Como o risco cambial afeta os ETFs?

Existem muitos riscos inerentes aos ETFs, como o risco de mercado ou o risco de concentração, mas há um que geralmente passa despercebido ou não é totalmente apreciado: o risco cambial ou de taxa de câmbio.

No caso do Brasil, a maior parte dos ETFs (Fundos de Índice) disponíveis nas corretoras estão listados na B3 – Brasil, Bolsa, Balcão. Isso significa que estão domiciliados no país e possuem como moeda base o Real brasileiro (BRL).

Portanto, é essencial entender bem o risco cambial apenas quando se investe em ETFs que replicam índices estrangeiros ou que possuem ativos dolarizados em sua composição, e como isso pode afetar, para melhor ou para pior, o desempenho do ETF listado em BRL e do nosso portfólio.

O que é risco cambial?

É o impacto que pode ter, positivo ou negativo, quando investimos ou compramos/vendemos um ativo que está cotado numa moeda diferente da nossa, mas que queremos comprar/vender na nossa moeda.

Isso acontece inclusive fora da Bolsa, por exemplo, se alguém compra brinquedos nos EUA em dólares e os atravessa até o México para vendê-los em pesos, está incorrendo em risco cambial ou cambial.

Porque? Porque se ele comprou os brinquedos por 100 dólares quando o câmbio era de 25 pesos por cada dólar, então ele gastou 100×25=2.500MXN. Agora vamos supor que durante o período de transferência a taxa de câmbio caiu para 20 pesos por cada dólar. O preço dos brinquedos continuará sendo 100USD, mas convertido em pesos agora é 100×20= 2.000MXN.

A perda de 500MXN é uma forma de encarar o risco cambial. Obviamente, também pode mudar para ficar a nosso favor.

Mas antes de explicar o impacto nos nossos investimentos em ETF, temos de distinguir entre três coisas:

Moeda base

A moeda base refere-se à moeda em que o ETF foi criado e está domiciliado, mas também à moeda em que está originalmente cotado. Por exemplo:

  • O ETF IWD iShares Russell 1000 Value está domiciliado nos EUA e sua moeda base é o dólar americano.
  • O ETF IDVY iShares Euro Dividend UCITS domiciliado na Irlanda e cuja moeda base é o euro EUR.
  • ETF NAFTRAC iShares domiciliado no México e com moeda base MXN.

Moeda de cotação de ativos

Já sabemos que os ETFs têm no seu ventre diversas ações que podem pertencer a um único país com a mesma moeda ou a vários países, cada um com a sua moeda própria e diferente. Por exemplo:

  • O ETF BOVA11 iShares Ibovespa possui ações brasileiras e todas são negociadas em Reais brasileiros (BRL).
  • O ETF IVVB11 iShares S&P 500 FI em Cotas de Fundo de Índice Investimento No Exterior detém ações de empresas dos EUA e todas são negociadas em dólares americanos (USD), mas o ETF é negociado em Reais brasileiros na B3.
  • O ETF SPXI11 It Now S&P 500 TRN Fundo de Índice, similar ao IVVB11, também possui ações de empresas dos EUA cotadas em dólares americanos, sendo uma opção para investidores brasileiros que desejam exposição ao mercado americano, mas com negociação em Reais na B3.
  • O ETF SMAL11 It Now Small Cap Fundo de Índice possui empresas brasileiras de menor capitalização listadas na B3 e negociadas em Reais brasileiros.

No contexto brasileiro, é importante notar que os investidores que desejam diversificar seu portfólio com exposição a ativos estrangeiros podem optar por ETFs que replicam índices internacionais, mas que são negociados em Reais na B3.

Além disso, é crucial entender o risco cambial associado, especialmente ao investir em ETFs que detêm ativos estrangeiros, pois a flutuação na taxa de câmbio entre o Real e a moeda estrangeira pode impactar o desempenho do investimento.

Moeda de cotação do ETF

Como o próprio nome indica, refere-se à moeda em que o ETF é negociado, independentemente da sua moeda base ou da moeda do seu subjacente. Por exemplo:

  • O ETF BOVA11 iShares Ibovespa está listado na B3 em BRL (Reais brasileiros), que é também sua moeda base, e seus ativos subjacentes estão listados em Reais brasileiros, pois são ações de empresas brasileiras.
  • O ETF IVVB11 iShares S&P 500 FI em Cotas de Fundo de Índice Investimento No Exterior está cotado na B3 em BRL, mas em USD (dólares americanos) no seu mercado doméstico (EUA) e os seus ativos subjacentes estão cotados em dólares americanos.
  • O ETF SPXI11 It Now S&P 500 TRN Fundo de Índice, similar ao IVVB11, também está listado na B3 em BRL, mas seus ativos subjacentes estão listados em dólares americanos, pois são ações de empresas dos EUA.
  • O ETF SMAL11 It Now Small Cap Fundo de Índice está listado na B3 em BRL, que também é sua moeda base e também a moeda na qual seus ativos subjacentes são cotados, pois são ações de empresas brasileiras de menor capitalização.

