Você sabe o que é uma curva de rendimento plana?

Uma curva de rendimento é uma representação gráfica dos rendimentos de títulos com diferentes vencimentos.

Este gráfico mostra-nos a relação entre o rendimento e o prazo de vencimento dos títulos de dívida emitidos por um governo ou uma empresa.

Uma curva de rendimento plana ocorre quando há pouca diferença entre os rendimentos dos títulos de curto e longo prazo. Dito de outra forma, as taxas de juro das obrigações com diferentes maturidades são relativamente semelhantes. Isso resulta em uma curva de rendimento que parece quase horizontal ou plana.

No entanto, é importante notar que a análise da curva de rendimentos é mais matizada do que apenas uma curva plana ou inclinada, pelo que diferentes partes da curva podem achatar-se ou inclinar-se por várias razões, tais como as condições macroeconómicas dos países, as decisões de política monetária dos países. os bancos centrais, as políticas económicas dos governos, o sentimento dos mercados, entre outros factores que podem influenciar a forma da curva de rendimentos.

curva de rendimentos

Definição de curva de rendimento plana

A curva de rendimento plana refere-se a um cenário em que a diferença entre as taxas de títulos de curto e longo prazo de igual qualidade de crédito é mínima. Este achatamento da curva de rendimentos ocorre frequentemente durante mudanças entre as curvas normal e invertida. A diferença entre uma curva de rendimento normal e uma curva de rendimento plana é que a curva de rendimento normal se inclina para cima.

Características da curva de rendimento plana

Quando os rendimentos são comparáveis entre obrigações de curto e longo prazo, existe normalmente um incentivo limitado para manter a opção de longo prazo. Pode observar-se uma falta de compensação extra para os riscos associados ao período de detenção alargado.

Uma curva de rendimento achatada reflete um estreitamento na diferença de rendimento entre títulos de longo e curto prazo.

Por exemplo, consideremos um cenário em que os títulos do Tesouro dos EUA com uma curva de rendimento plana poderiam produzir um rendimento de 5% ao longo de dois anos e um rendimento ligeiramente superior de 5,1% ao longo de um prazo de dois anos.

Simplificando, uma curva de rendimentos achatada ocorre quando há pouca ou nenhuma alteração perceptível entre as taxas das obrigações de curto e longo prazo, reduzindo a atratividade das obrigações de longo prazo entre os investidores.

Este tipo de curva pode ser considerada um indicador psicológico, o que pode sugerir que os investidores estão a tornar-se menos optimistas quanto às perspectivas de crescimento do mercado a longo prazo.

Interpretação da curva de rendimento plana

Uma curva de rendimento plana é frequentemente considerada um indicador de incerteza econômica ou de potenciais alterações no ambiente económico.

Pode sugerir que os investidores estão preocupados com a direção futura das taxas de juro e das condições econômicas.

Em alguns casos, uma curva de rendimentos horizontal pode ser o precursor de um abrandamento econômico ou de uma recessão. Num ambiente de recessão, serão subscritos menos empréstimos, uma vez que haverá menos actividade global no mercado.

Uma curva de rendimentos achatada pode resultar de uma maior descida das taxas de juro de longo prazo relativamente às taxas de curto prazo, ou de uma subida mais rápida das taxas de curto prazo relativamente às taxas de longo prazo. Esta curva achatada geralmente indica preocupações entre investidores e comerciantes sobre as perspectivas económicas globais.

Fatores que afetam a curva de rendimento

As curvas de rendimento são influenciadas por uma variedade de variáveis. A taxa de juros de um título com qualquer vencimento é um agregado de muitos elementos, incluindo a taxa livre de risco, a inflação prevista, o risco potencial de inadimplência, a duração até o vencimento e considerações de liquidez.

As taxas de juros como um todo têm a capacidade de influenciar a curva de rendimentos, moldando as expectativas de taxas em vários vencimentos de títulos. Estas taxas de juro respondem às flutuações da inflação e da expansão económica, o que afecta a análise da dinâmica da curva de rendimentos.

Um factor que contribui para o achatamento da curva de rendimentos é a expectativa por parte dos participantes no mercado de possíveis reduções na inflação ou decisões da Reserva Federal de aumentar a taxa dos fundos federais no curto prazo.

Política monetária e taxas de juros

Uma curva de rendimentos plana não implica apenas uma recessão potencial; Também pode transmitir percepções mais amplas. A dinâmica do mercado tende a ser eficiente; No entanto, a Reserva Federal tem a capacidade de impactar o mercado através de intervenções estratégicas de política monetária quando considerar necessário. Ao alterar a taxa de juro overnight, a Reserva Federal pode provocar ajustamentos nas taxas de juro oferecidas ao público pelas instituições financeiras e de crédito.

