanho do contrato.

Como é calculado o custo da cobertura com derivados financeiros?

O custo da cobertura com derivados financeiros é composto por vários elementos que podem variar dependendo do tipo de derivado utilizado e das condições de mercado. Alguns dos elementos que podem influenciar o custo da cobertura são os seguintes:

  • Custo do contrato de derivativos : O custo do contrato de derivativos depende do tipo de derivativo utilizado e do tamanho do contrato. Por exemplo, no caso de contratos futuros, o custo é determinado com base no preço do contrato no mercado no momento da abertura da posição. No caso das opções, o custo é composto pelo preço da opção (prêmio), que é determinado com base no preço do ativo-objeto, no preço de exercício e outros fatores.
  • Margem: Como mencionamos anteriormente, a margem é uma quantia de dinheiro que deve ser depositada como garantia quando se opera com derivativos financeiros. A margem é usada para cobrir perdas potenciais que possam surgir em uma transação de derivativos. O custo da margem pode variar dependendo da corretora e do tipo de derivativo utilizado.
  • Custo de financiamento : Em alguns casos, pode ser necessário financiar a posição de cobertura com derivados. O custo do financiamento depende das taxas de juros vigentes no mercado e das condições de crédito do investidor.
  • Comissões e despesas : Como em qualquer outra transação financeira, podem ser aplicadas comissões e outras despesas associadas à cobertura com derivados. Essas taxas podem variar dependendo da corretora e do tipo de derivativo utilizado.

Em geral, o custo da cobertura com derivados financeiros depende de múltiplos factores e pode ser complexo de calcular. É importante ter em conta todos os custos associados à operação e avaliar se o custo da cobertura justifica a proteção contra o risco que se pretende obter.

O que é um contrato futuro e como ele é usado para hedge?

Um contrato futuro é um acordo entre duas partes para comprar ou vender um ativo subjacente em uma data futura específica, a um preço pré-acordado. Os activos subjacentes podem ser mercadorias (como petróleo ou ouro), acções, índices de acções, moedas e outros instrumentos financeiros.

Os contratos futuros são comumente utilizados para cobertura de risco, o que significa que são utilizados para reduzir o risco de perda devido a alterações nos preços do ativo subjacente. Por exemplo, um agricultor que receia que os preços do seu produto diminuam no futuro pode vender um contrato de futuros para definir um preço para o seu produto. Se os preços caírem, a perda que você sofre na venda física da sua produção é compensada pelos lucros do contrato futuro.

Globalmente, os contratos de futuros são uma ferramenta útil para gerir o risco de preço dos activos subjacentes, uma vez que permitem às partes fixar um preço antes que ocorram alterações indesejadas. Isto ajuda a proporcionar alguma estabilidade e previsibilidade aos mercados, especialmente para produtores e consumidores que necessitam de proteção contra flutuações de preços.

O que é uma opção e como ela é usada para cobertura?

Uma opção é um contrato financeiro que dá ao comprador o direito, mas não a obrigação, de comprar ou vender um ativo subjacente a um preço especificado em ou antes de uma data especificada. A opção tem um custo, denominado prêmio, que o comprador paga ao vendedor para obter esse direito.

Um exemplo de como uma opção é usada para cobertura seria o seguinte:

Suponha que uma empresa americana espera receber 1 milhão de euros em três meses pela venda dos seus produtos na Europa. A taxa de câmbio atual é de 1,15 dólares por euro. A empresa está preocupada com o risco de a taxa de câmbio cair e reduzir o valor das suas receitas em dólares americanos. A empresa decide comprar uma opção de venda sobre euros por um preço de exercício de US$ 1,10 por euro e um custo de prêmio de US$ 15.000.

Após três meses, a taxa de câmbio desce para 1,05 dólares por euro, o que teria reduzido o valor dos rendimentos da empresa em 8,7%. No entanto, a empresa exerce a sua opção de venda e vende 1 milhão de euros ao preço acordado de 1,10 dólares por euro, dando-lhes 1.100.000 dólares. Depois de subtrair o custo do prêmio de US$ 15.000, a empresa recebe US$ 1.085.000 de receita, que é praticamente o mesmo valor que teria recebido se a taxa de câmbio não tivesse diminuído.

Em suma, a empresa utilizou uma opção de venda para limitar o seu risco cambial e proteger os seus ganhos futuros em moeda estrangeira. Isto permitiu-lhe ter maior segurança nos seus fluxos de caixa e reduzir a sua exposição aos riscos de mercado.

Qual é a diferença entre uma cobertura especulativa e uma cobertura de risco?

A diferença entre uma cobertura especulativa e uma cobertura de risco é a finalidade para a qual são utilizadas.

A cobertura de risco, também conhecida como cobertura financeira, é utilizada para proteger contra riscos financeiros conhecidos e específicos. Por outro lado, a cobertura especulativa é utilizada para obter lucros a partir de flutuações nos preços dos activos financeiros, sem ter uma exposição subjacente aos riscos que estão a ser cobertos.

Em vez de reduzir o risco, o objetivo é aproveitar as oportunidades de lucro nos movimentos do mercado. Por exemplo, um investidor pode comprar contratos de futuros ou de opções para lucrar com as flutuações de preços, sem ter qualquer exposição subjacente aos activos subjacentes.

Qual é o papel do subjacente em um hedge de derivativos?

O subjacente em um hedge de derivativo é o ativo financeiro ou físico subjacente ao contrato de derivativo. O valor do derivado está ligado ao valor do subjacente, o que significa que qualquer alteração no valor do subjacente terá um efeito direto no valor do derivado.

Numa cobertura de derivados, o subjacente é utilizado como forma de reduzir o risco de movimentos de preços no ativo subjacente.

A escolha do activo subjacente certo e a monitorização da sua evolução são essenciais para uma cobertura eficaz com derivados e para reduzir o risco de movimentos de preços no activo subjacente.

Quais são os riscos associados ao uso de hedge de derivativos?

Embora a cobertura com derivados possa ser uma forma eficaz de reduzir o risco nos mercados financeiros, também acarreta certos riscos. Alguns dos riscos associados ao uso de hedge de derivativos são:

  • Risco de contraparte : Este risco refere-se à possibilidade de a parte do outro lado do contrato não cumprir as suas obrigações. Portanto, é importante garantir que a contraparte seja confiável e credível antes de celebrar um contrato de derivativos.
  • Risco de liquidez: Este risco refere-se à possibilidade de não haver liquidez suficiente no mercado para permitir a liquidação do contrato. Se a liquidez for limitada, o preço do derivativo poderá ser afetado e isso poderá gerar perdas para o investidor.
  • Risco de mercado: Este risco refere-se à possibilidade de o preço do subjacente não evoluir conforme o esperado, o que poderá gerar perdas para o investidor.
  • Risco operacional: Este risco refere-se à possibilidade de ocorrência de erros ou falhas nos processos operacionais relacionados a derivativos.
  • Risco jurídico: Este risco refere-se à possibilidade de haver problemas jurídicos com o contrato de derivativos, como o descumprimento das normas e regulamentos aplicáveis.

A utilização de cobertura com derivados pode ser uma ferramenta eficaz para reduzir o risco nos mercados financeiros, mas também acarreta certos riscos que devem ser cuidadosamente avaliados antes de se tomar uma decisão de investimento.

Artigos Relacionados

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento