O que é Renda fixa?

Renda fixa é um conceito que se refere a um tipo de produto ou ativo financeiro. Quando compramos um ativo de renda fixa, geralmente tem um prazo determinado e uma rentabilidade conhecida antecipadamente.

 Quando procuramos um veículo de investimento para depositar e rentabilizar nossas economias, como sabemos, temos várias alternativas. Desde a compra de ativos no mercado até a compra de joias ou imóveis, temos vários produtos ou ativos nos quais podemos investir e, com isso, obter um retorno.

Entre esses produtos ou ativos, encontramos a renda fixa.

Nesse sentido, um tipo de instrumento financeiro que permite aos investidores mais conservadores investir seu dinheiro, com baixo risco, e obter um retorno por isso. Na renda fixa, em outras palavras, o emissor garante a devolução do capital investido em um prazo determinado, bem como uma certa rentabilidade que, geralmente, conhecemos antes de adquirir o produto e também é garantida.

Geralmente, falamos de títulos de dívida (dívida fracionada em partes iguais negociadas no mercado) emitidos por empresas ou instituições públicas (governos, …) que tentam se financiar. Sob o nome de “bônus”, esses títulos são adquiridos pelos investidores em troca da devolução garantida do principal via cupons periódicos, bem como um juros previamente estabelecido ou negociado com, ou pelo emissor.

Em resumo, quando falamos de renda fixa, estamos falando de um tipo de produto financeiro no qual podemos investir. Geralmente, produtos ligados à dívida emitida por entidades públicas ou privadas que os investidores adquirem em troca de sua devolução garantida em um prazo estabelecido e com um juros, também garantido, previamente conhecido.

Com tudo isso, vamos ver um pouco mais sobre este importante conceito.

Diferença entre renda fixa e renda variável

Quando falamos em investir nosso dinheiro, assim como falamos em renda fixa, também falamos em sua oposta, que seria a renda variável.

A renda variável engloba outros tipos de veículos de investimento, como poderiam ser as ações ou as opções, entre muitos outros.

A principal diferença entre a renda fixa e a variável é que na renda variável, ao contrário do que acontece na renda fixa, não conhecemos o juro ou o rendimento que o produto que compramos nos dará, nem o prazo em que este começará a dar esses rendimentos.

Por essa razão, também não é garantida a recuperação do capital investido nem a obtenção de rendimentos, como acontece na renda fixa.

Em outras palavras, e como o próprio nome indica, o retorno depende da variabilidade ou volatilidade que o ativo apresenta no mercado, e o rendimento, da mesma forma, é variável e incerto ou indeterminado.

No entanto, além do acima, há outras particularidades que a renda fixa apresenta e que a diferenciam da variável.

Nesse sentido, podemos destacar que, por serem títulos representativos de dívida, o investidor de renda fixa, ao contrário do investidor de renda variável, se incorpora à sociedade como credor e não como proprietário ou acionista da mesma. Por essa razão, e como estabelece a lei de falências, no caso de a sociedade ser liquidada, o credor, ou seja, o investidor de renda fixa, tem prioridade sobre os acionistas, ou seja, sobre o investidor de renda variável.

Com tudo isso, devemos salientar que, em resumo e para entender rapidamente, a renda fixa refere-se, como o próprio nome indica, a um produto financeiro que nos dá uma renda fixa e previamente conhecida. Enquanto no caso da renda variável, e como também indica seu nome, essa rentabilidade é variável e desconhecida pelo investidor.

Por essa razão falamos de investimentos que, conforme o perfil de risco, apresentam um risco muito diferente, entre outras questões que devemos considerar ao investir em um tipo de produto ou outro.

Mercado de renda fixa

O mercado de renda fixa é o mercado onde são negociados valores ou títulos de renda fixa.

Em outras palavras, é um mercado secundário onde são negociados títulos representativos de dívida, emitidos por entidades, como poderia ser uma empresa privada, ou instituições públicas, como poderia ser um Governo.

Neste mercado podemos adquirir, portanto, títulos corporativos ou governamentais, bem como outros tipos de instrumentos de renda fixa, como poderia ser uma letra do tesouro ou uma nota promissória de empresa.

Dito de outra maneira, podemos adquirir aqueles produtos de renda fixa que, como explicamos no início, garantem a devolução do capital investido e, da mesma maneira, o juro previamente conhecido.