Por exemplo, se a Reserva Federal implementasse aumentos na sua taxa alvo de curto prazo durante um período definido, as taxas de juro de longo prazo poderiam permanecer estáveis ou registar um aumento; inversamente, as taxas de juro de curto prazo aumentariam. Como resultado, a inclinação da curva de rendimentos seria achatada, impulsionada pelo maior aumento das taxas de curto prazo em comparação com as taxas de longo prazo.

O aumento artificial das taxas de curto prazo por parte da Reserva Federal pode influenciar a curva de rendimentos, resultando muitas vezes no seu achatamento. Embora uma curva de rendimentos achatada possa servir como um sinal de alerta aos investidores sobre potenciais condições recessivas, também pode dever-se às políticas da Reserva Federal. Assim, ao examinar uma curva de rendimentos, os investidores devem ter cautela e considerá-la como um dos vários indicadores das condições prevalecentes no mercado.

Expectativas econômicas e perspectivas de mercado

Uma curva de rendimentos plana também pode servir como um indicador para as instituições de crédito de que uma fase de expectativas de inflação mais baixa poderá estar no horizonte.

As instituições de crédito e os investidores procuram frequentemente rendimentos mais elevados em investimentos de longo prazo para compensar o impacto da inflação nos seus investimentos.

Contudo, no contexto de uma curva de rendimentos achatada e de projecções de inflação baixa, os investidores estão a ficar menos preocupados com os efeitos da inflação e começam a concentrar-se no custo de oportunidade dos investimentos a longo prazo.

Em essência, quando existe uma curva de rendimento plana, os investidores obtêm o mesmo retorno em investimentos de curto e longo prazo.

Esta situação pode ter vários impactos no mercado, incluindo uma redução nos investimentos de longo prazo devido à falta de vantagem líquida sobre os investimentos de curto prazo.

Num tal mercado, muitos investidores tendem a gravitar em torno de obrigações de curto prazo em vez de obrigações de longo prazo, uma vez que as primeiras não acarretam nenhum dos riscos associados ao facto de estarem vinculados a uma obrigação de longo prazo que oferece o mesmo potencial de lucros. e vantagens.

Riscos e eventos macroeconômicos

Ao longo da história, tem havido uma correlação notável entre curvas de rendimento invertidas ou planas e recessões.

Uma curva de rendimentos mais achatada sugere que as entidades em posição de emprestar dinheiro temem que as oportunidades futuras de rendimentos com juros elevados possam diminuir.

Em resposta, optam por emprestar os seus fundos rapidamente para garantir taxas mais elevadas por um período prolongado.

Menos pessoas a pedir dinheiro emprestado significa menos actividade económica; Ou seja, menos dívida significa menos procura.

É por esta razão que muitos analistas consideram o achatamento das curvas de rendimento como um indicador de recessões futuras.

Além disso, outros factores macroeconómicos também podem contribuir para moldar tal cenário. Entre estes factores estão as taxas de curto prazo, que são influenciadas pela Reserva Federal, enquanto as taxas de longo prazo, que são impactadas pela dinâmica do mercado.

Um aumento nas taxas de curto prazo aumenta o custo dos empréstimos para os consumidores, levando a despesas de empréstimos mais elevadas. Além disso, os bancos aumentam frequentemente as suas taxas de referência para diferentes tipos de empréstimos, tanto ao consumo como às empresas, incluindo cartões de crédito e empréstimos a pequenas empresas. Além disso, o impacto estende-se às taxas hipotecárias, que também registam uma recuperação.

Implicações da curva de rendimento plana

Uma curva de rendimentos serve como uma ferramenta valiosa para melhorar a compreensão dos mercados obrigacionistas, da dinâmica das taxas de juro e das perspectivas económicas mais amplas de um país. Através de uma curva de rendimentos é possível avaliar de forma eficiente e comparar visualmente os retornos oferecidos pelos títulos de curto e longo prazo, com foco principalmente nos títulos do Tesouro dos EUA que são a referência para a economia em geral. Quando os investidores compram títulos, eles efetivamente concedem empréstimos ao governo. Em troca, o Tesouro garante que os investidores receberão de volta o seu investimento principal no vencimento, mais uma taxa de juros predeterminada (chamada cupom) sobre o empréstimo.

Indicador de uma possível desaceleração económica

Uma curva de rendimento plana surge quando os rendimentos nos vencimentos de curto e longo prazo parecem praticamente iguais.

Nas curvas de rendimento planas, aparece frequentemente um segmento elevado distinto onde os vencimentos de médio prazo apresentam rendimentos mais elevados em comparação com os vencimentos de curto e longo prazo.

Essa configuração resulta em uma curva de desempenho que mostra uma protuberância perceptível, comumente chamada de “curva de rendimento curvada”.