Podemos perceber que a cadeia de risco cambial pode assumir vários elos se cada uma das moedas (base, subjacente e cotação) for diferente e, portanto, o risco seria maior.

Não estou dizendo isso para assustar você e demonizar os ETFs que possuem essa característica. Menciono isto porque é importante compreender o impacto que as moedas terão nos retornos. Assim não ficaremos assustados, nem incomodados, nem coçaremos a cabeça tentando entender porque o meu ETF não está subindo tanto quanto o ETF do seu mercado doméstico e escolheremos aquele que tiver menos complicações.

Poderia até haver exemplos mais complicados, como o ETF Lyxor MSCI Emerging Markets UCITS, cuja moeda base é o EUR, mas (aqui fica um pouco complicado) com ativos subjacentes negociados em moedas diferentes porque as ações no seu ventre pertencem a diferentes países emergentes. Além disso, (e é aqui que fica mais complicado) está a acompanhar um índice (o MSCI Emerging Markets) cuja moeda base é o USD, mas fá-lo em EUR e (é aqui que fica muito mais complicado) fá-lo com Swaps em EUR porque é uma réplica sintética e poderíamos comprar este ETF em BRL ou CHF, se estivesse disponível em uma bolsa que permitisse tais transações.

👉 Melhores Corretoras para Investir em ETFs no Brasil

Como o risco cambial afeta os ETFs?

Em termos gerais, existem dois impactos do risco cambial, um positivo e outro negativo para os nossos retornos, e depende de:

  • No momento em que compramos
  • Se a tendência futura do ETF é de alta ou de baixa.
  • Se a nossa moeda em relação à moeda base do ETF se valoriza ou se desvaloriza.

Vou dar o exemplo mais simples. Vamos imaginar que compramos o ETF VOO em MXN (laranja) em abril de 2020, mas sabemos que sua moeda base é o USD e suas moedas subjacentes também são cotadas em USD. O gráfico a seguir mostra o desempenho do VOO MXN e do VOO USD.

VOO USD

Aqui compramos perto do fundo do mercado e a tendência futura era de alta enquanto o MXN se recuperava ou se valorizava. Portanto, podemos perceber que o VOO em USD tem tido mais retorno que o VOO MXN. Isso porque a valorização do MXN compensou parte da alta do VOO em dólares. Esta é a parte do risco cambial na taxa de câmbio USD/MXN que nos afeta.

Na verdade, se olharmos para o desempenho de ambos desde o início da atual queda ou baixa do mercado, podemos ver que o VOO MXN também teve um desempenho pior do que o VOO USD. Isso ocorre porque o MXN vem se valorizando nesse outono.

VOO USD.

Esta é também a parte do risco cambial que nos afeta.

Mas vejamos outro exemplo, agora antes do crash de 2020. Como o peso se desvalorizou em relação ao USD (o USD valorizou) e o USD é a moeda base do VOO, então o VOO MXN cai menos em março e abril de 2020. E obrigado para essa queda menor, tem melhor desempenho.

VOO MXN

Não é aconselhável fazer market timing, mas é importante saber o efeito que estas três variáveis têm num ETF cotado numa moeda diferente da sua moeda base.

👉 Descubra Os Melhores ETFs para investir

Como você pode mitigar o risco cambial em ETFs?

Isso pode ser feito de diferentes maneiras, mas as duas mais fáceis e comuns. Seria comprar um ETF que tenha cobertura cambial, ou seja, que tenha a palavra hedged no nome.

A segunda alternativa seria comprar um ETF que acompanhe o movimento da taxa de câmbio USD/MXN, por exemplo, o DLRTRAC , e tentar fazer nós mesmos o hedge. Em outro post falaremos sobre esse ETF, fique ligado.

Mas antes de começar a fazer isso, você precisa saber que não é tão simples quanto essas palavras que acabei de escrever.

Comprar um ETF com moeda protegida transfere apenas parte do risco cambial e nos expõe a retornos diferentes dependendo do momento em que é adquirido, da tendência futura e do que faz a taxa de câmbio.

O gráfico a seguir mostra o desempenho do IVV cotado em USD e do IVV peso cotado em MXN e que segue o índice SP500 USD, mas com cobertura cambial.

 IVV cotado em USD

Podemos perceber que embora o desempenho seja muito próximo entre os dois ETFs, há uma diferença com o VOO MXN da imagem 3, que caiu menos e, portanto, se recuperou mais rápido e teve um retorno melhor que o VOO USD.

Também escreverei mais detalhadamente sobre esse ETF e peso BB posteriormente, então inscreva-se para ser avisado.

Em geral, e se pretendemos o longo prazo, a cobertura cambial em ações não é recomendada, mas isso pode variar se o nosso horizonte for mais curto ou se tivermos uma volatilidade e um perfil de risco específicos.

Artigos Relacionados

Melhores ETFs para investir no Setor Financeiro
Os ETFs são uma alternativa para investir em um setor tão específico quanto o financeiro e assim captar sua evolução futura. Vale a pena ressaltar que o setor financeiro é amplo. É composto por bancos, companhias de seguros gerais, de vida, de ...

Deixar uma Resposta

Leave a Comment

Sii il primo a commentare!
Commento