Este mercado, como mencionamos anteriormente, é um mercado voltado para investidores mais conservadores, e que não querem assumir o risco que supõe investir em renda variável. Ou seja, um mercado no qual os investidores que depositam seu capital têm garantida a devolução do capital, bem como a obtenção de um rendimento que, previamente à aquisição do ativo, já conheciam.

No Brasil, a Associação de Intermediários de Ativos Financeiros (por suas siglas, AIAF) é o mercado brasileiro onde a renda fixa, pública e privada, é negociada. Esta instituição está integrada em outra, que seria a Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros de São Paulo (por suas siglas, B3), sendo o operador das bolsas e os mercados financeiros no país.

Valores ou instrumentos de renda fixa

Como é óbvio, nos mercados de renda fixa são adquiridos valores ou instrumentos de renda fixa.

Entre os principais instrumentos de renda fixa que encontramos no mercado, podemos encontrar os seguintes:

  • Dívida pública (Letras do tesouro, títulos e obrigações do Estado, entre outros).
  • Renda fixa privada (Notas promissórias de empresa, títulos corporativos, entre outros).

No entanto, vale mencionar que nos mercados financeiros podemos encontrar outros veículos de investimento ligados a este tipo de ativos, como os fundos de investimento de renda fixa. Como estamos falando de um produto derivado, este não é negociado no mercado de renda fixa, embora seja considerado assim.

Fundo de investimento de renda fixa

Como mencionamos, existem outros veículos de investimento de renda fixa que, embora não sejam considerados um instrumento de renda fixa como tal, na prática, se comportam como um ativo de renda fixa.

Este é o caso dos fundos de investimento de renda fixa.

Isso é possível pelo fato de que esses fundos de investimento compram, exclusivamente, ativos de renda fixa. Desta forma, o fundo de investimento compõe sua carteira com instrumentos de renda fixa como os mencionados no ponto anterior.

Como os ativos adquiridos são de renda fixa, o comportamento do fundo é o mesmo que se fosse um ativo de renda fixa, pois sua evolução está ligada à evolução de sua carteira, e sua carteira, como apontamos nestas linhas, é composta apenas por ativos de renda fixa.

Vantagens e desvantagens de investir em renda fixa

Investir em renda fixa, assim como apresenta uma série de vantagens para o investidor, também apresenta uma série de desvantagens que devem ser levadas em conta.

A seguir, são expostas algumas das principais vantagens, bem como desvantagens, que este tipo de investimentos apresenta.

Vantagens de Investir em Renda FixaDesvantagens de Investir em Renda Fixa
Permite obter uma renda fixa e periódica.Risco do emissor: possibilidade da entidade não devolver o dinheiro.
Menos volatilidade e, portanto, menor risco.Risco das mudanças nas taxas de juros, que podem afetar o interesse.
Devolução do capital garantida, assim como a obtenção de rendimentos.Risco de liquidez: dificuldade de colocar o ativo no mercado secundário.
Juro conhecido antecipadamente, facilitando o planejamento.Potencial de ganho mais limitado.
Prioridade sobre investidores de renda variável em caso de liquidação da sociedade.

Exemplo de renda fixa

Para terminar, vejamos um simples exemplo de como funcionaria um ativo de renda fixa para entender completamente este importante conceito.

Nesse sentido, imaginemos que compramos um título corporativo.

As características deste título é que é um título emitido pelo Governo do Brasil com prazo de um ano, que tem um valor nominal de 10.000 dólares e um cupom de 10%.

Neste cenário, pagaríamos 10.000 dólares pelo título no momento da compra, que entregaríamos como empréstimo ao próprio Governo do Brasil.

Após um ano, este nos devolveria o principal, ou seja, os 10.000 dólares, bem como o juro de 10% estabelecido, que seriam 1.000 dólares. Em outras palavras, obteríamos 11.000 dólares após um ano pela compra deste título.

Além disso, ao longo do ano e à medida que a data de vencimento se aproxima, o preço pelo qual podemos vender este título no mercado secundário vai mudando. Desta forma, seu preço vai aumentando à medida que a data de vencimento se aproxima.

Por exemplo, imaginemos que faltam 4 meses para o vencimento.

Neste cenário, o preço do título no mercado poderia ser de 10.600 dólares. Embora, no caso de haver risco de inadimplência, também poderia ser menor.

Artigos Relacionados