Quando uma curva de rendimentos se achata, significa que a perspectiva optimista para o futuro da economia está a deteriorar-se. Uma curva de rendimento plana ou curvada pode indicar que a curva poderá eventualmente ser invertida. No entanto, vale a pena notar que as curvas de rendimento invertidas, que geralmente sugerem uma recessão ou um mercado em baixa, não se manifestam necessariamente sempre que uma curva de rendimento se achata.

Impacto nas estratégias de investimento e empréstimo

As curvas de rendimento de títulos fornecem visualizações fáceis de entender do estado dos mercados de títulos em um momento específico. Essas curvas geralmente ilustram os rendimentos médios de títulos com vencimentos curtos, médios e longos com base em dados de um determinado dia ou semana.

Os investidores podem utilizar uma curva de rendimento para avaliar se o rendimento de uma obrigação de longo prazo compensa adequadamente o risco mais elevado que lhe está associado em comparação com as suas contrapartes de curto prazo. Uma diferença de rendimento e uma curva mais acentuada geralmente melhoram o apetite do investidor para assumir esse risco. Por outro lado, à medida que a curva se achata relativamente às obrigações de curto prazo, os investidores deparam-se com rendimentos reduzidos e tornam-se menos dispostos a investir em obrigações de longo prazo.

À medida que a curva de rendimento se achata, as diferenças de rendimento entre os títulos de curto e longo prazo contraem-se. Este fenómeno de estreitamento dos spreads de rendimento pode funcionar como um sinal de alerta precoce para potenciais investimentos de longo prazo, uma vez que indica uma crescente instabilidade do mercado.

Estratégia de barras para achatar a curva de rendimentos. Esta estratégia pode beneficiar os investidores num ambiente de achatamento da curva de rendimentos ou se a Reserva Federal pretender aumentar a taxa dos fundos federais. No entanto, a estratégia de barras pode ter um desempenho inferior quando a curva de rendimento se inclina.

A estratégia barbell é uma estratégia de investimento que pode ser usada em negociações e investimentos de renda fixa. Numa estratégia de barras, metade de uma carteira é composta por títulos de longo prazo, enquanto o restante é composto por títulos de curto prazo.

Por exemplo, suponha que a margem de rendimento seja de 8% e um investidor acredite que a curva de rendimento se achatará.

O investidor poderia alocar metade da carteira de renda fixa em títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos e a outra metade em notas do Tesouro dos EUA de dois anos.

Portanto, o investidor tem flexibilidade e pode reagir às mudanças nos mercados obrigacionistas. No entanto, a carteira poderá sofrer um declínio significativo se houver uma subida meteórica nas taxas de longo prazo, o que se deve à duração das obrigações de longo prazo.

Relação com outros indicadores econômicos

A curva de rendimentos plana está estreitamente interligada com vários indicadores económicos e pode fornecer informações sobre o quadro económico geral. Aqui estão algumas relações entre a curva de rendimento plana e outros indicadores económicos:

  • 1. Indicadores de recessão – Uma curva de rendimento plana é frequentemente considerada um potencial precursor de um abrandamento económico ou de uma recessão. Quando os retornos de curto e longo prazo convergem, isso pode reflectir preocupações sobre o crescimento económico futuro.
  • 2. Expectativas de inflação: a forma da curva de rendimentos pode fornecer informações sobre as expectativas de inflação do mercado. Se a curva de rendimentos se achatar enquanto se espera que a inflação diminua, isso poderá sugerir que os investidores antecipam uma actividade económica moderada, o que poderá resultar numa redução das pressões inflacionistas.
  • 3. Política Monetária – Os bancos centrais, como a Reserva Federal, influenciam as taxas de juro de curto prazo através das suas decisões de política monetária. Uma curva de rendimentos plana pode indicar que o banco central está a aumentar as taxas no curto prazo para controlar a inflação.
  • 4. Crescimento económico: Embora uma curva de rendimentos horizontal possa sugerir preocupações sobre o crescimento económico futuro, não é um indicador perfeito. Outros indicadores económicos, como o crescimento do PIB, os dados sobre o emprego e os gastos dos consumidores, proporcionam um contexto mais amplo para avaliar a saúde económica.
  • 5. Fatores Globais – As condições económicas noutros países, a dinâmica empresarial e as tendências do mercado global podem influenciar as curvas de rendimento. Uma curva de rendimento plana pode ser influenciada por factores internacionais que afectam as taxas de juro globais e o comportamento dos investidores.

Em suma, a curva de rendimentos plana serve como um sinal valioso no contexto mais amplo dos indicadores económicos. Embora possa sugerir possíveis mudanças económicas, é importante considerá-lo juntamente com outros indicadores para formar uma compreensão abrangente da trajetória da economia.

Artigos Relacionados

O que é Renda fixa?
Renda fixa é um conceito que se refere a um tipo de produto ou ativo financeiro. Quando compramos um ativo de renda fixa, geralmente tem um prazo d...